“Fui estuprada”

Por Renata Poskus Vaz

Há alguns meses venho ensaiando fazer um texto sobre estupro. Ao longo desses 4 anos de Blog Mulherão recebi inúmeros e-mails de mulheres que se disseram vítimas de violência sexual. Grande parte delas, não relatam abusos sofridos por estranhos, mas por amigos, parentes e pelo próprio marido. Sim, pois quando seu marido quer transar, você não quer e mesmo assim ele força a relação sexual isso é um estupro. Você não é propriedade de ninguém. Não é um objeto.

Pedi para minhas leitoras relatarem suas experiências, mesmo que usando pseudônimo. Uma delas foi estuprada por um amigo, que lhe ofereceu carona, uma bebida com “boa noite Cinderela”. Ela perdeu os sentidos e acordou com dores e completamente suja de sêmen. Imagine o sofrimento de ter que contar que foi engana e estuprada por um amigo. Talvez seja essa vergonha, medo e resolta que a tenha impossibilitado de escrever para o Blog Mulherão.

No site Papo de Homem, Paula Abreu descreveu sobre um estupro que sofreu. Achei comovente e chocante ao mesmo tempo e acredito que possa servir para consolar e estimular mulheres a denunciar esse tipo de abuso. Veja o relato de Paula abaixo:

“Na primeira vez em que um pau me foi enfiado goela abaixo – figurativamente falando – eu tinha apenas doze anos. Doze.

Voltava da escola pra casa todos os dias, de ônibus. Naquele dia não foi diferente. E, mesmo assim, foi totalmente diferente. Porque, naquele dia, sentado do meu lado, estava um senhor que achou que seria uma excelente ideia colocar o pau pra fora da calça e se exibir pra uma criança.

Aquele foi o primeiro dia em que me senti um objeto. Enojada e impotente.

Da segunda em diante, parei de contar. Já apertaram minha bunda, já apertaram meus peitos, já puxaram meu cabelo, já assobiaram e disseram grosserias que, certamente, não diriam às suas santas mãezinhas.

Há quase dez anos, contudo, uma dessas situações marcou a minha vida. Há quase dez anos fui estuprada.

Não fui estuprada por um estranho. Sei o nome e sobrenome do meu estuprador, e há dez anos sabia também o seu endereço, onde trabalhava, o que fazia, onde tinha estudado, quem eram seus amigos.

Fui estuprada por um amigo, num encontro.

Não estávamos muito bêbados. Não, eu não estava usando roupas provocativas. Sim, eu disse que não queria. Aliás, nada disso explicaria ou justificaria o que aconteceu, mas acho bom ressaltar pelo caráter educativo do relato: não, as mulheres nunca estão a salvo.

Como em algumas vezes anteriores, eu e meu amigo tivemos um “date”, saímos juntos pra jantar, conversamos, rimos. Fomos pro meu apartamento, depois. Tomamos um drink qualquer. Eu queria estar com ele, eu estava atraída, eu estava a fim.

Mas, de repente, me vi forçada a uma situação de violência e agressão da qual não queria participar. Enojada e impotente, como aos doze anos. Dizendo, ou melhor, gritando que não, mas não tendo força suficiente para me desvencilhar de um corpo adulto muito maior e mais forte do que o meu.

Sei que é chocante revelar publicamente um estupro e pensei muito antes de escrever esse texto. Nem mesmo as pessoas mais próximas sabem do que me aconteceu.

Mas o estupro em si não é o meu ponto mais importante. A cada doze segundos – SEGUNDOS – uma mulher é estuprada no Brasil. A cada quinze segundos uma mulher é espancada por um homem, também no Brasil. Aproximadamente uma em cada três mulheres sexualmente ativas já sofreu agressão física ou sexual por um parceiro. Uma em cada 3 mulheres NO PLANETA já foram espancadas, estupradas ou submetidas a outro tipo de abuso. De cada cinco mulheres no mundo, uma será vítima ou sofrerá uma tentativa de estupro até o fim da sua vida.

O meu estupro é só mais um em UM BILHÃO no planeta. Sim, esse número é real. Um bilhão.

O importante é como eu, depois do estupro, relutei em acreditar e admitir que fui estuprada. É como defendi meu estuprador para o amigo que me socorreu, dizendo que ele provavelmente não tinha entendido que eu não queria. É como passei um longo tempo achando que, apesar de todos os meus gritos, resistência física e de todo o sangue que ficou na roupa de cama, aquilo tudo podia ter sido apenas um mal-entendido.

O importante é que, depois do estupro, ainda falei amigavelmente com meu estuprador, e ainda tive pena dele.

O importante é quantos anos demorou pra que eu finalmente admitisse pra mim mesma – e só pra mim, claro – que eu tinha sim sido estuprada. E como, mesmo assim, optei por não contar isso pra ninguém, por não falar no assunto, por não alertar outras mulheres para o perigo que correm todos os dias ao simplesmente existirem.

O estupro em si foi só mais um, mas a minha ATITUDE – infelizmente, também muito comum – é o que permite que a cada doze segundos uma mulher seja estuprada no Brasil.

Esse ano, me vi novamente numa situação em que me senti impotente e, por alguns minutos, não tive força física suficiente para resistir a algo que eu não queria que acontecesse com o meu corpo. Não era uma tentativa de estupro, mas a sensação de impotência me remeteu automaticamente a dez anos atrás. Das entranhas, me veio uma força desconhecida e consegui dizer NÃO. Consegui reaver a posse do meu próprio corpo, e impedir que alguém fizesse comigo algo que eu não queria.

E, pela primeira vez em dez anos, chorei pelo meu estupro. Me permiti sentir pena de mim pelo que aconteceu. Me permiti sentir raiva do meu estuprador. Me permiti chorar.

Mas chorei também de orgulho pela minha recém-adquirida coragem, por ter conseguido me defender, me impor, cuidar do meu corpo, mandar no meu corpo, retomar das mãos do outro o meu direito sobre mim mesma.

Parece uma coisa simples que uma pessoa tenha direito sobre seu próprio corpo, mas não é simples para as mulheres. E as mulheres precisam falar mais sobre isso, se abrir, contar suas histórias, ter coragem de se expor. Não só sobre estupro, mas mão na bunda, mão nos peitos, puxões de cabelo, paus pra fora da calça, agressões verbais. Me arrisco a dizer que TODA mulher que conheço já passou por pelo menos uma situação de abuso ou violência sexual (sim, tudo isso É violência!). E os homens precisam ouvir, saber, perceber as diferenças, compreender as dificuldades que, ainda hoje, as mulheres sofrem.

A propósito do 11 de setembro, lembro que na época do atentado uma das coisas que mais se falava era que eram tantos passageiros contra apenas uns poucos terroristas que, se tivessem se unido, o desfecho poderia ter sido tão diferente. Uma tragédia poderia ter sido evitada.

Demorei dez anos pra admitir e chorar pelo meu estupro. Demorei dez anos pra ter coragem de me abrir e me expor. Não esperem isso tudo. Contem suas histórias. Somos mais frágeis, sim, mas somos muitas. Juntas, podemos mudar tudo.”

About these ads

142 Comentários

Arquivado em comportamento

142 Respostas para ““Fui estuprada”

  1. Daiane

    Sofri uma tentativa de estupro, e o pior pelo meu próprio pai, quando eu tinha apenas 9 anos ( hoje tenho 19 anos), minha mãe nunca acreditou que ele fez isso, e inclusive temos um péssimo relacionamento depois que resolvi por a tona essa historia.( eles não chegarão nem a serem casados)
    Uma amiga (21 anos)é constantemente assediada pelo próprio padastro, sua mãe sabe de tudo e não toma nenhuma atitude.
    Minha amiga não toma iniciativas também, deveria ter denunciado essa cafajeste a tempos, mas e na minha situação? oque uma criança com 9 anos poderia ter feito, se nem apoio da mãe não teve nesse momento?

    • renatavaz11

      É inacreditável que uma mulher escute de sua filha de 9 anos que ela foi violentada pelo pai e essa mãe não acredite. Pelo menos dúvida ela deveria ter. Acredito eu que sua mãe acreditou sim em você, sabe que falou a verdade, mas foi covarde e não te defendeu. É lamentável. Nossos pais devem nos proteger. Acho que mesmo passados esses 10 anos, que você deva denunciar seu pai. Provavelmente você confidenciou isso a alguma amiguinha na época ou teve alguma mudança de comportamento na escola.

      Não deixe isso passar em branco. Seu pai pode estuprar outras filhas e sobrinhas. Não faça com elas o que sua mãe fez com você. Não vire as costas.

      Além disso, imagine você sendo obrigada a cuidar do seu pai na velhice? Por lei temos que dar amparo material e emocional aos nossos pais idosos. Essa denúncia ia te livrar de ter que cuidar desse monstro.

      Pense nisso.

      • Daiane

        Pois bem, cheguei a ir várias vezes na delegacia para denunciar, mas como eu erra de menor eles diziam que minha mãe teria que estar presente no momento, fui varias vezes no conselho tutelar e eles nunca me ajudaram ( a unica vez foi quando me ajudarem a recolher minhas coisas na casa da minha mãe, quando ela me expulsou de casa com a roupa do corpo, aos 16 anos, por que não aceitei o ‘novo namoradinho’ dela dentro de casa),, hoje em dia já nem tem mais como eu fazer isso, pois existe um prazo para denunciar e infelizmente ele já passou.
        Tomo cuidado, meu pai tem 2 filhos com a atual esposa ( 12 e 9 anos) e apesar do ‘nojo’ de ter que vê-lo, sempre que posso levo meus irmãozinhos para passear ( a minha madrasta que permite), e aproveito para observar suas atitudes e perguntar se ‘alguém’ tentou algo com eles, tenho muito medo que aconteça algo a eles, e se acontecer eu acabo com a raça do meu pai, já deixei bem claro isso, pra todos.
        Sinceramente? quando ele envelhecer não vou fazer nada, ele tem a esposa para cuidar dele, e tem asilo também, desamparado ele não fica, o mesmo digo para minha mãe, se eles quiserem um fim de vida ‘digno’ que vão para o asilo, por que quando eu mais precisei dela me foi negada as costas, ouvir as barbaridades que ouvi dela não foi nada fácil….

      • Associação Comunitária Barra de Lama

        a minha tambem duvidou de mim.

    • tambem fui estrupada pelo meu proprio pai quando eu tinha sete para oito anos eu tinha muito medo dele e ele me ameacava,um certo dia ele e minha mae brigaram e eu contei tudo para ela….primeiro momento foi um susto grande,mais depois disse que a culpa era minha que eu me insinuava sentava no colo dele,,,,poxa eu via ele como o meu pai e eu tinha apenas sete anos.depois disso minha mae nao me deixava em casa com ele mais.minha mae nao se separou falava pra mim se largasse dele a gente ia passar fome,que ela era doente como ela ia sustentar a casa e eu e meu irmao pequenos.os anos foram passando tive meu primeiro namorado contei tudo pra ele,namoramos 3 ano e casamos na igreja e no civil tinha medo de nao me casar por causa disso mais deus me ajudou e muito,faz 13 ano que estou casada moro em outra cidade .quando casei falei para o meu marido que queria morar bem longe dele.tenho 2 filhas morro de medo que alguma coisa aconteca com elas,eu trabalho e as duas vao junto comigo.eu gosto muito de poder cuidar delas poder levar pra escola passear com elas mais eu nao deixo com ninguem morro de medo……minha mae sempre vem em minha casa me ajuda bastante com afazeres de casa sinto que ela se arrepende e muito por nao ter largado dele ela e evangelica e ainda continua com ele….falei pra ela me respeitar nao trazer ele em minha casa….nesse 13 anos que casei ele veio 3 vezes em minha casa.fico pensando nao desejo a morte pra ninguem mais ele tem 65 anos sempre ta doente e nao morre.nunca denunciei porque na epoca passava o jornal aqui e agora entao tinha medo de passar na televisao e ninguem gortar mais de mim,e minha mae tinha eplipcia nossa vida foi de muito sofrimento entao deixei deus me ajudar ele pois meu marido que e um homem honesto trabalhador um bom marido.desculpa de escrever tudo isso nao sei como explicar mais estou menos angustiada triste,acho que foi bom eu ter escrito tudo isso muito obrigada.

      • Daiane

        Vai ser um trauma que irá carregar pelo resto da vida.
        Você teve sorte de conseguir pelo menos não ter contato com ele mais. Eu vejo meu pai a cada 15 dias, quando vou ver meus irmãos, sinto tanta vontade de surrar aquele cara, não suporto vê-lo ofendendo os meninos, maltratando minha madrasta mas se eu abrir a boca vou ser muito mais prejudicada hoje por que em cidade de interior dificilmente se prende estuprador, ainda mais que já se passaram 11 anos.
        Não sei o que lhe dizer para tentar te confortar, pois até hoje tenho problemas pessoais com relação a isso, apenas tenha fé e se apoie nos seus entes queridos.

  2. Luciana Correia

    Triste e lamentável que num tempo onde as mulheres já conquistaram sua independência e o direito de decisão sobre seu corpo, ainda existam mulheres que se sintam acuadas e imobilizadas a não denunciarem um estupro.
    Sem dúvida, uma marca que qualquer mulher leva em sua memória pelo resto de sua vida!!!

  3. tais valim

    Nossa Renata q matéria……
    E que Coragem dessa moça, Parabéns pra duas……..
    Bjuusss

    Taís

  4. Forte e corajoso o relato. Muitas mulheres passam por isso e ficam caladas para sempre. Ainda há o pré-conceito de que a mulher “provoca” alguma atitude mais ousada de algum homem. E isso é o cúmulo. Nenhuma mulher merece sofrer isso, e nem ter que lidar com essa marca calada pelo resto da vida…

  5. debora moreira

    Adorei a matéria, a maioria das mulheres se cala, pois seus maridos e companheiros, até mesmo familiares são os principais responsáveis por esse comportamento. A lei ainda é muito branda e submete as mulheres aos constrangimentos de uma Delegacia, a exames de Corpo Delito, em que a mesma se sente sozinha e desamparada. Mesmo com a implantação da Lei Maria da Penha, a demora e a sobrecarga do judiciário faz com que fiquemos expostas a esse terrorismo, e os autores sem a devida punição. Somente após anos de tramitação do processo e diversas audiências onde os “advogados” se prevalecem das brechas da lei, afim de postergar a aplicação da penalidade, a tortura continua…nós, vítimas, acabamos nos tornando prisioneiras da impunidade criminal.

  6. Kellly

    O problema é que em muitos casos a própria mulher se sentem culpadas por sofrer esse tipo de violência, quantas vezes vi amigas se sentirem obrigadas a irem para cama com homens que acham q pelo simples fato de terem aceitado um convite pra sair com eles a mulher deva fazer isso, se sentem acuadas, com medo desses homens… A mulher é SEMPRE subjulgada pela sociedade e até dentro de casa, que se culpa de agir de algumas maneiras, ou acaba se culpando por sofrer violencia. Eu por volta de meus 10 anos de idade, fui a padaria do meu bairro que fica na esquina de casa, com mais uma amiguinha de 8 anos. Um senhor de aparentemente mais de 50 anos, conhecido do bairro, estava dentro de seu carro, e me chamou para pedir uma informação, como a pessoa era conhecida, eu atendi e dentro de várias perguntas q ele nos fez, perguntou onde iriamos, e nos chamou para entrar no carro, q ele nos daria uma carona, neste momento eu percebi que ele estava com seu orgão genital para fora, e agora com minha idade entendo que ele estava se masturbando, ali mesmo, dentro do carro, enquanto conversava com a gente, mesmo não sabendo na época do que se tratava, tive medo, não queria fugir, por medo dele ir atrás, desconversei entrei na primeira mercearia que vi, chamando minha amiguinha junto… Eu fico imaginando e se eu tivesse entrado naquele carro? Se eu fosse um pouco mais ingênua, ou mais nova? Essa cena ficou marcada na minha mente, e não nunca ninguém soube disso, e garanto que muitas histórias como essa marcam a infância de muitas crianças e por vergonha que sentimos disso não contamos pra ninguém, é triste mais é a realidade. Hoje com 32 anos, lembro disso como se fosse ontem, e apesar de aparentemente nada ter acontecido, me sinto invadida por isso ter acontecido, me vi nesse texto, pois minha vida foi cercada por série de abusos, e preconceitos. E enquanto eu não dei um BASTA nisso tudo, não consegui ter paz, acredito que essa força vem com a maturidade, é quase impossível cobrar isso de uma jovem ou criança, aí é que entra a educação e proteção dos pais, familia, escola, etc… Me excedi um pouco mas parabéns Renata por abordar esse tema.

  7. Olá Renata e leitoras e leitores do Blog. Impressionante e, ao mesmo tempo, revoltante esses fatos. Ao ler depoimentos como este, fico pensando se realmente estamos no Século XXI. Não importa a cor, credo ou classe social. Um estuprador é sempre um sujeito frustrado sexualmente, intelectualmente, e em muitos outros aspectos, seja ele um sujeito bem-vestido e inteligente ou um bêbado mal-vestido com a barba por fazer. Um verdadeiro parasita. A vítima pode ser uma freira ou uma funkeira, ou seja, essa história de que “ela estava vestida de forma provocante” é conversa pra boi dormir. O mais revoltante é o sentimento de culpa que a vítima tem em relação a si mesma, além do seu silêncio, que só beneficia o agressor.

    E na maioria das vezes, o perigo mora ao lado: Pais, irmãos, maridos/namorados, primos, tios, padrastos… justamente aqueles que deveriam dar proteção, suporte e conforto são os principais algozes.

    Parabéns pela coragem de abordar um assunto que deveria ser debatido com mais frequência. E parabéns à coragem das leitoras que venceram o medo e o silêncio.

  8. Ana Carolina*

    Esse não é meu nome, mas eu não vou colocar meu nome verdadeiro!
    Eu também fui estuprada, pelo meu avô aos 6, e pelo padrasto dos 12 aos 15. Foi quando fugi de casa, pois minha mãe era completamente cega. Anos depois de ele ter enfim saído da casa dela, não depois de estuprar também a empregada e deixar ela grávida para minha mãe cuidar, aí sim a minha mãe caiu em si. Mas aí era tarde demais. Quanto ao meu avô, esse também era doente, estuprou, ou tentou, a todos filho(a)s e netos com quem tinha contato.
    O meu padrasto também estuprou várias de suas sobrinhas, uma eu até conheci. A menina era perturbada do juízo por causa disso. Eu brigava demais com ele, briga feia, de faca, de jogar no muro, quebrar garrafa, me isolava no quarto, passava dias na casa dos outros. Enfim, ninguém nunca notou nada, por mais que eu gritasse… Sempre era eu quem não prestava.
    Enfim, ir embora foi minha melhor saída. Vira e mexe o meu marido questiona por quantos homens eu já passei. Mal sabe ele que ele foi o único homem, COM MEU CONSENTIMENTO, que me teve.
    Por eu não ser virgem quando casamos ele pensa horrores do meu passado, e realmente foi horrível, mas é péssimo a pessoa fazer uma imagem de você por algo que nem foi sua culpa.
    Polícia nunca me deu ouvido, e olha que fui lá mais de 10 vezes!
    A delegada dizia que por eu ser menor minha mãe teria que depor contra ele…
    E viva a justiça nesse país!
    Então, de uma forma ou de outra, isso sempre vai perturbar minha vida. Mas passou, to viva, e agora é bola pra frente!

    • Gata, teu marido também não é lá mto bacana, hein! Que tem a ver qtas pessoas vc teve antes dele? O q isso muda?? Se ele soubesse como foi q vc perdeu a virgindade, qual seria a reação? Pena extrema? Nojo? E se tivesse sido um namoradinho, ou 2, ou 9??? Que diferença ia fazer na vida de vcs?? Olha, isso é tão machista qto o estupro…

      • renatavaz11

        Rafa, mas isso é básico dos homens. Eles bate no peito com orgulho ao dizer que comeram 20, 30, 40 mulheres ao longo da vida. Mas quando sabem que a mulher dele também deu para 20, 30 ou 40 homens não aceitam.

        Se essa menina for sincera com o marido e ele for machista como aparenta ser, ainda é capaz de largá-la se ela for sincera com ele. Dureza, né?

      • Ana Carolina*

        Na verdade, eu contei na época do namoro, mas algumas vezes ele deu a entender que acha que é”desculpa esfarrapada”… Antes fosse neh!
        Mas isso foram momentos de raiva e nossos anos de convivência superaram essa fase, eu relevo. Hoje estou mais resolvida e posso tratar mais friamente esse assunto do que há 12 ou 15 anos atrás. Mas assustei com a quantidade de relatos, é péssimo saber que tantas pessoas passaram por isso…
        Ainda bem que somos mulher o suficiente para dar a volta por cima!
        Vi que a Daiane também tentou denunciar e não foi ouvida por ser menor na época … Essa é minha maior revolta!!!!

    • Achei linda a expressão TO VIVA e é verdade, quantas pessoas não deveriam gritar TO VIVA e agradecer ainda que a dor te forçasse o contrario. Pois é isso que o demônio quer de nós a submissão, a morte!
      Devemos entender que fomos salvos pela dor de Cristo na Cruz, no calvário.
      A nossa dor muita das vezes faz parte de nossa Cruz, assim alcançaremos nossa redenção.
      Para isso, devemos viver “bem”, no bem SEMPRE!

    • OLha,nunca passei por isso graças a Deus,mais ja vieram tentativas mais Deus me tirou de todas elas.Sei que nao é facil toda essa situaçao,se vc está com seu marido é pq o ama.Se fosse ao contrario vc tbm iria saber o que houve no passado dele,nao se esconda,se vc teve coragem de relatar aqui pq nao ao seu companheiro ,ele nao ira jogar pedras,certamente pq ele te ama e te apoia.Na cabeça dele pode haver milhoes se pensamento,vc esclarecendo vai ser um alivio tanto pra vc quanto para ele.ta ok,bjo

    • Luana

      Estou chorando…Que relato…

  9. Luciana

    Parabens, pela materia e para as duas garotas.

  10. Andrea

    Ei Renata! Parabéns pela matéria, de extrema importância. Nós mulheres somos sujeitas a atos de violência todos os dias. Infelizmente isso aconteceu comigo também! Fui estuprada aos 19 anos por um conhecido da faculdade. Porém, me senti culpada, como a maioria das mulheres, Nunca contei para meus pais, pois sei que diriam que tive culpa, talvez pelas roupas que vestia, talvez por ter saído com o cara. E me comportei como a moça do texto, desculpando e sendo amigável com o sujeito.É uma marca que vou carregar para sempre.Mas sempre me manifesto contra violência contra as mulheres e procuro sempre ouvir as minhas filhas.
    Beijos e mais uma vez, parabéns!

  11. Paula Regina

    Renata, parabéns pela matéria e pela coragem de muitas aqui em contar suas histórias.
    Beijos em todas voces.

  12. Re parabéns pelo texto e parabéns a essas meninas por contarem suas histórias.
    E as outras que não tem a coragem de contar aqui, na familia ou amigos eu digo que fale sim, isso é crime, vá até uma delegacia e denuncie.
    Bjs

  13. Andrea Regina

    Sim precisamos que todas tenham coragem e gritem ao mundo.Quando vai acabar isso ? Por que os homens ainda veem as mulheres como um objeto ? E se comportam como animais ?
    A minha história não é diferente das outras. Mas terrivel e após tantos tratamentos consigo falar um pouco a respeito.
    Minha mãe foi estruprada pelo pai, um ser terrível. Se é que era um ser, mas no final da vida mudou…acho que conseguiu ser um ser humano. E nào um animal.
    Comecei a ser abusada com 4 anos por um tio, tio mesmo, que eu amava muito. Admirava. E minha cabeça de 4 anos nunca conseguiu entender, era normal ele mexer em mim qto todos estavam dormindo ? será que eu o provocava ? o que será que fiz de errado ?
    Mais tarde um médico me assediou de uma maneira absurda. E eu imaginei que estava exagerando.
    Até um dia um colega (amigo de minha amiga) me trouxe uma bebida com sei la que droga, só lembro que acordei no motel dele. Gritei tanto, tanto, pedi tanto a ajuda de Deus que ele desistiu de fazer mal a mim. Mas na realidade não sei o que houve enquanto eu estava desacordada. Fiquei revoltada, em depressão, cortei o meus cabelos longos igual de homem, minha vontade era de ficar muito feia e nenhum homem querer fazer mal a mim. Demorou muito para superar tudo isso.
    E agora um FDP professor de nataçao em uma escola muito bem conceituada abusa a minha filhinha de 3 anos.
    Me pergunto constantemente : Que mundo é este Meu Deus!! Vale a pena viver, ter filhos num mundo tão cruel para as mulheres ?

    • Filha eu percebo que você acredita em Deus, perfeito ele é a razão do nosso viver.
      O mundo pode ter fazer chorar, mas deus te quer sorrindo. Você é uma pessoa extremamente corajosa e vitoriosa, pois em Cristo vive!
      Proteja sua filha, pois o resto Deus faz!

      Fique com Deus.

      • Vanessa

        Tudo bem ser de qualquer religião, mas dizer que temos que passar por tudo porque “Deus te ama” e quer te ver sorrindo é o ó.

  14. Melissa

    Eu tbm tive problemas com isso, fui estuprada por o primo da minha melhor amiga, e fui assediada que eu me lembre duas vezes pelo meu tio, e uma vez em uma festa um homem ficou se esfregando em mim.
    A primeira vez eu era muito pequena, creio que uns 6 anos tbm, ele foi almoçar um domingo na minha casa e ficou comigo e meu sobrinho na sala, tinha um sofá cama onde ele estava deitado, e me chamou pra ficar do lado dele, até ai tudo bem meu sobrinho tbm estava brincando ali, bem ele começou fazendo cosquinhas em mim, e nisso ele se aproveitou e começou a passar a mão em mim, nos meus peitos na minha genitalia, eu achei errado e quis sair dali, ai ele falou no meu ouvido, se vc sair daqui vou contar para sua mãe, bem com isso eu achei que estava fazendo algo errado e fiquei quieta aguentando aquilo, a segunda vez eu estava maiorsinha com uns 8 anos e dentro do carro junto com meus pais, ele conseguiu tbm abusar de mim, deitou no meu colo e escondido passava a mão em mim, a viajem durou duas horas, mas foi as duas horas mais apavorantes da minha vida, e o meu medo era que meus pais vissem e brigassem comigo, ele ficou na nossa casa no interior por quase um mês, Graças a Deus não aconteceu mais, mas eu ficava apavorada sempre que estava perto dele, minha mãe coitada sem saber de nada me empurrava pra ir na padaria com ele e etc, mal sabe ela que estava me empurrando para um cara que a qualquer momento podia me estuprar, felizmente, falo isso meio que com remórsio ainda não sei porque, mas ele esta morto, a mais de 13 anos… Mas conversando uma com minha mãe a 5 anos atrás ela me contou que ele tinha abusado dela uma vez, ai eu contei tbm, pra mim foi como um peso que saiu da minhas costas, foi um alivio…
    Pequena ainda, fui em uma festa, e um homem começou a se esfregar em mim, ele se aproveitou que a multidão era muito grande, eu paralisei, a minha sorte foi que minha irmã, (detalhe minha irmã é deficiente mental) ela percebeu que ele estava passando a mão em mim, se esfregando, e começou a empurra lo, e bater nele, nisso meu pai entendeu e colocaram o cara pra correr, mas tbm não passou disso, ele fugiu e com certeza foi fazer isso com outra criança…
    E qdo eu estava 18 anos, minha amiga fez um churrasco em uma chacara somente com amigos e parentes, eu bebi mais que o normal, e fui para o banheiro vomitar, nisso lembro de entrar na banheira que tinha, ligar o chuveiro e ficar em baixo, minha amiga chegou ir me ver varias vezes, mas nesse intervalo, o primo dela entrou no banheiro e começou a me estuprar, eu muito ruim ainda pedia pra ele parar, eu lembro muito bem disso, pedia muito, implorava, na hora eu não conseguia ver quem era, no momento pela voz achei que era o irmão dele, mas qdo citei o nome do irmão, ele confirmou o nome dele, bem, depois disso não lembro de mais nada, acho que dormi, desmaiei, sei la, acordei com minha roupa nos joelhos, ou seja não foi um sonho, bem, nunca tive corajem de contar a minha amiga, achei que não acreditariam, o pior de td que ele espalhou para a familia que eu sai com ele, contando vantagem, o irmão dessa minha amiga, veio me perguntar se era verdade, ai pra mim não negar, nem acusar ele, falei que não, que não lembrava de nada, que não aconteceu nada, sei que ele não acreditou, que deve pensar ate hj que eu transei com ele porque quiz, eu nunca tive coragem de contar pra ninguém, pouco menos de 2 meses tive um sonho relembrando esses episódios acima, e qdo a vi, eu contei pra ela, que entrou em choque, chorei, mas pedi que ficasse quieta afinal, já fazia muito tempo, quaze 10 anos ele esta casado tbm, preferi deixar quieto, mas ela é a unica que sabe, meu esposo sabe do meu tio e do homem da festa, mas do estupro não tive coragem de contar, tenho medo que pense que é mentira minha, que é uma desculpa minha, sei lá…
    Bem gente essa é minha hist, apesar de algumas pessoas saberem eu nunca denunciei ninguém, se fosse hj seria diferente, hj entendo td que me aconteceu, e com certeza eu denunciaria, pois ninguém, ninguém mesmo não importa as consequências que vc esteja ou não, ninguém tem o direito de te forçar a fazer algo que não queira, por isso meninas, denunciem, não deixe isso passar em branco, é vidas que vcs podem estar salvando, fora o alivio que vcs terão depois de td selecionado…

    Grande beijo a todas…

    • Infelizmente milhares de garotas, mulheres são violentadas hoje em situação parecida com a sua, embriagadas, ou sobre uso de entorpecentes. Por isso o álcool…é condenado!
      Hoje muitas pessoas do mal esperam um momento de distração para fazer sua vitima. Mal sabem eles que eles é que são as vitimas, pois na hora de seu julgamento, aos pés de Cristo, terão um tratamento a altura de sua vida!

      Filha fique com Deus.

  15. Nossa,que história,infelizmente no Brasil não sei bem a estimativa,mais á milhares de mulheres sendo estupradas,pois que muitos nem tem conhecimento,sempre fui um mulherão,desde novinha eu com 12,parecia que tinha 16 anos,era ruim já fui perseguida,mas Graças a Deus um estupro nunca,mas mesmo quando um velho meche com vc , vc se assusta enfim,tem que denunciar sim, conheço amigas minhas que ja foram vitimas elas contando é um absurdo,enfim faça um boletim(B.O),pois Deus esta junto de ti, não tem vergonha,pois Deus é justo, não deixe que ninguém abuse de vc, seja marido o que for,mulher nenhuma merece,Deus está junto.

  16. Joana

    Poucos meses atras passei por algo do tipo. Estava voltando do hospital, sozinha, usando camiseta básica, jeans [que não mostravam nada] e cabelo preso, quando um homem, cujo rosto não vi, se aproximou da cadeira em que estava sentada e começou a encostar seu pênis no meu ombro, foi constrangedor, e por todos os longos 10minutos não tive forças para reagir. Foi horrível. Chorei logo que cheguei em casa, tive medo de sair nos próximos dias. Tive pena de mim. Raiva por não ter tomado um atitude e ao mesmo tempo me senti frágil, logo eu que sempre me achei forte.

  17. Thereza

    Meninas, infelizmente a vergonha e o medo deixam estes monstros impunes.
    Renata, parabéns pela matéria.

  18. Xinha

    De certa forma, felizmente ela soube quem era a pessoa. Mas e aquelas mulheres que são estrupadas por desconhecidos? Acredito que seja pior ainda, ou não.

    Tenho uma tia que estava sozinha em sua própria residência, na qual foi invadida por um estranho (que disse a estar perseguindo a meses), ela foi espancada e estrupada, e por pouco não foi assassinada. Depois disso, ela estava extremamente instável psicologicamente, até acordava no meio da madrugada gritando e chorando, com medo de ficar sozinha em casa, e pensando até mesmo em tirar a sua própria vida, teve de fazer inúmeros exames, retratos falados e muito mais.

    O pior de tudo foi o acontecido na própria polícia, onde insinuaram que ela poderia estar utilizando roubas chamativas, perguntaram se ela costumava sair a noite, se tinha namorado / marido, etc. Em vez de apoiar a vítima, os policiais ficaram largando piadinhas e insinuando que a culpa era dela pelo fato ocorrido. Além deles quererem incriminar vários suspeitos, mostrando as fotos para ela, e a mesma dizendo que não eram aquelas pessoas, mas eles insistiam.

    Atualmente ela está melhor, com o apoio e o amor da família, creio que isso possa ser uma forma mais fácil para uma melhoria, mas acredito que as feridas são profundas e não é algo que se esquece.

    Infelizmente até hoje esse monstro horrível não foi encontrado, mas depois do ataque, aconteceram crimes semelhantes, com descrições semelhantes e com o mesmo estilo de ataque. Esse monstro está a solta fazendo muita maldade!

    Nesse caso se recorre a quem? Complicado, se nem a polícia, que deveria dar apoio, o faz da forma correta. Então, mulheres que tem a possibilidade de denunciar, sabe quem as maltratou, não fiquem caladas, pois a situação pode agravar-se rapidamente.

  19. Val

    Hoje eu tenho consciencia que me deixei engordar sem freio, me esconder , me diminuir para que nenhum homem me olhasse, para que nunca mais acontecessse comigo as coisas que aconteceram.
    Me arrependo, essa não é a maniera correta de se defender.

    • Andrea Regina

      difícil, mas esse foi o caminho que tomei da ultima vez, alem de tosar o cabelo, 10 kilos a mais…tb me arrependo. Mas nesses momentos ninguem consegue entender a nossa dor.

  20. Marcella Betti

    Parabéns pela matéria Renata! Acredito q uma das únicas formas de se combater isso é tornar o assunto visível, é pararmos de fingir q nao temos nada a ver com isso. O mais triste de tudo é q, sempre q uma mulher é estuprada/abusada, aparece um batalhão para justificar ou mesmo defender o agressor. Aliás, como o texto mostra, a própria mulher agredida já sente culpada. Muito, muito triste.

  21. Andrea Regina

    E os psicologos que tentam nos ajudar ? As vezes mais atrapalha do que ajuda. Certa vez um psicologo me disse que todas as mulheres que são abusadas, ficam com um disturbio. E no meu entendimento eu tinha ficado “contaminada” seria uma provável abusadora. Pq segundo estudos, as pessoas repetem oque fizeram pra ela. Passei muitos anos com medo de ter me tornado um monstro. Mas era um medo oculto e eu sequer o entendia. Agora recentemente uma psicologa me disse as claras, o seu disturbio vc virou para fazer o bem para as pessoas e descarregou toda a raiva / energia no trabalho. O que te tornou um destaque.Me faz uma profissional de garra. Mas…segundo eles, graças a tudo que passei.
    Poxa vida, acho que seria melhor estar na média e não passar por tantas humilhações.

  22. lithabacchi

    Acho que muitas mulheres nem sabem que foram violentadas por muito tempo, como narrou da Paula.

    Já contei pra Renata e agora conto pra vocês: eu fui forçada por um cara a ficar com ele quando tinha 18 anos, um amigo de amigos meus. Por anos achei que a culpa tivesse sido minha, por estar muito entorpecida por álcool misturado com sibutramina. Quando eu falei para nossos amigos em comum que tinha sido forçada, eles riram e disseram que ninguém faz o que não quer só porque está bêbado. Me calei por anos, sem entender o que tinha acontecido comigo. Quando entendi que tinha sido violentada, comecei a contar minha história para as pessoas porque senti a urgência de que elas soubessem que isso acontece SIM com quem elas conhecem.

    As primeiras muitas vezes que contei essa história, chorei. Chorei muito! Chorei até dormir. Mas insistentemente fui contando, até que, hoje em dia, posso contar sem me sentir tão mal. É uma dor que nunca passa, essa de perceber que alguém fez com o teu corpo algo que tu não queria que tivessem feito. Pra mim foi muito difícil lidar com o fato de eu ser tão indefesa. Até hoje não consigo ter um relacionamento de verdade com homem nenhum. Não consigo construir a confiança necessária. Tenho muito medo de ficar sozinha com qualquer homem.

    De repente isso passa, junto com a vontade de chorar que eu tinha. Não que eu acredite muito nisso.

  23. gabs

    Sim nome falso, nessa sociedade a envergonhada ainda é a vitima.
    Quanto a culpa…aposto que escutaram barbáries, quando a Xuxa foi a TV falar….. eu ecscutei, e destrui todas a que eu pude…afinal ela falava por mim.
    Pois é…um primo meu abusou de mim e da minha irmã em situações distintas, quando tinhamos por volta de 9 ..10 anos….da minha irmã, minha mãe soube na época, de mim, só pouco tempo atrás…eu sofri..sofro…e desejo a morte dele todos os dias……eu me reconstrui, mas tenho sequelas, até hj nunca tive nenhum relacionamento, nem eu nem minha irmã…colocamos a desculpa em nossa independencia …e em nossa vida corrida…mas no fundo, sabemos a realidade….
    Na época minha tia manipulou…como ate hj manipula minha mãe, e ele não foi denunciado, no fundo, apesar de amar sem limites minha mãe, não a perdoo. é triste admitir, mas ela foi omissa, fez o q era mais confortavel na época.
    É um assunto delicado..no ultimo Natal passamos sozinhas, eu e ela, mas resolvemos que na presença daquele ser execravel não passariamos.
    A familia toda reunida, menos nos duas….
    Hj em dia mantenho a distancia e so falo o necessario….tenho desejos de vingança…mas pela minha irmã do q por mim….ela tem problemas psicologicos, é bipolar,e acho que tem alguma correlação…..
    Afff…vida que segue…não me permito ser triste…..zombo da vida…não me permito que essa violência guie meus dias aqui na Terra.
    E me choco ao perceber o quanto isso é comum!!!!!
    Tenho a resolução de nunca ter filhos, eu não consigo imaginar q alguem possa fazer mal a um filho meu…por puro egoismo…por puro medo de sofrer e ser responsavel pelo sofrimento de uma vida…resolvi não ter filhos….
    é uma cultura da omissão…do machismo…do abuso…que me enoja!!!
    O agressor, salvo os casos especificos, na maioria das vezes SEMPRE é alguem conhecido.
    Se tiverem filhos, alertem, criem crianças reativas, que sinalizem por pouco….ao inves de se calar por muito…..
    Claro que como criança achei q a culpa era minha…custei a fazer as pazes comigo mesma…..

  24. Re, acho que sei quem é essa sua amiga :-)
    Ainda choro quando me recordo, e acho que sempre vai doer, é uma ferida na alma que jamais cicatriza!! Tento ao maximo não falar e não pensar sobre o assunto, por vergonha, medo do estrupador e das pessoas que podem me julgar. Desde o primeiro momento soube que nada do que eu tivesse feito mudaria as intenções do canalha, nada justifica o que ele fez!! Denunciei o estrupo, fiz todos os procedimentos de exames, e tomei toda medicação necessária, e na delegacia fui motivo de chacota, ou seja além de toda agressão que sofri, ainda tinham os coquitéis contra HIV, os exames, e as policiais rindo e me olhando com cara de dúvida. Percebi que nada seria feito, ele continua com a vida dele e eu tenho que lidar com os meus monstros sozinha. Existe a possibilidade de que eu vá tomar café em uma padaria e encontre ele por lá.. como se nada nunca tivesse acontecido… #desabafo

    • Pelas santas chagas de nosso Senhor Jesus Cristo e teu precioso sangue derramado na cruz, eu ordeno que esta alma e muitas outras dilaceradas pela ação do maligno e seus feitores sejam restauradas em teu amor.
      Jesus humildemente eu clamo e te peço tua compaixão, nos proteja com o teu sangue, pois assim, mesmo na dor seremos vitoriosos. Amen!

      • André

        Não, caro Wilson! Você nada pode ordenar e nem o seu deus, sabe porque? Porque as pessoas que abusaram destas mulheres não são “endemoniados”, são homens aparentemente “normais”. Eles podem seu pai, seu irmão, seus amigos, até mesmo você ou eu. Quantos de nós não somos ensinados à achar que forçar sexo é normal?

        Faça um favor à estas mulheres, pare com seu prositelismo barato!

  25. Ana

    Incrível a repercursão deste post. O Estupro é mais comum do que se pensa e está entro das nossas casas. A convenção social é que a mãe e o pai sejam pessoas boas, que nos protejam de todos os males, mas a realidade é outra. Não tenho filhos por diversos motivos. Um deles é que é a minha mãe não é uma boa mãe. Sorte que não sofri estupro quando criança, pois ela seria uma dessas mães omissas. Não fui estuprada, mas sofri violência doméstica e quase morri, mas preferi não contar nada a ela, pois sei que não é minha amiga e não ficaria do meu lado. Ao contrário, acharia que eu teria dado motivos para o espancamento… O mais triste disso tudo é saber que os nossos inimigos estão ao nosso lado e são exatamente aqueles que a criança deveria ter total confiança.

  26. Deia

    Qdo eu era pequena, acho q uns 6 ou 8 anos, meus vizinho, um velho nojento, ficava sacudindo o pau no quital da casa dele pra mim qdo subia no pe de ameixa q tinha no quintal da minha casa. Como adorva as ameixas e nao queria deixa-las por causa dele e tbm nao queria contar pra ninguem la em casa pq tinha medo q meus irmaos matassem o infeliz e fossem pra cadeia por isso, resolvi eu mesma resolver o problema. Enchi minha roupa de pedras grandes e meu bodoque e qdo ele foi pro quintal se masturbar pra mim eu o ataquei com pedradas de bodoque. Ele nunca mais voltou a tentar nada, mas estava decidida se depois disso ele ainda continuasse, eu iria contar pro meu irmao e deixar o barraco cair. Sempre fui muito bem resolvida na vida e meu maior medo sempre foi ser estuprada por estranhos na rua, como via sempre acontecer perto da minha casa. Certa vez, meu irmao correu pro terreno abandonado pra salvar a filha de um pastor na rua da nossa casa. Qdo chegamos de camisola na igreja pedindo ajuda, o pastor gritava no microfone pra ninguem nos dar atencao pq estavamos praticamente peladas na casa do Senhor e que foi o demonio q nos mandou la. Fiquei tao enfurecida q tomei o microfone da mao dele e gritei pra ele q o demonio tinha arrastado a filha dele pro matagal e q meu irmao poderia ser morto la se aquele bando de homens na igreja nao fossem atras pra ajudar. O maldito estuprador conseguiu fugir pq a moca se agarrou no meu irmao e nao o deixou ele correr atras. A coitadinha teve q tomar varios pontos na boca pq ele enfiou a mao fechada dentro da boca dela pra ela nao gritar. Como a boca dela era pequena e mao dele grande, o estrago foi grande. Tenho duas filhas e sempre converso com elas sobre o corpo delas e como so elas decidem o q querem ou nao, e que sem permisao eh errado e elas tem q lutar por isso. Como sei q a maioria nao tem coragem de falar ou assim como aconteceu comigo, tentam resolver sozinhas o problema, tento encoraja-las ao maximo para q se isso um dia venha a acontecer com elas, elas possam estar preparadas.

    • Paulo

      Estupro já é horrivel, crime hediondo, inimaginavel com crianças, ao ler as respostas e os relatos, eu sendo homem me senti enojado, tenho um bebe de 1 ano e meio (menino) que cuido para que nao caia da escada, que nao bata a cabecinha na mesa, fico imaginando o que esses “homens” tem na cabeça, pois meu cachorro que é animal, é muito mais humano do que esses doentes. Deia, parabens …. pelas pedradas, espero que tenha acertado na testa, para alinhar o pensamento, e outro no penis e no saco, para que esse tarado nunca mais tenha coragem tentar algo semelhante.

  27. Tulipa

    Fui estuprada por 2x pelo meu próprio irmão aos 6 anos, os abusos só pararam qndo eu tentei contar para meu outro irmão, isso já faz mais de 20 anos eu ainda tenho medo do abusador moramos na mesma rua, não fico sozinha com ele e nem pego carona se ele estiver sozinho, mas Deus é tão grande q ele tem uma filha de 18 anos que é a minha cara todos acham que nos somos irmãs, eu nunca contei para meus pais acho q meu pai mataria ele, nos somos em 4 irmãos 2 meninas e 2 meninos eu sou a casula o abusador o primogênito, eu e meu irmão do meio somos loirinhos de olhos claros, minha irmã e o abusador (é assim que o chamo) são morenos de olhos negros, ele sempre falava para meus pais que ia cuidar de mim pq eu era muito bonitinha, o tempo passou e eu fiquei adulta hoje sou advogada, luto e repudio abuso sexual, me tornei um mulherão, pois sei que a minha obesidade vem deste trauma não suporto a ideia de saber que tem um homem olhando para mim isso me deixa transtornada não gosto que digam que sou bonita e nem q toquem em mim, depois de muitos anos eu tive coragem de contar para o meu namorado (sim tenho um namorido kk que amoooo muito e sinto que é reciproco este amor) e ele me incentivou a contar para a minha irmã, ele nunca abusou dela pq achava ela feia pq ela era morena, mas hoje ela tem uma filha q é minha afilhada eu não deixo ela ir na casa dele sozinha e nem dormir la pq não sei se foi passageiro ou se ele ainda é capas de abusar de algum, me pergunto oq ele deve pensar hoje com 43 anos e com uma filha que é a minha cara será q ele tbm abusou dela? Não posso perguntar isso para ela e nem contar para meus pais sobre oq aconteceu, mas posso identificar um abusador a km de distancia, repudio este tipo de gente medíocre e doente, por isso q sempre q posso por um vagabundo destes atrás das grades me sinto mais limpa, denunciem é muito importante.

    • Andrea Regina

      que horrível!
      mas e a lei hoje? pq quando procurei a advogada ela me disse que em SP esta tudo atrasado, e que eu lutaria, exporia minha bebe de 3 anos e quase certo não daria em nada, por que não temos provas.
      No sul já está tudo diferente pelo que li. Como colocar um animal desses atrás das grades ? Expondo novamente a criança ? nunca. Torcer para que ele machuque alguem e que apareça o sangue ? que coisa horrível…
      Quando uma menininha de 3 anos envolvida, sem perca de virgindade, ou seja sem “sequelas”aparentes. Como a lei procede hoje ?

      • Tulipa

        Olha Andreia!!

        A lei funciona em todo o lugar lógico em alguns um pouco mais rápida em outros mais lenta, mas criança e adolescentes sempre tem preferência para os julgamentos e não é necessário ser consumado o abuso, basta a vitima afirma no seu caso oq vc viu e tem certeza, vc deve procurar o Ministério Público e não vai se expor , pois o processo corre em segredo de justiça so não pode deixar q isso passe impune, pois pode ter certeza sempre fica alguma sequela mesmo sendo mínima, no meu caso não suporto q toquem em mim, faz agora ainda enquanto da tempo, pois vc pode ta mudando o futuro de muitas outras criança, este trabalho é de formiguinha, pense bem e não tenha medo de se expor bjssssssss fica com Deus q ele ilumine os seus pensamentos.

    • rita

      como estar a sua vida depois disso? vc conseguiu esqueçer?seu companheiro compreende?
      ME AJUDA PRECISO SABER SE UM DIA IREI ME LIVRAR DISSO TENHO 15 ANOS IREI FAZER 16 E ATE AGORA NAO ESQUEÇI

      • Procure em Deus suas respostas.

      • Andrea Regina

        Ola,
        Não esqueci e minha vida mudou muito. Mas estou procurando forças em Deus para quando eu agir, agir com sobriedade. Sim, até sonho que estou o denunciando. E acho que temos que buscar forças em Deus. Pq a dor do agir, sangrará mais ainda esta dor. Mas devemos sim, agir. Para que nossos netos, bisnetos , vivam numa sociedade com menos animais!

      • Ana Costele

        Acho que toda mulher teve reagir, sim quando e abusada no meu caso quando eu tinha entre 08 a 9 anos um vizinho tentou abusar de mim, mais não conseguir pois eu não brincava mais, não saia, ficava só em casa eu tinha medo de falar pra minha mãe pois meu pai era muito amigo dele iriam achar que eu estava mentindo, só que minha mãe desconfiou e achou que eu estava doente e me levou ao médico, Na hora o médico perguntou – alguém quer tocar em vc? eu não pensei duas vezes pra abrir tudo e o médico ficou impressionado só que pedi segredo, ele guardou e pediu pra mim voltar daqui duas semanas quando voltei ele me passou um o telefone dele e disse- quando ele te chamar vc me liga e vai juntos vamos pegar esse cara. Eu nunca vou esquecer o Dr. Vinicius, eu fiz isso o Paulo, o filho da puta que tentou me pegar ser ferror, estava brincando com meu irmão ele falou – Ana vem aqui pegar bala e salgadinho que comprei pra vc, eu disse espera que vou no banheiro peguei o telefone da sala ligue por duas vezes no cel do Dr. e nada na terceira ele atende eu falei Dr e a Ana vem logo pelo amor de Deus.

        O Dr. tinha pegado o endereço com minha mãe sem ela desconfiar de nada, e já tinha abrindo uma ocorrência ele mesmo na delegacia, foi batata pegarão em flagrante ele estava em cima de cima, minha boca estava cheia de durex pra mim não poder gritar estava suando de tanto nervoso mais eu queria me livrar dele e confiava muitoo no Dr.

        Hoje estou aliviada hoje tenho 28 anos sou casada e o nome do meu filho e Vinicius em homenagem a Dr. que ser todos psicologo fosse desse jeito não teria tanto casos assim.

      • Luana

        olha é difícil esquecer muitas vezes isso fica marcado em ti a minha mãe foi estuprada,ela não sabe que eu sei, numa discussão o meu pai me falou ele não me deu detalhe nenhum,mas eu sei de uma coisa esquecer ela nunca esqueceu, mas ela consegue viver muito bem com isso ela colocou toda sua esperança e fé em mim e no meu irmão e sua felicidade seu amor hoje é muito maior que a triste lembrança que é quase como se ela não existisse. Não fique pensando nisso e sim nos momentos felizes que você tem, é o que eu tento fazer

      • Tulipa

        Olá Rita!
        Esquecer vc nunca vai, mas uma coisa é certa com o tempo vai amenizar a dor a raiva, impotência e a revolta sempre vão estar com vc, mas se vc for um ser muito iluminado pode ate perdoar ele um dia, no meu caso eu aceito oque aconteceu, mas o perdão só cabe a Deus ainda não estou preparada para perdoar, mas meu companheiro é maravilhoso e no dia em que eu contei ele chorou junto e entende sim oque aconteceu, vai com calma que vc vai superar pode ter certeza disso.

    • Como é que pode você pedir para as pessoas denunciarem seus agressores se você até hoje não teve coragem denunciar o seu?
      Desculpe, mas você ainda sendo Advogada, penso que deveria ter outra postura e atitude, seja quem for o agressor. AGRESSOR!

  28. Carla Patrikely

    Jà vive esse horror várías vezes 3 maníacos me atacaram como cães famintos. Eram vizinhos. Eu tava em casa,me pegaram. Me levaram para a casa deles. Tiraram minhas roupas,corri nua pela casa me escondi em baixo de uma mesa,mas fui puxada. Sorriam,me cuspiam,me sufocavam os gritos. Eu menina de 12 anos, magrinha que nem seios tinha ainda. Mas me desejaram. Dedos me abriam,bocas me beijavam,minhas maos lutavam ,minhas pernas se fechavam mas com força me abriam. Ai senti algo rigido entrando em mim me maxucando doendo como algo a me rasgar. Eu só gritava que NÃO, NÃO FAZ,NÃO,CHEGA,TA DOENDO.

  29. Fabianne Patrikely

    Gente. Sou a agonia duma mulher. Me mataram quando eu tinha 12 anos. Visinho,3 visinhos me estupraram. Eram irmãos,se revezavam entre os dias da semana. Ameaçavam atacar minha irmã gêmea e eu com medo me calei. Foi horrendo. Foram anos de abusos,humilhações e revolta. Meu pai mal pisava em casa e a minha mãe sempre ocupada cuidando de 6 filhos. A primeira vez foi arrasadora. Sempre fui magrinha e eu co 12,13 e 14 anos eu era toda menina nem seios tinha. Me chamaram para ver um programa na tv e quando cheguei na sala havia uma corda e uma faca em cima da tv. Me trancaram ameaçaram matar minha irmã e jogar num rio. Mesmo com medo lutei,me debati,mas me deixaram nua. Corri nua pela casa e o escondi embaixo duma mesa, mas mdm pegaram. Somente um fez o ato. Dias depois foram os outros. Me deixaram a tarde num canto sujo do quarto para eu sangrar até parar. Depois me soltaram. Eu fiquei com manchas,chupadas,apertos. Tudo doía,mãos me abriram,me beliscaram,cuspiram.Fiquei horrorisada. E aí foi piorando. Me amarram uma vez, me batiam. Hoje sou uma mulher de 29 anos,sem marido,namorado. Vivo trancada numa solidão. Tenho horror só de um homem me olhar. Não sei o que é carinho. Minha irmã eu salvei,mas estou morta em vida. Um deles foi preso por estupro de outra menina e os outros dois aínda estão a minha volta. Foram mais de 30 estupros e uma vida inteira de horror. Tenho medo ainda de me tocarem e fico em meu quarto.

    • Filha eu espero profundamente que Cristo Senhor possa derramar sobre você o teu precioso sangue e te tocar com tuas mãos ensangüentadas. Tirar você do domínio de Satanás e suas correntes, pois você é criatura semelhança de Deus. Foste criada para viver em vida e não morrer em vida.
      Nossa vida é um dom de Deus e não uma morte. Custe o que custar você é criatura do céu e não do inferno.

      Viva em Cristo Jesus!

    • Suellen Tavares

      Eu sinto muito… Fui abusada também, mais consigo viver, sinto muito mesmo que viva nessas condições :(

    • Keli

      Sinto muito por sua dor, sei o quanto isto é difícil, mas reaja!!! Busque dentro de vc forças, não permita que esses monstros controlem seu destino, procure um médico, procure ajuda, eu sei que é difícil mas tente, existe vida em vc, não deixe sua luz apagar!

  30. matheus cruz

    pou a historia dessa simples mosa q foi estrupada isso e horrivel ese homem tem q leva muita pohhada ou se naum se jogado na cadeia para q os presos possao arrebentar o cu dele todo iso e uma injustisa se alguem fise isso com uma das minhas filhas eu sou capas de matar o filho da puta

  31. Helo

    Ola venho contar meu relato, as x nem eu mesma acredito mas inumeras x fui assediada e estrupada. Td começou aos 9 anos, meu padrasto me bolinava na epoca n entendia pois minha mae trabalhava elde cuidava de mim e minhas irmas.Com 12 perdi minha virgindade com menino do colegio minha familia soube dai aconteçeu o estrupo por cerca de 2 anos ele abusava de mim e ameçava se eu falasse algo. Ate q separou de minha mae. Fui estrupada pelo ex njmorado de minha irma mas velha qd tava com 17 anos fui torturada por ele e mas 2 amigos denuciei mas nada houve por falta de prova, eu e minha familia fomos ameacadas e nos mudamos. Hj com 22 anos estava morando com cara q depois de uma briga me forçou a transa apulso me machucou sai da casa dele.E recente fui estrupada pelo namorado da minha mae um policial de 38 anos fez de td comigo e me jmeacou com a arma dele e disse q se eu falar mata minha mae e írma,so q contei a minha mae pois estou gravida de 2 meses e ele disse q n vou tirar o bb e ele agora fica no meu pe, minha mae n acreditou ele tbm desmemtiu td. E nao sei o q faco mats.

  32. Hitler

    Ainda bem que com minha raça ariana pura não acontece isso pois os valores morais e racionais estão acima dos valores sentimentais e dos dito ” familiares “.
    Além disso minha raça possui o qi mais elevado do mundo junto com os tigres asiáticos .

  33. Associação Comunitária Barra de Lama

    RITA
    fui estrupada pelo meu proprio pai me sentir um lixo com mojo do meu corpo ,quando ia tormar banho evitava me olhar.
    isso foi em agosto desse ano. estou muito triste pois nao tenho amigo pra contar como eu me sinto.

  34. Aldiane

    Tinha q sair um lei para exterminar esses vagabundos, se eu encontrar um filha da puta desses pod ter certeza eu arranco o q eles tem e jogo para os urubus comer!!! Eu tenho ódio desses fdp são VAGABUNDO. Qndo for mata-los faz do msm jeito q fizeram com vcs asisam o filme DOCE VIGANÇA e aprendam eles strupam e squecem mas as pessoas q foram strupadas ñ squecem!!!
    Helo denuncia e tira o bb, e qndo ele for dormir com sua mae mata ele ñ tenha medo! Faça bem pior com ele

    • Filha eu concordo que as leis não só para estupradores deveriam ser mais rígidas, mas infelizmente o descaso de nossos representantes politicos e a corrupção minam o crescimento de verdadeiras pessoas para a humanidade; contudo, a falta de fé!
      Mas você não deveria permitir que estas coisas ruins lhe fizessem uma pessoa amargurada, com ódio no coração. Escrevendo PALAVRÕES, desejando coisas ruins…
      Devemos lutar pela justiça, pela humanidade com êxito e mais amorosa, mas com AMOR e não ódio!
      Pense nisso.

      • Andrea Regina

        é impossível nao sentir ódio desses seres imundos.
        Diminui com o tempo e após muitos anos, chega o momento da pena!

    • Ana Costele

      Vamos promover um abaixo assinado

  35. Aldiane

    Mulheres, crianças ñ tenham medo denunciem e as maes q apoiam isso vcs sao umas vagabundas umas filha da puta porq ñ ajudam suas filhas denunciarem, eu quase fui strupada, o filha da puta tentou mas eu acordei e peguei a faca pra ele, eu o ameaçei e ele ficou com medo eu ñ tive medo eu tive coragem e se ele tivesse conseguido hj em dia ele staria morto e ñ teria dó d mata-lo

    • Andrea Regina

      Não é bem assim, sim, acho horrível uma mãe não acreditar na filha , mas as vezes a dor dela naquele assunto a faz se sentir morta em relação ao agir, e acaba por repetir o mesmo que fizeram com ela.
      Muitas mães são tontas mesmo, outras doentes.
      Ainda bem que vc conseguiu se defender! Infelizmente com 3, 4 anos, não existe possibilidade de defesa. Agora matar é agir por impulso e não cabe a nós. Que tive vontade de matar ? Um monte de vezes, mas dai a agir, é outra história. Pq tudo tem as consequencias.

  36. Elias gabriel

    Muito boaa sua reportagem vc e uma mulher corajosa saiba que onde vc estiver deus estara com vc

  37. Claudia G

    Eu fui estrupada quando eu tinha apenas 9 anos, (hoje eu tenho 18 anos) fui estrupada pelo meu irmão mais velho, nunca contei isso para ninguém, minha família não sabe, tenho vergonha, medo deles saberem, sei se meu pai soubesse do que houve mataria ele, mas não posso contar, não tenho essa coragem. Além dele fazer isso comigo, ele também ja me agrediu varias vezes. O pior que ele e tratado como um Deus pela a família, mas infelizmente só eu sei o mostro que ele é.

    • Se o seu irmão é tratado como um “Deus” e você sabe do que ele é capaz e foi, e ainda não diz nada, então me diga quem realmente é um mostro?

      • renatavaz11

        Wilson, baixa a tua bola! Vc não pode julgar as pessoas assim. O dia em que seu irmão te estuprar vc terá moral para criticar a decisão de alguém se recusar a denunciar ou não seu agressor.

      • Renata, qual é o seu problema? Estamos falando de um agressor, ESTUPRADOR, seja “Pai”, “irmão”, “filho” ou desconhecido. Estamos falando de um CRIME, ou o fato de as pessoas envolvidas terem grau de parentesco é possível ou permitido o CALAR, não DENUNCIAR, porque é parente sabe…

        Renata me poupe não me peça pra eu baixar a bola, você não me conhece pra falar assim comigo. Você deveria dar apoio às pessoas que sofreram este tipo de VIOLENCIA e esclarecimentos e não ser mal educada com as pessoas e pior, desejar este tipo de violência pra alguém.

        Renata você leu que a Claudia além de ter sido ESTUPRADA pelo irmão ela foi por varias vezes AGREDIDA por ele?
        Não me leve a mal, mas você deveria estar ajudando esta menina a entender melhor os fatos e tomar a decisão e decisões certas!

        TODO CRIME PRATICADO, SEJA POR QUEM QUER QUE SEJA, TEM QUE SER DENUNCIADO!

        Coragem meus irmãos, que Deus esteja com vocês Hoje e Sempre!

      • renatavaz11

        Eu falo para você baixar a bola sim , porque li todos os seus comentários, mas a sua consciência social e sede de justiça não pode ofender, maltratar ou pressionar ninguém a fazer o que não quer. Eu acredito que, no lugar delas, denunciaria. Eu acredito que, no lugar delas, até mesmo faria justiça com minhas próprias mãos. Mas você não pode julgar e condenar essas moças só porque depois de tanta humilhação, desonra e violência, querer que elas tenham a predisposição de denunciar seus agressores. Elas só farão isso com carinho e apoio e não com suas voadoras no peito, exigindo que elas denunciem e ainda insunando que elas contribuem para que essa violência continue. Seja mais delicado e mais humano, por favor.

      • Renata eu quero deixar bem claro que não se trata de desrespeitar ou respeitar a decisão de alguém e sim, fazer o que é certo.
        Pense nisso.

      • Daiane

        Se enxerga cara e como a Renata falou baixa sua bola, eu também sofri um abuso quando pequena e não denunciei, sabe por que? minha mãe nunca acreditou em nada do que eu dizia, estava cega de amores pelo meu padrasto ( e mesmo apos 10 anos separados ela o defende com unhas e dentes)…
        Se eu fosse mais velha na época teria denunciado concerteza, mas hoje em dia não tem mais como… até por que não vou querer por a tona toda essa historia pra um juiz ou quem quer que seja…
        Ao invés de ficar aqui dando pitaco vai ajudar quem precisa de palavras ‘confortadoras’ (se é que posso falar isso de alguém que nos atira pedras por não termos tido a atitude correta no momento certo –‘) ai na sua cidade, bairro te garanto que vai se sentir muito melhor e irá ajudar muito mais também do que ficar nos criticando por termos feito o que consideramos correto.

      • Renata me desculpe, mas você não me entendeu. Eu não comungo do verbo julgar, eu não julgo as pessoas, em hipótese alguma.
        Eu apenas usei o mesmo adjetivo mencionado pela garota, até porque, nenhum ser humano é comparado a DEUS e toda criatura humana é criada e semelhança de Deus, portanto, ninguém é um monstro. Por mais cruel e terrível que tenha sido sua ação.
        Quem somos nós para julgar?
        Minha opinião a respeito de denunciar é a mesma da sua, mas não forço e nem forcei ninguém a uma decisão, até mesmo porque, em momento algum fui consultado pra isso.
        Eu não pago o mal com mal, por mais que em momentos como este nos force pensar o contrário.
        Tive casos de pessoas violentadas em minha família, muito mais próximo que você possa imaginar casos de amigas e desconhecidas que chegaram até mim, por algum propósito. E posso te afirmar que com a graça de Deus, muita oração e esclarecimentos tudo foi superado.
        É possível viver na dor, mas não possível viver na morte!
        Você tem consciência do que traz morte a um ser humano?

        Filha eu não quero entrar em conflito com você, você não é má e nem é o mal!

        Fique com Deus!

      • Felicia santos

        cara vc é um idiota… as mulheres aqui já estão sofrendo o suficiente e vc ainda quer faze-las se sentirem pior falando besteiras??? tenha dó! xiu xiu

    • rogerio lima

      Ele foi corajoso pra fazer,, vamos ver se será corajoso na cadeia,,denuncie,,urgente,,ele será preso e vai passar dias tristes numa cela,,vazio da alma,, se calar é muito pior,,

    • jaime

      olha amiga procura esquecer nese caso vc ainda e4 virgem noase preucupe vc nem sabia oq era aquilo e outra virgidade nao vale nada os homen gostade mulheresq nao soa mais virgem

  38. Claudia G

    Alguém ai sabe me dizer, seu eu denunciar hoje passado 9 anos, acontece alguma coisa com o estuprador?

  39. Andrea Regina

    Renata, cade uma ONG ou uma organização séria que ajude todas essas mulheres ? (xo políticos)
    Gostaria de ajudar neste aspecto. Tem alguma idéia?

  40. ana

    meu padrasto vive me olhando c maus olhos ja chegou a me chamar de gostosa e depois contei p minha mae ai ela disse q ele falou isso pq estava bebado “ele tomou algumas latinhas” isso me irrita cadaveis q olho p ra dle!!!! se puderem me dar alguma opiniao d como lidar c isso eu agradeceria!

    • renatavaz11

      pelo jeito como vc escreveu, acho que deve ser criança ou adolescente. se eu fosse vc, falava com uma professora da sua confiança na escola.

    • rogerio lima

      Se eu fosse vc esperava ter uma festa na sua casa, e na frente de todos vc diga tudo q sente ,,as coisas q ele fala,,o medo q vc sente dele,,não permita o mau,,,antecipe a ele,,isso fará todos o olharem com outros olhos fazendo com que ele não tenha tanta coragem de te tocar,,e vai até evitar ficar muito perto,,pq ele vai perder a graça

  41. Olha sou homem e nunca foi estrupado por niquem mais vendo voces falar Fiquei arepiado seuas lamentacoes eu sempre achei mulher gosta se sexo au extremo so que nao sabia que fazer sexo por obrigacao era estrupo nois homem temos que respeita voces mulheres obrigado pela informacao

  42. Alexandre

    ”nois homem”… eh brasil…

  43. marcos pontes

    acredto que o cara que pra faser sexo com uma mulher tem que dopala ele e um incapas! e um frustado.pensso que e melhor tomar a iniciativa e tentar e nunca desobestruir barreiras impostas pelo conservadorismo ou inibir a fantasia da seduçao.

  44. Eu aos 12 anos fui estuprada pelo meu próprio padrasto, mas nunca tive coragem de contar para ninguém pois ele ameaçava me matar matar minha mãe que já vivia à 9 anos com ele… Depois de muito tempo eu contei para minha melhor amiga, e ela comentou com a mãe dela. Certo dia as duas chegaram na minha casa, e chamaram a minha mãe. E contaram toda a história. Foi aí que eu tive coragem de falar pra minha mãe pois ela não sabia de nada. Fomos até uma delegacia e denúnciamos, ele está preso, mas até hj aos 19 anos eu tenho medo de um dia encontrar ele, ou ele fazer outra coisa à mim ou à minha mãe.

  45. Stenia

    Eu conheci uma amiga que ja foi tambem forçada na sua primeira vez,ela e ele estavam a fim mas ela antes pediu a ele para não a penetrar,mas na hora ele esqueceu o pedido dela e a penetrou com muita forca mesmo ela lutando para si libertar,ela disse que ele a estava machucando mas mesmo assim ele não parou.e quando ele parou ela perguntou tas satisfeito e ele disse não.emtao ela como o amava ela disse podes tranzar comigo mas nao mi maxuque.e ele aceitou,no fim ele olhou para ela cheio de arependimento e depois ele a foi deixar na paragem e quando ela estava no onibus ela começou a chorar,e ele até hoje só a pedi desculpa,mas ela continua si sintindu uma mizeravel.ela tha 17anos.

  46. Lívia

    Também passei por isso aos 5 anos com um tio me apalpando. Lembro que chegou alguém e ele parou. Eu não entendia mas mesmo assim quase morri de vergonha e me senti muito mal e triste na hora. Esqueci disso por anos, até que 2 anos atrás no natal, família toda reunida, eu estava isolada e ele foi atrás de mim e tentou mais de uma vez enfiar a mão dentro da minha calcinha. Lembrei na hora do episódio de quando era criança.
    Era natal e meu avô havia acabado de falecer, a família toda estava lá e eu não quis fazer alarde. Resolvi contar pra minha mãe, pois se meu pai soubesse mataria ele com certeza absoluta. Só que tive que ouvir durante mais de 1 mês da minha mãe que eu provoquei, que eu gosto de chamar atenção. Ela me perseguia em qualquer lugar que eu estivesse pra falar esse tipo de coisa só pra defender o irmãozinho querido dela.
    O pior é que isso parece carma. Quem sofre com esse tipo de coisa não costuma ser 1 vez só. Talvez seja por isso que muita gente acha que a mulher que se insinua.

    Tive um ex namorado que fiquei com ele por 5 anos devido à ameaças. Ele me traia com crianças, homens, mulheres, qualquer tipo de pessoa. Eu tentava fingir que estava tudo bem pois tinha medo de terminar, e aí quando eu ficava decidida a terminar ele me convencia de que ninguém iria me querer e que eu era muito feia e gorda (eu pesava 40kg com 1,70).
    E eu me lembro de sempre pensar (força, você vai conseguir aguentar ele mais um pouco).

    Acontece que por causa disso tive o desenvolvimento da minha personalidade completamente prejudicado em uma época que eu deveria interagir com os outros e eu não podia nem olhar para os lados. Ele falava “coloca o cabresto égua” “olha pra frente sua piranha” e eu obedecia.

    Com ele tive contato com todos os tipos de violência. Aliás, só continuei com ele no início pq ele havia me estuprado e me forçou a perder a virgindade e eu na época tinha acabado de fazer 13 anos e ele me ameaçava dizendo que ia contar pra todo mundo.

    De vez em sempre eu entrava em surto psicótico e aí eu era tachada como a errada enquanto ele assistiu com a voz calma e tranquila que ele tem e que me causa nojo. Com esse jeitinho delicado ele me rotulou de maluca, dizia pra minha familia que eu estava assim por causa de ciume doentio, sendo que era por desespero. Nenhum dia dos 5 anos que fiquei com ele eu fiz sexo querendo, todos foram obrigados. Eu tinha todos contra mim. Na época tinha uma amiga só, não tinha apoio nem de família. E eu vi essa amiga com meu ex. Doeu por ela, não por ele. Aí sim me vi completamente desamparada. Sem contar que a mãe dele sempre me ameaçava dizendo que eu traia ele, coisa que infelizmente eu nunca tive coragem de fazer e nem quis pois nao confiava em ninguem.
    Quando finalmente eu perdi esperança de tudo eu parei de ter medo das ameaças dele. Já que quem já tá morto não tem mais medo de morrer. Até que ele me estuprou mais uma vez como sempre, só que foi sexo anal. Me deixou cicatrizes.

    Pra mim eu já tinha perdido tudo e então as ameaças dele já não tinham mais força. Fui embora e nunca mais deixei ele sequer chegar perto da minha casa. Terminei em 2005 e até hoje ele liga pra minha casa pra tentar me deixar pra baixo, falar coisas que ele acha que vão me deixar mal. Não atendo mais.

    Ele é responsável por toda minha derrota social da época, de agora e do meu futuro. Já que por causa dele sou incapaz de construir qualquer tipo de relacionamento, seja familiar, de amizade ou amoroso. Não consigo nem sequer abraçar meus familiares.

    Já decidi que a próxima vez que ele vier atrás de mim eu vou matar ele. Vai ser o maior alívio que espero há anos.

  47. Stela Cazzelli

    ueridas, eu lamento de coração a desgraça que sofreram. De tanto ouvir falar em mulheres que apanhavam dos companheiros, maridos, namorados ou amantes eu decidi aos 16 anos que isso não aconteceria comigo. Deixei o balé e apesar de taxada de louca e de ter uma conduta deplorável pela minha mãe (uma demente que se fosse atualmente estaria presa ou em um hospício) comecei a fazer uma luta. Um cara tentou me arrastar para o Aterro do Flamengo à noite e eu não só não deixei, como o ataquei. Ele era mais forte, mas a surpresa de ver uma mulher reagindo, lutando, se defendendo ao invés de chorar e implorar o deixou atônito. A vantagem de saber uma luta é que você aprende a atingir os pontos certos com a força certa. Tenho os nós dos dedos “inchados” de tanto treinar e muito me orgulho disso. Meu primeiro marido, militar e depois fui saber habituado a bater em mulher me bateu. Dei-lhe um chute nos cornos que ele ficou tonto, sem poder andar direito e depois comentou com minha família que eu era uma louca. Claro que após esse fato eu o expulsei de casa (mais importante que ter um marido é você lutar pela sua sobrevivência, trabalhar, ir a luta, saber que pode honestamente sobreviver), enfim não depender dele. Sou casada atualmente, tenho dois filhos e meu marido me respeita (estranho mais percebo que a grande maioria das mulheres que apanham e são mortas são dependentes dos maridos) e é tão importante vc ter independência financeira que você pode se mandar, ir para longe pois vc sobrevive muito bem sem ele e que só vai encontrá-lo nas audiências. Mas de todos os relatos acima, o que mais me comoveu foi o depoimento dado por mulheres abusadas quando eram crianças. Nossa, que marca extrema, ficam psicologicamente doentea e um bom tratamento com uma profissional competente só vai ajudá-las. Ah, em tempo, minhas filhas além de irem muito bem nos estudos, fazem karatê e se sentem mais seguras pois estão adolescentes e já começam a ficar abismadas como muitas mulheres são maltratadas. É claro que temos que consciência que aprender uma luta é para se defender e não agredir. E você querida Livia (que nome bonito) não pense em matar esse traste. Quer derrotá-lo? Vá a luta, conquiste seu lugar ao sol. Isso vai doer mais nele do que ser assassinado. Afinal, a grande preocupação dele é deixar você por baixo.

  48. Suellen Tavares

    Fui violentada pelo meu pai…

    Não foi uma, duas, ou três vezes, foram tantas vezes que perdi as contas, foram anos… Eu era tão nova que nem sei ao certo quantos anos eu tinha, eu era tão inocente que nem sabia oque estava acontecendo…
    Eu contei pra minha mãe quando tive a certeza que não veríamos mais o meu pai… As ameaças eram constantes, todos os dias, eu não tinha paz na minha própria casa, e se não contei foi por medo das ameaças não só contra mim mais contra minha mãe e irmãzinha…
    Até hoje é dificil de acreditar que isso aconteceu, parece que eu estava do alto vendo tudo fora do meu corpo.
    Isso aconteceu aproximadamente dos meus 8 aos 13 anos, hoje tenho 18 anos e ainda acordo perturbada com meus pesadelos … Muitas vezes pensei em suicídio , me sentia imunda e invisível , e as vezes essa sensação me toma por inteiro ainda…
    Não sei como aguentei não vejo sentido em nada, mais estou aos poucos me recuperando, como se pedacinhos da minha alma tivessem se desprendido de mim a cada abuso e hoje tento os recuperar …
    Não tenho como descrever a vocês a dor, não sei como descrever nem de longe a mim mesma, só posso dizer que é uma eterna agonia..
    Sempre me julguei ser muito forte por ter aguentado tudo em segredo e sendo aparentemente alguém normal, mais hoje em dia, todos os dias que isso vem na minha mente vejo o quanto isso me enfracasse ainda …

  49. minha primeira vez

    Minha primeira vez ,sei lá , foi nesse sabado , fui para uma boat eu e meus amigos bebemos 1 tequila em menos de 30 min e chegou mais 2 garrafas eu estava bebendo pura , só me lembro de uns relances as 2 tequilas na mesa e só sei q qndo acordei eu estava em casa sem calcinha com o tio da minha amiga do meu lado com a mão deli nas minhas partes … o pior não lembro de nda qr dzr tem um relances eu vomitando mtu e um pau que parecia uns dois , tava mtu ruim , sei q minhas partes estao doendo ate agora e saindo um pouco de sangue e nm sei como que foi . . O pior é q eu axo q ele aproveitou de mim , pois minha amiga falou q eu não estava parando em pé e qndo me levaram pra farmacia mandaram eu tomar soro. Agora resumindo nunca mais vou bebe e estou com odio de vcs homens . TRagico

    • Lia*

      Sabe, sou uma de vocês que também nunca denunciou. Nunca contei em detalhes a ninguém…
      Tenho 20 anos e por volta dos 10 aos 14 fui “mexida” pelo meu padrasto.
      Tudo começou quando eu e minha mãe fomos morar na casa dele, em outro estado. Meus seios estavam começando a crescer… Nunca imaginei que junto a isso, os abusos. A primeira vez que ele pegou nos meus seios, eu o mordi, briguei e bati. Minha mãe foi ao meu quarto perguntar o que estava acontecendo e ele, na maior cara de pau do mundo, disse que eu estava louca e comecei a bater nele do nada. Em primeiro momento fiquei calada, horrorizada com aquilo, depois de uns minutos aconteceu de novo, bati nele dele novo e quando a minha mãe chegou para brigar, contei tudo a ela. Ela ficou sem reação e foi tirar satisfação com ele, não sei o que ele disse mas depois ela não tocou mais no assunto. Tempos depois ele voltou a pegar nos meus seios, eu batia nele, ficava com negócio de ficar me cheirando e queria se esfregar e eu batia mais nele. Chorava todo dia para voltar ao conforto da minha cidade, onde eu teria minha família.
      Quando voltamos para a minha cidade, meu corpo mudando na adolescencia e, infelizmente, ele continuava querendo me tocar e eu sempre brigando e batendo nele, e depois da primeira vez não falava pra minha mãe, por vergonha, e tudo foi piorando…
      Ele que ia me colocar pra dormir… (Imaginem meu desespero, meu medo de que algo mais sério acontecesse)
      Uma vez, acordei e ele estava tocando minha vagina com os dedos, e lambendo os meus seios… Fiquei aterrorizada!!! Sempre achei que seria capaz de me defender!! Fiquei sem reação, e talvez pelo fato de eu um dia já ter falado pra alguém, ele não concluiu o ato. Depois desse dia eu parecia uma louca! Adolescente rebelde. Porque eu batia nele até eu dormir só. Passei finalmente a dormir só sem ter que dar desculpas e a ser grossa com ele, percebi que quanto mais eu era chata menos perto ele podia chegar de mim.
      Foram muitos fatos, entre cheiros no pescoço, esfregadelas (passando por corredores estreitos onde eu estava), pegadas em peitos (hoje tenho seio tam 46, com peso normal, as vezes tenho muita vergonha deles… Pelo desejo que provocaram em um homem que tenho nojo e desprezo)…
      Nunca denunciei, sempre senti muita vergonha e tenho medo do que falariam da minha mãe, pra quem contei a pegada nos seios, mas que não soube do resto da história… Principalmente que aos meus 15 anos ele foi morar na cidade dele, mesmo continuando casado, e não vi necessidade de mexer no que estava quieto.
      Infelizmente, este ano ele voltou para a minha cidade… Antes ele vinha apenas nas férias, dava para fugir, sair, enfim, SUPORTAR. E agora?! Faz algumas semanas e já estou a beira de um ataque de nervos! Sempre me mostrei feliz e tentei esquecer o caso, mesmo com todas as vezes que senti imunda, indefesa, querendo a morte, me ferindo pra ver se a dor física dói mais que a psicológica e essa se esvai…
      Agora tenho namorado, e ele nem sabe de nada… Algumas vezes recusei o sexo, já chorei em motel… Algumas vezes me sentindo imunda, ele perguntava o que era e eu inventava uma desculpa. E agora?! O meu padrasto tentou me cheirar de novo… Mas dei logo um chute. Ele se tocou que não sou mais aquela menininha e parou de tentar, mas agora me agride verbalmente (aliás coisa que já fazia, mas agora está pior). Quero contar pra alguém, quero ser livre dessa raiva que me consome ao ouvir a voz dele, isso que me faz querer sumir…
      Lógico que tenho maturidade e amor próprio o suficiente para não tentar nada contra mim mesma, mas que isso dói, dói MUITO!
      Essa cicatriz vou levar pra sempre, só não quero mais que ela volte a sangrar.
      Sei que fui muito idiota por não falar mais nada a ninguém, mas, sinceramente, não quero ser lembrada por isso.
      *Este nome não é o verdadeiro.
      PS: Parabéns pela coragem de quem denunciou, ou que simplesmente contou a alguém que espantou essa pessoa da sua vida.

  50. Ana Costele

    Nossa que amigos são esses que vc anda?
    E melhor vc fazer um exame pra vê o que houve.

  51. É de louvar a iniciativa em que tiveste de expor essa situação tão constragedora um dos passos para vencer essa melancolia é “insistir,persistir e nunca desistir de buscar a felicidade”saiba que tudo na vida para,apezar de tudo vamos por Deus em primeiro,aconselho a toda mulher vítima de abuso;exponha o caso ou denucie ou converse com alguém é uma forma de reter a sua carta de euforia,busquem a Deus e nunca se afastem da sociedade e não pensem que todo homem homem tem esse intuito,casem tenham filhos um lar primeiro busquem a Deus e todas coisas vos acrescentarão!amém fiquem bem e salientar que tenho lutado por essa causa VAMOS POR UM FIM NESSA MALÍCIA QUE OS DELINQUENTE COMETEM COM A RAZAO DA VIDA DO HOMEM QUE É A MULHER EM GERAL:DIGAM NÃO A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER!

  52. Concordo, Andre , o Sr, wilson parece debochar da dor de uma violencia sexual, com seu proselitismo; o homem precisa ser educados pelas mãe e pais ,como a mulher é educada, só assimOS QUE VIRÃO SERÃO DIGNO DE SER CHAMADO (HOMEM)Quanto a estes(monstros) que estes descaregem o seu saco num buraco de formiga é tentem serti a dor de uma vida sem ter seu corpo respeitado por quem lhe gerou (mães complacentes e covardes e pais monstro).Mas como já dito somos muinto fortes se nos impormos podemos acabar com está especie, gerando filhos que respeitem as mulheres e não os educados para descaregarem seu saco.Vejam que os que foram devidamente educados sentem compaixão por sexo oposto e respeitam suas esposas, sejam elas vitimas ou não.Hufa! ainda há os que salvam a especie e me refiro aos dois sexos.Pois não somos as rachadas como eramos chamadas.Pois somos mulheres e dignas.E destes homens maus apoio a castração completa dos orgão pois estrupador e pedofilo serão sempre isso, se é uma doença parecem não quererem se curar.

  53. Esperança*

    Oi, achei esse blog, por acaso procurando outra coisa, dai me deparei com todas essas histórias, histórias que me deixaram triste, com raiva, sem Esperança, alias este não é meu nome.
    Minha História, quando tinha 5 anos lembro como se fosse ontem, fui brincar na casa de uma “amiguinha” , e fomos brincar de pique esconde, me escondi no banheiro nisso o irmão mais velho dela empurrou a porta e entrou, trancando-a, nisso me colocou em seu colo, beijou a minha boca e me fez eu masturbar ele, TINHA DE 4 A 5 ANOS, NEM SABIA O Q ERA AQUILO (até ri, pq acreditem, achei q tinha saido “leite” do pipi dele, olha a inocência), bom ficou nisso, fui para casa correndo assim q ele me deixou sair. minha mãe me dando banho, falei: mãe sabe fulano? ela ríspida como sempre falou O QUE FOI, FALA!!! brava e eu desisti de contar, com MEDO!!
    Depois ela foi morar com um cara, que com ele teve dois filhos, ele um dia de Domingo, eu e meus irmãos brincando na piscina ele passou a mão na minha bunda (bem lá no meio), foi automático,sai de la na hora e olhei brava para ele, Gente eu tinha Apenas 7 anos, nisso não contei para ninguém com MEDO (novamente),e q me lembro tb na mesma época, eu morava perto de um barranco, e brincando lá um dia, cai e arranhei a perna, um velho nojento vei me “acudir” e passou a mão de forma nojenta na minha perna, senti q aquilo era malicioso e fugi, Engraçado que mesmo nova não nos esquecemos destas coisas!!! já com 12 anos meu Padastro novamente (detali sozinha com ele) , deu um tapa na minha bunda “brincando”, eu olhei firme para ele e disse – Se vc fazer isso de novo, eu conto para minha mãe, mas nunca mais contei nada a ela, ele não me respeitava, eu tomando banho entrava e ia mijar, e tomava banho de porta aberta, como querendo se insinuar, q nojo… bom um dia com 14 anos eu indo para igreja um cara de moto parou na minha frente e começo a se masturbar para EU ver, naquilo meu coração dez parou, fiquei com muito medo e corri !!! Hoje tenho 26 anos , casada e uma filha de 11 meses, eu nunca contei essas coisas para ninguém, apesar de não ter sido, de fato estrupada, percebo q como CRIANÇA, nunca fui RESPEITADA meu direito de brincar, de aprender, de ser feliz , foi tirada pelo medo de que isso passasse a ser mais do que uma passada de mão. Sempre falei, depois de grande: que se um cara quizer me pegar a força, vai ter de me matar, por eu mato ele. Sempre achei que apesar dessas coisa Deus me protegeu de alguma forma, não me sinto especial por isso, pq assim como vcs fui vitima, e vcs ???pq ? pq isso acontece? isso vai acabar um dia , logo, Assim é a minha Esperança. vai acabar com fé em Deus sempre.
    Agora a unica coisa que peço em minha orações: Proteja a minha filhinha, não deixe q isso acontecer com ela, por favor !!

    Obrigada pela oportunidade!

  54. Hoje eu estou aqui para contar uma coisa para vcs, há 7 anos eu sou assediada pelo meu padrasto, hj em dia tenho 15 anos e ele ainda vive dentro da minha casa. Antes eu era uma criança filha unica, inocente e nao fazia ideia do que ele estava fazendo, minha mae e uma pessoa que eu tenho certeza que daria sua vida por mim, mas mesmo assim eu nao tenho coragem de contar, pois hj em dia ela já tem um filho com este homem.Eu amo meu irmao mais do que tudo e por causa dele e dela eu nao tenho coragem de contar.
    Realmente e muito doloroso estar aqui escrevendo isso, quando eu nunca tive coragem de contar isso a ninguem, nunca jamais contei, amo demais a minha familia, a meus pais, e nao consigo contar isso pra ninguem. Tenho medo do que eles poderiam fazer ( mas seja lla o que fizessem seria bem feito) mas ainda sim tenho medo. Nao quero que minha mae se culpe por todos esses anos ter mantido um monstro dentro de casa e ter deixado ele me assediar. Eu odeio ele mais do que tudo, mais me odeio ainda mais por minha incapacidade de contar.
    Eu deixei isso chegar num ponto em que eu nem me lembro mais como tudo aconteceu, eu nao sei mais, issob para mim e uma coisa repugnante, pq eu deixei chagar a isso???
    Eu nao quero queas pessoas saibam e sintam pena de mim, e ninguem desconfiaria disso pq, hj eu sou uma menina alegre, normal com se nunca nada de ruim tivesse acontecido comigo. Mas agora eu ja nao sei mais pq eu nao consigo lembrar disso sem chorar, cada dia e dificil acordar e ver o monstro, ai varias perguntas ficam martelando na minha cabeça: pq mionha mae ainda nao se separou dele?
    porque ninguem nunca desconfiou? pq as pessoas deixam isso acontecer?
    por mais que a cada dia eu me ajoelhe no chao e peça perdao a Deus, converso peço e imploro, mas nada acontece, acho que hj em dia me tornei uma pessoa fraca que nao consegue contar isso pra alguel pelo simples medo de tudo o que eu conheço mudar.
    Apesar de como eu pareça por fora eu sou uma menina muito reservada, minha mae vive reclamando por eu viver no meu quarto trancada, mas eu nao posso contar a ela que meu quarto e meu refugio e a porta e como se fosse uma muralha impedindo a todos de verem atraves de mim, eu nao consigo nao consigo e nao consigo, essas palavras ficam martelando dentro da minha cabeça enguanto eu mostro a todos um sorriso, eu nao sei como que tive coragem de escrever isso, mas nao escrevi minha historia, isso foi mais um desabafo de certas coisas que estao contidas em meu coraçao. Pois como muitas pessoas por ai, eu nao consigo dizer a verdade

  55. Esperança*

    Mika, sei que não poderia estar te falando isso pois não sirvo de exemplo pq tb não falei nada até hoje, e já tenho 26! Mas vc querida é uma menina ainda, 15 anos apenas, ó um conselho, sua mãe te ama muito e com certeza irá te entender, isso precisa parar,VC PRECISA TOMAR CORAGEM, eu sei, te compreendo!! é difícil , além do medo tem a vergonha e td que ela representa, mas se vc não tomar iniciativa ela nunca irá te ajudar e te afastar deste monstro, vc tinha apenas 8 anos quando td começou, olha o trauma q ele esta transformando sua vida, ainda tão pouco vivida, não seja sorridente por fora e por dentro trizte…GRITE, REAJA , DIGA NÃO!!!!! VC NÃO VAI MAIS FAZER ISSO COMIGO , NÃO TENHO MEDO DE VC !!!! LUTE … querida ajude sua mãe á te ajudar, ou poderá ser tarde demais!!!!

    Um beijo… só mais uma coisa , não culpe Deus pelas atrocidades que te acontece sei q não esta fazendo isto, mas apenas para te ajudar a confiar mais Nele , se quiser mais explicações e ajuda estarei á disposição!!!

    “Jó 34:10 diz: “Longe está do verdadeiro Deus agir ele iniquamente, e do Todo-poderoso agir injustamente!” De forma similar, Tiago 1:13 diz: “Quando posto à prova, ninguém diga: ‘Estou sendo provado por Deus.’ Pois, por coisas más, Deus não pode ser provado, nem prova ele a alguém.” Assim, se você tem passado por provações, esteja certo de que Deus não é o culpado disso..”

    • ingrid

      Mika,
      mudanças também podem ser (e muitas vezes são) positivas. Não tenha vergonha de gritar por socorro, esse idiota do seu padastro que deve se envergonhar da violência que pratica. A vítima é você, não sua mãe ou seu irmão. Você que precisa ser ouvida, cuidada. Certamente, sua mãe já percebeu que algo lhe incomoda e talvez ela se angustie por não saber o que. Diga a ela. Ela sofrerá, sim, mas seguirá em frente. Quantos e quantos relacionamentos não terminam? Pense que dizendo seu sofrimento a ela, você a deixará livre para um futuro amor que tem toda a chance do mundo de ser muito melhor que este que ela vive, com um homem que é, na verdade, um monstro.Tenha força, querida! Caso não queira falar com sua mãe de imediato, desabafe com uma amiga ou outra pessoa de sua confiança, como uma tia, uma professora, uma prima. Pense no seu futuro também! Isso não vai parar sozinho, infelizmente. Estou mandando muito amor pra você.
      Beijos.

  56. Luana

    A minha historia é meio diferente duvido que seja algo que alguém já tenha lido parecido bom ai vai. Não pouparei palavras escreverei exatamente como tudo aconteceu(desculpa se ficou grande, mas realmente preciso de ajuda)
    Eu não sei bem quando tudo começou e depois de pensar muito eu deduzi que foi quando eu tinha seis anos que tudo começou. Nessa época o meu primo mais velho inventou uma nova brincadeira onde eu tinha que abaixar as minhas roupas para ele me penetrar eu não lembro aonde anos depois pensando nisso eu conclui que era anal porque eu não sentia nada enquanto ele fazia, mas também não sentia dor então não tenho certeza de onde ele me penetrou. Mas não ficou só nisso às vezes ele pegava as minhas bonecas (Barbie) e dizia q o que ele fazia com ela eu tinha que fazer também mostrando assim os peitos ou até mais, mas é só disso que eu me lembro. Ele também me fez chupa-lo uma vez e uma vez ele até passou o seu membro na minha cara ele me pediu para fechar os olhos, mas eu era uma criança muito curiosa e vi o membro dele eu ainda me lembro disso. Ele nunca me bateu ou me pegou a força (que eu me lembre) ele simplesmente fazia essas coisas sem o meu consentimento a única coisa que ele dizia era pra que eu não falasse pros nossos avós que era nosso segredo eu nunca quis fazer nada daquilo, mas ele era como meu irmão mais velho ele tinha que cuidar de mim certo? Eu fui crescendo e sim eu sabia o que ele queria fazer eu até perguntei para os meus pais “se tinha como transar com roupa”(pq ele só abaixava as minhas) eu estava acostumada mas td vez que ele fazia o sorriso sumia da minha cara e eu ficava seria, mas eu não conseguia dizer não pelo contrario o poder que ele tinha em mim era tão grande que eu pedia para ele usar camisinha enquanto fizesse. Como eu disse ele nunca me pegou a força ele até falava em um tom normal, quase calmo para não me assustar ou para me fazer confiar nele, mas só isso só esse tom na minha cabeça parecia que se eu contasse eu iria desaponta-lo e, primeiro eu era a “irmãzinha dele” não queria desaponta-lo e segundo eu tinha medo do que podia acontecer se eu contasse. Eu até tentei contar para a minha vó, mas desisti no meio do caminho falei “ele faz umas coisas estranhas” ela riu e eu fiquei quieta, ele não estava junto na hora, mas na outra vez que nos vimos ele me pediu para não contar de novo como se ele soubesse que eu havia tentado falar uma vez já, assim me calando por oito anos. Quando tinha (eu acho) nove anos eu falei com ele numa boa e disse que não queria “brincar” ele disse que entendia “só mais um pouco então” e me puxou para que eu sentasse nele aquela vez ele ficou bem mais tempo que o normal e sempre que eu tentava sair ele me segurava saindo só quando ele deixou, sem contar que na próxima vez que nos vimos logo depois do q eu disse estávamos sozinhos em casa eu estava deitada no sofá vendo TV e ele se deitou em cima de mim na posição 69, mas ainda de roupa e ficava pressionado o seu membro na minha cara, mas aquela vez eu revidei coloquei as mãos no rosto, fechei os olhos e ficava falando pra ele parar essa foi a única vez que ele usou a força cada vez ele pressionava mais forte eu quase o sentia na minha cara e então ele parou saiu de cima de mim sem nem me olhar e nunca mais tentou nada. Ele mudou a minha vida eu não consigo dizer não para as pessoas e morro de medo de magoar alguém e o pior castigo para mim é dizer que eu decepcionei alguém eu sinto quase como se morresse por dentro. Eu tenho minha sexualidade muito alta tinha uma época que para poder dormir eu tinha que imaginar mulheres (geralmente eu) sendo sexualmente violadas (piorando com o tempo) para poder dormir, mas apesar de tudo sou uma pessoa muito alegre ninguém suspeita que eu tenha passado por algo assim, mas eu tinha tanto medo de ir na ginecologista e a ginecologista descobrir e contar para a minha mãe que comecei a desejar ser estuprada na rua por um estranho para assim não colocarem a culpa no meu primo. Não, eu não sou normal.
    Eu já contei isso, não com tantos detalhes, mas brevemente para o meu namorado ele havia levado muito a serio, mas quando eu contei que primo foi a situação mudou e ele não levou isso como estupro eu já havia contado a uma amiga também e ela teve a mesma reação no começo ficou preocupada depois disse que a gente não sabia o que estava fazendo. Porque essas reações? Porque quando tudo começou eu tinha seis anos e esse meu primo tinha (acredite) nove anos sim éramos duas crianças, mas agora dizer que ele não sabia o que estava fazendo eu não posso concordar ele sabia muito bem se não soubesse não teria me pedido para guardar segredo, aquilo que ele fez com a boneca foi insano não é uma coisa que um garoto de nove anos faria certo? E ele sabia que eu não gostava sempre q ele começava eu tentava escapar no começo, mas ele com jeitinho me fazia ficar quieta. As coisas mudaram quando meu irmão nasceu ele virou o primo querido de novo e eu acabei esquecendo eu conseguia brincar (ai sim brincadeiras de crianças normais) com ele eo meu irmão numa boa eu conseguia falar com ele eu havia ”esquecido” de tudo por um longo tempo isso não me atormentou, mas eu fui crescendo. A primeira vez que isso me atormentou foi quando eu e umas amigas jogávamos verdade ou consequência me perguntaram se eu já havia beijado algum garoto e sim ele me obrigava a beija-lo (o que era um desastre). Outra vez foi com 14 anos jogando o mesmo jogo, mas ai com outros amigos e com perguntas mais picantes eu quase falei que meu primo pediu que eu o chupasse, mas (graças a deus) ninguém me ouviu, na mesma semana eu contei para a minha melhor amiga e ela não falou nada só prometeu não contar a ninguém. Quando eu tinha quinze anos eu fui pra praia com ele e eos meus avós ficamos num apartamento beeem pequeno e dormia meus avós no quarto e os netos na sala ele no chão na frente do espelho, era quente e eu coloquei meu pijama de verão um shorts curto e uma camisa de manga velha ele estava excitado pq arresem tinha falado papos picantes com a namorada e estava deitado de barriga pra baixo e eu estava me olhando no espelho e então ele pegou o meu pé para me assustar sabe , mas aquele toque, eu tive certeza na hora que se meus avós não estivessem no quarto do lado ele teria feito alguma coisa. Esse medo vive comigo.
    O problema é que mesmo lendo tudo isso eu não sei se fui estuprada ou não, sim ele abusou de mim, mas eu nunca fiz nada para mudar isso nunca contei para os meus pais ou qualquer adulto, nunca pedi ajuda nunca impedi ele nunca gritei pedindo ajuda enquanto ele fazia eu só ficava quieta pensando o quanto eu não gostava daquilo, isso não é estupro certo? Sem contar que quando eu vejo ele agora crescido com namorada até eu penso que tudo isso é besteira afinal ele é tão legal ele é um bom primo, sério ele é ótimo para o meu irmão, mas quando eu estou sozinha comigo mesma eu, eu não sei, mesmo agora lendo as coisas que ele fez comigo quando eu imagino ele agora como adulto parece que não é a mesma pessoa que fez aquilo comigo, por que ele nunca fala do assunto porque ele nunca veio me pedir desculpas ou só comentar o que fez, a indiferença dele me mata, fui só eu que me fudi com tudo isso ele não teve nenhum problema? Mas o mais importante (sim eu perdi o foco) eu preciso de uma opinião sabendo tudo (o que eu me lembro) isso que ouve entre mim e o meu primo é ou não é estupro?

    • Renata Poskus

      Minha linda, você tem que procurar um psicólogo. Precisa de ajuda de um especialista.

      Na minha opinião, tudo o que a gente faz obrigada sexualmente é estupro. Não importa que o cara seja seu marido há décadas. Ele não tem o direito de obrigá-la a nada. Porém, fiquei um pouco confusa com sua própria confusão. Ele também era criança e, na cabeça dele, podia achar que você gostava, porque nunca disse nada para ninguém e mesmo não gostando, continuava sendo amida dele, tratando-o como irmão mais velho e tal.

      Você precisa de ajuda profissional, para conseguir “digerir” o que aconteceu e seguir em frente, seja perdoando de vez o seu primo, ou condenando-o.

      Beijos.

      Renata

    • L.

      É como se fosse uma síndrome de estocolmo. é uma forma de você não ficar mais abalada do que já está e achar que de certa forma o que houve é normal.

      Foi estupro sim, através de sedução.

  57. ai gente esse mundo esta perdido mais tenham fé pk a justiça falhar mais nao tardar fikem todos na paz do senhor e tenham fé que um dia tudo vai melhora pk Deus voltara para leva seus filhos para um lugar q nao vai haver monstros como esses/

  58. samara

    A minha história foi parecida com a da (Luana)…
    Eu era muito pequena nao lembro direito quantos anos eu tinha, devia ter uns 5 anos, a primeira vez q aconteceu foi com um primo meu estavamos brincando de casinha, ele tinha uns 10 anos . Na brincadeira eu era a esposa dele, ai ele falou q eu tinha q dar um beijo na boca dele, ele começou a passar a mão dele no meu corpo, isso aconteceu atrás da casa da minha avó… As outras vezes foi com o meu irmão.
    Eu e meu irmão sempre ficava em casa sozinhos depois da escola desde os meu 7 anos de idade, tudo começou quando eu estava no quarto deitada, ele foi e se deitou do meu lado e foi tirando minha roupa e passando a mão em minhas partes intimas, eu não sabia o que fazer, estava sem reação alguma, e fui deixando ele fazer de mim o que queria, naquela época eu não sabia o que era aquilo, isso foi se tornando mas frequente quase todo dia ele fazia carinho em mim, ate que ele começou a esfregar seu penis em mim, ficava se esfregando por um bom tempo, ele falava que aquilo era apenas uma brincadeirinha e que era o nosso segredinho. Na hora que ele ficava se esfregando em mim eu acho q eu gostava, + depois vinha uma senssação de nojo quando eu tomava banho + passava depois, fomos crescendo e isso continuou eu e ele sempre brincavamos juntos e sempre acontecia dele fazer carinho em mim, eu sabia que era errado e mesmo assim eu deixava, isso aconteceu ate os meus 13 anos, isso só parou de acontecer porque eu dei um basta, não brincava mais com ele e nem ficava sozinha em casa, teve uma vezes q ele tentou mesmo com os meus pais em casa mais eu disse nao. Eu nunca falei isso para os meus pais, pq ele nunca chegou a fazer a penetração em mim. Hj Graças a Deus sou casada, tenho 18 anos, já tentei contar para o meu esposo mais nao consegui , eu nao sei se isso é considerado um estupro ou algo parecido, pq ele fazia e eu nao impedia ele, uma unica coisa q eu nunca deixei ele fazer era beijar a minha boca . Tinha época q eu achava q eu não servia para nada, que eu era uma qualquer que qualquer um podia fazer o que quisesse comigo, eu nunca fui de ter amigas, gostava apenas de ficar no meu quarto. + isso acabou, hj sou casada e feliz tenho alguém que eu amo de verdade. Hj eu converso com o meu irmão tranquilo, só nao converso com o meu primo.

  59. Rosane

    Boa tarde por aqui todos devem estar acostumados e ouvir histórias verídicas de estupro, pois bem eu sou mais uma bem vou lhes contar como tudo ocorreu.Hoje tenho 28 anos.
    ‘Tinha apenas 6 anos de idade isso mesmo 6″ anos de idade, quando meu padrasto (pai da minha irma mais nova) me estuprou, me molestou e daí por diante só ameaças me lembro perfeitamente que no dia do ocorrido ele me deu banho pra sair o sangue que ficou em mim, pois me machucou muito, sofri abusos por 7 anos inteiros , ele me dava tudo do bom e do melhor e pra minha irmã …nada. Lembro bem de um velório de uma tia minha no interior e fomos pra lá minha mãe, meu padrasto e meus dois irmãos, sei que não havia cama para todos e ele não deixou que eu dormisse na casa de minha outra tia, de certo com medo que eu contasse algo pra ela, ele não me deixava sair sozinha pra lugar nenhum e minha mãe nunca notou isso. Poise sofri ameaças durante 7 anos da minha infância ele dizia que contaria tudo pra minha mãe e que ela me bateria se soubesse essas coisas feias que eu estava fazendo com ela, que mataria meus irmãos, bem cresci com todos os medos que uma criança nunca mereceria ter passado, cresci aprendendo aquilo que ele me ensinava, cresci entendendo que não podia contar nada pq senão eu apanharia, minha infância foi destruída, parte de minha adolescência se perdeu, um dia já com 13 anos de idade minha que sempre chegava do trabalho muito cansada e lá pelas oito da noite, sempre esse horario que ela voltava do trabalho era doméstica, num belo dia minha mãe acordou de madrugada acendeu a luz e viu meu “PADASTRO” em cima de mim, apertando tanto meu braço que ficara roxo, e me obrigando a manter relações com ele como sempre fez, e minha mãe na hora ficou desesperada, e correu pra cima dele e disse que chamaria a polícia, ele pegou um banquinho de madeira e ia jogar na cabeça dela, eu e minha irmã que acordou na hora empurrou ele, nessa noite ninguem saiu de casa ele nos manteve trancada dentro de casa, ela me colocou no canto da cama dela, e ele se deitou na cama tambem e ficou passando a mão em mim na frente dela e dizendo que se ela abrisse a boca mataria ela, (fico emocionada demais ao falar disso) no outro dia ele á ameaçou novamente e disse que se ela fosse a polícia ele sumiria com minha irmã e me mataria, e nessa história foi rolando por quase dois anos e ele continuava dentro de casa, ele colocava espelho em baixo da porta do banheiro pra me ver tomando banho, se não me falhe a memória no ano de 2001 nos mudamos para um bairro novo onde minha mãe estava construindo nossa casinha, do lado morava um policial militar que um dia viu ele me proibindo de fazer algo que não me recordo e falando comigo com muita grosseria, ele veio ao meu encontro no outro dia e me perguntou se havia algo de errado com meu “padrasto” disse que sim abri a boca de vez, ele me levou direto em uma advogada amiga dele, que nos encaminhou pro Conselho Tutelar, foi feita a denúncia e quando chegamos em casa esse policial vizinho chamou meu irmão mais velho e contou toda historia pra ele, e o meu padrasto estava chegando em casa na hora, meu irmão foi em cima dele mas ele conseguiu fugir, nesse fugir dele ele ficou foragido por 10 anos acho que na Bolívia, mas nesse tempo todo santo dia o pessoal do conselho tutelar ia lá em casa me buscar para tratamento psicológico, fora várias intimações para minha mãe e ela por muitas vezes dizia que não ia e que não era pra eu ter feito o que fiz, denuncia-lo. Bom muito tempo se passou ele voltou e um dia foi pego em uma blitz rotineira, ficou preso arrumou um advogado pagou uma fiança de 3.000,00 reais e saiu, no ano de 2011 teve o primeiro julgamento, eu fui, minha mãe foi, meu irmão mais velho foi, só que o Vagabundo não compareceu, ele foi chamado diversas vezes, cartas precatórias foram enviados pois ele estava em outra cidade, bom agora espero por justiça até hoje ja se passaram 14 anos e nada, todo dia olho no site do tribunal de justiça mas ainda nada, e pra completar to ficando com depressão sei lá o que é isso que to sentindo, esse fim de semana foi aniversário de minha afilhada(filha da minha irmã) pois bem eu como moro em outra cidade não fui, e na segunda feira fiquei sabendo que o animal o padrasto foi nesse aniversário onde estava toda familia, minha irmã o convidou é pai dela neh, mas não me conformo com isso mesmo se fosse o papa não me prestaria á um papel desses aceitar um estuprador em uma festinha de criança e de que se diz minha família, ai liguei pra minha mãe ela me disse o seguinte””você tem que esquecer isso já passou mesmo, fazer o que?” então foi ai que cortei todas as relações com minha família essa semana, pois não tem o mínimo de respeito por mim, nem sabe meus devidos valores, pra que ficar correndo atráz deles, somente eu que ficou indo visita-los minha mãe nunca vem me ver, e esse ano nem no meu aniversário me ligou a não… mas fica aqui meu desabafo

    • Renata Poskus

      Linda, eu te entendo.

      Sua família talvez não imagine a dor que vc está sentindo. E não adianta a gente falar. Tem gente que aprende com amor e gente que aprende com a dor. No caso da sua irã, talvez ela tenha que sentir na própria pele para se comover. Não sei nem o que dizer.

      Numa coisa está certa. Família é quem nos ama e cuida da gente. Pode ser que sua mãe te evite pq se sinta culpada, ou simplesmente pq ela não ligue. Trate como família quem se preocupa com vc, nem que seja uma amiga, uma vizinha. Toque sua vida. Seja feliz.

      • Rosane

        Obrigado! É verdade, e o que sempre tento fazer lidar como pessoas que dizem gostar de mim como se fosse família pq ainda assim sinto muita falta de um abraço de mãe, de um apoio sabe… mas enfim Deus sabe das nossas dores e nos conforta nas horas certas…grande abraço e obrigado pela força

    • nossa Rosane eu nem sei oque falar, eu estou pasma, e com certeza não dá para esquecer, uma coisa dessa, isso que ele fez com vc não tem nome é monstruoso, mas espero que Deus te dê força passar a cada dia

    • Keli

      Rosane sinto muito que vc tenha passado por isto e te apoio qdo vc diz que quer distancia da sua família, como a Renata disse, família é quem cuida e se preocupa, já passei por isso tbm, eu o considerava meu pai tenho até o sobrenome dele, ele foi denunciado mas o processo nunca foi adiante pq minha mãe perdeu o interesse e ele tinha ido embora para outro estado, enfim, ele nunca pagou por isso. Hj em dia sou uma pessoa fraca, sou uma pessoa fechada, triste, sou casada mas me arrependo pq não sou a esposa que meu marido esperava, não tenho interesse sexual por ele, mas se me entrego logo depois sinto nojo e uma sensação mto ruim, já fiz tratamento psicológico mas é um trauma mto grande e difícil, cada dia é um dia e eu digo a mim mesma que se isso aconteceu foi para me deixar mais forte, mas até agora não consegui me encontrar.

  60. Esperança*

    Isso mesmo Rosene , toque sua vida … MAS NÃO DEIXE DE LUTAR POR JUSTIÇA, esse desgraçado tem que pagar pelo q fez !!!!

    • Rosane

      Obrigada! mas não sei se tenho forças para lutar por justiça, sempre corri atrás disso tudo sozinha e agora cansei, essa nossa justiça infelizmente é assim…

  61. Clarice

    O que dizer quando alguém invade o seu corpo penetra em você e te humilha como se você fosse um cachorro e depois que finalmente termina seu ato de prazer cospe na sua cara e diz que ninguém irá acreditar em você? Não existe palavras nesse mundo que descreva a sensação de ser ABUSADA,VIOLENTADA,ESTUPRADA e invadida como eu fui.

  62. Eu chorei ao ler os relatos, chorei porque em minha mente vem as como devem ter sido estas coisas, e como essas mulheres devem estar hoje.
    Meu Deus quanta dor alguém pode causar ao outro?!
    Por hora não sei nem o que falar.
    Gostaria de poder falar olhando nos olhos que vocês não foram as culpadas, e que tem o direito de viver de tocar a vida, porque parece que é isso que os estupradores roubam das vítimas, o direito de viver suas vidas.

  63. Cristiane

    Li todos os depoimentos e fiquei horrorizada com tamanha violência e pela dor que sentiram. Eu nunca fui abusada, acho que nem consigo imaginar a dor que sentiram, me solidarizo com vocês.

  64. breno

    fui eu que tive relaçao com ela nao foi estupro, foi quem quis, eu simplesmente a obedeci,ela estava embriagada e me disse me faz sentir uma vagabunda

  65. aline

    não sei se o que aconteceu comigo foi realmente um estupro eu não queria fui obrigada nunca tive coragem de conta a ninhuém o que aconteceu,e não foi uma vez só não foi uma pessoa só,eu achava que eu era obrigada a fazer o que me eles mandavam,dizia que não mas sempre era obrigada a fazer,tenho 14 anos e faz dois anos que isso acontece comigo,faz um ano que estou indo em uma psicóloga mas até hoje não contei pra ela

  66. Erik

    pessoal passo por tal problema que é o padrasto da minha namorada não esta nos permitindo mais ficar juntos pois segundo ele eu atrapalho ela em suas obrigações que são limpar a casa e cuidar do irmãozinho >>filho dele<< que é dar atenção,dar banho,e brincar com ele…isso me irrita bastante pois isso é dever dos pais até entendo que ele não poça pois é caminhoneiro mas a mãe dela chega as sete horas então ela poderia fazer tais coisas e o resto do tempo o garoto esta em uma creche…e penso que o pai dela possa tentar fazer algo com ela tenho essa desconfiança desde o inicio de nosso namoro mas acredito nela e acredito que se ele tentasse algo ela teria me contado pois me ama muito como eu a amo também… fiquei com essa desconfiança novamente quando ocorreu o seguinte no domingo: ela estava conversando comigo e então o pai dela a chama ela vai ver o que ele queria e ele diz que queria que ela dormisse com ele pois sua mãe estava na casa do sobrinho dela e ele não queria dormir sozinho e então ela volta e me conta isso tudo eu sinto medo de que ele tente algo com ela pois retirou o celular dela e não posso conversar mais com ela… se ela foce de maior eu tiraria ela de la mesmo que tivéssemos dificuldade de vivermos juntos ou seja dificuldade para nos manter não sei o que fazer a unica ideia que tivemos foi de ela ir para uma escola agrícola que se fica la o dia inteiro não sei mais o que faço e agora me ajudem por favor!!

  67. maiaralapade oliveira

    mulheres e criancas qe ainda sente a dor e o perceguimento de ser estrupada tenque o mais rapido denunciar ainda a isames qe alega esse tipo de abuso nao se deixe leva pelo medo mais sim pela seguranca da umanidade qe esta por vim valew…

  68. Mellanie

    Eu sou uma menina muito carente , e sempre gostei de me relacionar com homens mais velhos , até porque achava que me passavam segurança , por não ter um pai muito presente … Meu namorado sempre foi super carinhoso e muito amigo , eu sempre contava pra ele dos meus medos , oque eu queria fazer , como era minha convivência em casa e tudo mais e ele sempre me dava muitos conselhos . Eu nunca fui uma adolescente rebelde , mas um dia tive uma briga com minha mãe , fiquei bem triste e fui pra casa do meu namorado . Chegando lá , foi recebida com muitos carinhos , beijos e palavras de consolo , não imagina que por trás de todo aquele afeto , acorreria um estupro . Fiquei um tempo em seus braços conversando , dizendo o quanto estava triste por tudo aquilo está acontecendo , eu odiava saber que deixei minha mãe triste , sei que ela sofreu de mais , e isso me magoa plenamente … Mas ele se aproveitou de um momento de fragilidade , primeiro ele começou a acariciar minha cintura , me beijar , beijar meu pescoço , no inicio achei que era só um carinho , depois ele começou a colocar as mãos nos meus seios , aperta , eu tirava a mão dele e dizia que não queria , e disse que se ele continuasse eu iria embora … Ele riu de mim , e disse que eu era super infantil , me disse coisas absurdas , fiquei bem triste , ele me deixou pior do que eu já estava . Levantei e disse que ia embora , que ele me magoou muito , e ele puxou meu cabelo , me batei e estuprou . Foi horrivel , um momento que deveria ser magico, inesquecivel , foi doloroso e quero muito esquecer tudo que ocorreu …

  69. oi o meu nome e marcelo.lopes de souza. acho que todas voces estão mal informadas.das ações penal.para esses tipos de crime.não exister plasos para vc faser a denuncia.pois o fato ocorreu a mas de 12.anos.quando .voces aindas era crianças.e nunca teve a credibelidade.das suas mães.mas não .onera o crime ocorrido ate então.agora voces são de maior.e pode sim faser a suas denuncias..em uma delegacia .de preferenças que seija na capital.procure o ministerio publico.e faça a sua denucias.pois.voces sendo de maior. e o fato ocorrido foi quando voces ainda eram menor de idade. pois isso não tirar a culpa deles.ele vai ser julgado.e pode pegar ate 18.anos de reclusão.em regime fechados.e se isso acontecer .ele deve ter platicados outros crimes igua ao que aconteceu com vc. as outras jovens que foi submetidas a esses tipos de abusos vão começar a ter coragens e se unir a vc. faça isso.mostre a nive de brasil.que ainda tem filhas que teve coragens de denuciar o propio pai clapulas.so quero que milhões. de jovens.que ja crianças .e ja sofreram a esses tipo de abusos.esses crimes.não tem prescrição.ele e vitalicio.aqui na nossa cidade de rondonia.um padrastros.estrupou uma menina.de 11 anos.ela contou para a mãe.mas amãe dela era uma vadia.e não acreditou .e ainda deu uma surra nela para que ficace calada.e falou que isso aconteceu porque a menina so ficava a provocar o canalha .do padrastro dela. bem resumindo.o fato.se passaram 12.longos anos de muito sofrimentos. a menina foi no ministerios publico e fes a sua denucia.o safado .ja estava com 63.anos e tava se escondeno dentro .de um igreija evangelica. como se foce um devoto do senhor.mas ai veio a maior supresa.ele ja tinha aprontado dentro da igreija tambem.e com varias meninas de 10- 11–13–anos.foi condenados a 23,anos.em regime fechado sem direito a condicional .e sem direito a apelação. bem tai o meu recado a todas.as meninas-jovens. e mulheres que ja paçaram por isso.o crime não tem caduquice.pois e crime ediondo e crime ediondo .todos os culpados .não intereça a datas do crime o reutem que pagar pelos seu crimes..

    • raquel

      Eu tbm sofri abusos dos 6 aos 15 anos pelo monstro do meu irmão! A única pessoa que sabia da minha familia era um irmão q veio a falecer ainda jovem. Q ainda doente tentou avisar minha mae ,mais como os costumes sempre foram tao rígidos …q ela não deu importancia achando se tratar de uma brincadeira boba de criança! Mais quando criança ele tinha o dom de me fazer sentir medo. Mais c a adolescência o q não era sempre,qndo ele aparecia em casa já q viajava muito usava métodos para q me sentisse culpada por tudo! Sempre dizia q eu era errada.. PK deixei acontecer desde criança PK gostava daquilo. 😖 qndo não aguentei mais essa situação fugi de casa PK alem de Me fazer essas maldades a força ele ainda me batia muito… Eu não podia namorar ou me aproximar de um rapaz q ele fazia um escândalo na familia dizendo q a pessoa não prestava. Estava cansada! Só então qndo fugi de casa q minha mae,teve atitudes e expulsou ele definitivamente de casa já q ela achava q o motivo de eu ter fugido eram as agressões constantes tanto física como verbais! Como sempre respeitei muito minha mae por ser uma batalhadora na vida a pedido dela resolvi voltar! Mais mesmo assim vivia c medo dele voltar., Mais carrego esse trauma a anos me sentindo suja,como se eu fosse a culpada realmente! Ate q descobri recentemente q ele tbm tentou assediar duas sobrinhas minhas qndo eram crianças.. Hj em dia ele e casado e eu tbm,mais qndo encontro c ele na casa da minha mae me revolto tanto. eu não falo c ele ha 16 anos mais ainda qndo ele passa por mim ,me sinto como aquela criança q ele tanto machucou! PK o tempo passou mais as cicatrizes permanece!

  70. Anonima

    Eu tinha apenas 7 anos não sabia de nada e nunca vou me esquecer do que me aconteceu, ele era um grande amigo do meu irmão praticamente meu vizinho e ele abusou de mim por 5 longos anos, ele me faz fazer coisas que nunca vou esquecer e que ainda me machuca muito, hoje eu tenho 19 anos e ninguém sabe disso, vejo que muitos me condenam pelo meu comportamento, pois sou mais quieta em casa mas vivo me metendo em problemas mas ninguém me entende, depois deste fato como posso dizer, passei a ter vontade de fazer sexo, isso é algo que foge do meu controle, mas que me assusta tanto que me tanto medo e a unica maneira que achei de chamar a atenção da minha família foi fazendo coisas que nunca deveria ter feito… Hoje eu tenho tanta culpa e nojo de mim e pra piorar ou melhor eu to namorando e não sei como dizer isso a ele, poxa afinal estamos apenas com 5 meses e enfim transamos, foi como se eu me libertasse, primeira vez que eu sentia prazer no que fazia e não medo e nojo como antes, mas me sinto culpada por não ter dito nada a ele, eu o amo muito, ele já é mais velho que eu, tem 26, mas é um doce, ele é educado e super paciente, e isso me faz sentir pior por esconder isso dele… Por favor me ajudem… O que eu devo fazer?

    • Renata Poskus

      Acho que você deve procurar ajuda de uma profissional, como psicóloga ou psicanalista. Não sei muito bem o que faria no seu lugar. Se sente essa necessidade de contar isso ao seu parceiro, conte. Mas saiba que não o estará traindo se não disser nada. Ao contar, você estará apenas aliviando sua alma e se ele gostar de você a escutará e apoiará. No entanto, seu namorado não tem o poder de exorcizar seus fantasmas. Ele é apenas o seu companheiro.

      Sorte e sucesso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s