Arquivo do mês: fevereiro 2010

Lingeries Liz e consultoria de sutiã gratuita em Sampa!

Por Dani Lima

Gatas, hoje entrei em contato com o pessoal da Lua Nova, loja virtual de lingeries, e confirmei a parceria que eles lançaram com a Liz, marca de lingeries.

A modelo é magrinha mas os tamanhos de sutiã variam meesmo! Tem até o 50! rs

O pessoal da Liz tem um projeto chamado Liz Fit Sense, que visa ajudar as mulheres a usarem o número correto de sutiã, já que a nossa padronização se dá de forma errada, uma vez que cada mulher tem um tamanho diferente da largura de costas e número da taça do sutiã, e nem sempre um tem ligação com o outro: as vezes o seio é pequeno e as costas mais largas, ou vice e versa. Eu que fui “agraciada” com costas largas e peitos imensos, fazer o quê! rs

E o projeto tem uma tática bem interessante: eles separam os sutiãs por números e letras. Números correspondentes aos usuais 44, 46, 48 e por aí vai, e letras, A, B,C e D. Por exemplo – o sutiã 46B corresponde ao sutiã tamanho 46 comum de todas as marcas (costas e taça 46). Se usando um 46 você sente que as costas estão boas, mas o peito solto dentro do bojo, então opte pelo 46 A (46 com taça 44) Por outro lado, se no 46 comum as costas estão boas mas você sente que o peito fica apertado, opte pelo 46C (costas 46 e taça 48). Se ainda assim ficar muito apertado, opte pelo 46 D (costas 46 e taça 50). Legal, né?

Sutiã Sustentação – Numeração até 48!

E para ajudar as moças nessa busca ao sutiã adequado, é que foi formada a parceria da Liz com a Lua Nova. Eles estão promovendo um atendimento especializado para a consultoria, no Itaim, em Sampa, no dia 11 de março. Para agendar um horário para atendimento individual basta enviar um e-mail para contato@novalua.com.br com nome completo e telefone de contato.

Eu tô no Rio, mas quem estiver em Sampa vale a pena, ein! Ahn, e não contei o melhor: Eles me disseram que todas as moças que tiverem se inscrito e comparecerem no horário agendado, além da consultoria, ganharão um brinde surpresa! Muito bom, né!

Me contaram que vai ser atendimento VIP! Quem for, conta pra gente como foi, tá? 😉

27 Comentários

Arquivado em Moda e estilo

“Menina mais gordinha é o que há”

Por Orion Santos


Meninas, quando conheci a Renata e passei a acompanhar o trabalho no blog e outros tantos projetos que ela toca, passei também a perceber melhor o quanto o universo de vocês, “moças plus size”, pode ser complicado e muitas vezes cruel.

Há tempos, queria contribuir com um depoimento masculino para ilustrar o quanto algumas de suas encanações são apenas encanações, mas sempre me faltava aquele ponto de partida. “O que vou escrever? Sobre o que vou falar?”, eu pensava.

Hoje, vendo o texto do Eduardo, novo colunista do Mulherão, me inspirei. Acho que a melhor forma de falar com vocês é sendo sincero e sem me perder em clichês e estigmas. É fazendo como o Eduardo fez, contando minha própria história.

Sempre fui um cara extrovertido e articulado entre os meus amigos e colegas, era bom nos esportes (o que certamente sempre me garantiu boa reputação entre os meninos e as meninas no colégio), namorador de vez em quando, bagunçeiro freqüentemente, responsável às vezes e de opinião própria sempre. Com isso era aquele cara relativamente popular na escola e na faculdade.

Nessa época, a minha realidade não era muito diferente de outros meninos quando o assunto era gosto por mulheres: magras e gostosas encabeçavam a lista e ai de quem se atrevesse a contrariar o senso comum, mas nunca tive medo de expor meus gostos e opiniões.

Em se tratando de gosto por mulheres, nunca tive medo de dizer: não faço opção por tipo físico, apesar de sempre ter tido uma quedinha por formas. Gosto mesmo é de mulher pelo que ela é!  E nesse quesito, minhas caras fofinhas, vocês dão um baile em muita marombada de academia e esquelética de passarela.

Quando me perguntavam: “tá, mas e se a menina tiver tudo isso e for uma baleia?”, era imediato: “Não vou pensar duas vezes! Menina mais gordinha é o que há!”. Obviamente, os que não partilhavam de minha opinião, ou aqueles que não tinham a coragem de fazer o mesmo, se entregavam às provocações e piadas de mau gosto.

Minha primeira namorada séria, isso aos meus 17 anos, foi uma menina gordinha e, de lá pra cá, hoje com meus 30 anos, me lembro perfeitamente que as relações mais legais que tive, longas ou não, foram com meninas um pouco acima do peso.

Falando mais explicitamente, quando estou com uma mulher gosto mesmo de suas formas, de seu beijo e da forma como me olha. Atendendo isso, pouco importa o manequim que usa.

Lembro-me que quando conheci a Renata, a primeira coisa que pensei foi “nossa, que mulher linda!”. Daí para frente, foi apenas uma questão de nos conhecermos melhor e aprendermos um sobre o outro. Com isso, a paixão foi, de forma natural, se tornando amor entre a gente.

Não tenho dúvidas em dizer que sou completamente apaixonado por uma de vocês e que encontrei, na pessoa dela e em seu manequim, o meu grande amor. Hoje fazemos planos para o nosso casamento e tudo que virá a seguir.

E se engana quem pensa que isso é caso isolado, vários dos meus amigos (hoje um pouco mais maduros) assumem, cada vez mais, a sua preferência por mulheres mais encorpadas.

O que quero dizer é: não fiquem sufocando suas qualidades com seus medos e inseguranças. Se vocês não tiverem medo de mostrar quem são, garanto que serão notadas de verdade, muito além de peso ou aparência. Acreditem, está cheio de cara atrás de mulher assim. Eu já achei a minha!

Beijos para todas.

80 Comentários

Arquivado em Uncategorized

As duas faces do preconceito

Por Renata Poskus Vaz

É inevitável quando se fala à respeito de celebridades gordinhas que Preta Gil seja citada como exemplo de autoestima para garotas voluptuosas. Se ela é ou não realmente bem resolvida com seu peso, em seu íntimo, só Deus sabe. Entretanto, mesmo que Preta seja uma mulher normal como todas nós, que acorda de cara inchada e se achando feia, de vez em quando, ninguém pode negar que as fotos da bela morena fazendo, sem vergonha alguma, top less na praia, ou nuazinha em pêlo na capa de seu primeiro CD, o Preta à porte, nos enchem de orgulho e inspiração.

Mesmo representando a mulher brasileira de verdade, com sua pele morena e corpão repleto de curvas, Preta ainda é alvo de preconceito por parte de pessoas que não admitem que uma artista com quilos extras tenha seu espaço na mídia. De acordo com o site Virgula, após postar uma foto de biquíni no Twitter, Preta foi alvo de chacotas por alguns internautas. Foi chamada de baleia e encarou tudo isso como algo desrespeitoso e preconceituoso.

Preta ainda complementou: “Por esse tipo de brincadeira é que acabo me fortalecendo, isso é cruel, e hoje sei que existe justiça, e qualquer mulher que se sentir agredida, diminuída, pode processar um babaca que escreve isso”.

 E ela tem razão. Ofender e ridicularizar alguém desta forma, além de muita falta do que fazer, insensibilidade e desrespeito, é crime. Todavia, preciso discordar de Preta em um aspecto. Ela tem razão quando reclama de tanto preconceito contra ela, mas ela também age, talvez sem perceber, de forma preconceituosa com outras pessoas.

No último domingo, após a eliminação de Morango do Big Brother Brasil 10, Preta utilizou as seguintes frases em seu twitter: “vem morango pra ca tirar o buço” e “vem moranguinho que a cera ta quente”. Dentro do reality show global, como todos sabem, os participantes não têm acesso à tratamentos de beleza como, por exemplo, a depilação. Morango, como inúmeras mulheres, tem pêlos no buço e não teve possibilidade de manter a depilação em ordem, no BBB.

Lembro de uma matéria que fiz aqui falando de uma atriz que se apresentou ao Globo de ouro com as pernas cabeludas e vocês, amigas leitoras, ficaram revoltadas comigo. Minha intenção era dizer que ão podemos discuidar da  higiene e, no caso da atriz, ela tinha disponibilidade de se cuidar. O que vocês achariam, então, se eu  ridicularizasse alguém que, de forma alguma, poderia se depilar?

O que é pior, ser chamada de baleia ou ser zombada por causa de um bigode? Preta foi chamada de baleia, mas Morango foi ridicularizada por estar com pêlos no buço. Confesso que se eu saísse da casa e soubesse que estavam me ridicularizando por isso, ficaria muito entristecida. Afinal, Morango não deixou de se depilar por relaxo ou por ser masculinizada. Muito pelo contrário. Ela é linda e vaidosa, só não tinha acesso à esses recursos de beleza.

O que quero dizer com isso tudo?

Que Preta deveria ser mais cuidadosa com suas colocações. Ela é uma formadora de opinião e não deveria estimular seus seguidores a ridicularizar a participante do BBB. Só percebemos que preconceito existe quando nós sofremos com seus efeitos. Uma forma de ser respeitada é respeitar, sempre! Continuo sendo fã de Preta, só estou dando uma bronquinha nela, da mesma forma que vocês me deram quando fui exigente além da conta com a depilação alheia!rs

40 Comentários

Arquivado em Artistas, comportamento, Preconceito

Pérola do dia

O casamento é um workshop: enquanto um work, a outra shop.

18 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Cabeça retrô

Por Dani Lima

Uma coisa que tenho observado em vários desfiles que tem acontecido nas recentes semanas de moda, é o uso em demasia de acessórios para cabelo. Eu acho tudo encantador, já que adoro inventar moda para as madeixas, e acredito que o resultado que um bom acessório dá para qualquer penteado, pode ser surpreendente.

Resolvi criar esse post, porquê estava amando demaais as casquetes que apareceram enfeitando os penteados das modelos, no desfile de Amália Gasparini, no Fashion Weekend Plus Size, e aí hoje, quando fui escrever o post abaixo, sobre o desfile da Elena Mirò, me deparo com esta foto:

Primeiro que achei de um glamour sem explicação… muito bem trabalhada no drama e na beleza! Segundo que o adereço da cabeça me encantou por demais. Morri e quis pra sempre um igual! rs

Fui pesquisar mais à respeito, e descobri que o adereço acima se chama Voilette, que é a expressão que denomina o véu caido sob a face, que pode ser mais compridinho, ou essa metadinha, como na modelo da Elena. Vem sempre acompanhado à um chapéu, numa flor ou pente fixado ao cabelo, e era uma peça muito usada da década de 10 à 40, onde as mulheres pretendiam proteger-se da poeira e do sol.

Já essas, são algumas das casquetes do desfile de Amália Gasparini:

Celina Lulai

Gabriela Munhoz

Mayara Russi

Amei o adereço, que é um pequeno chapéuzinho usualmente preso por grampos, ou em versões mais modernas, preso em tiaras finas. Suuuper anos 40 e suuuper condizente com a minha cabeça. Eu quero também 😉

Porcurando fontes, cai no Cereja, canal do Petiscos, e de lá, peguei a indicação de uma marca chamada Débora Gotlib, assinada por duas moçoilas muito fofas e com a alma retrô mais fashion do mundo!

Estou dando minhas olhadelas, e em breve quero me aventurar a comprar uma casquete!

E vocês, vão aderir à tendência no inverno? Conhecem alguém que faça adereços fofos para cabelos, tem alguma indicação? Conta pra gente! =)

10 Comentários

Arquivado em Moda e estilo

Confira o resultado da Promoção de Verão da loja Daira

Por Renata Poskus Vaz

Gatinhas da minha vida! Algumas de vocês mandaram e-mails reclamando da demora em postar o resultado da Promoção de Verão da Loja Daira – Lingerie tamanhos especiais (e dou toda a razão para vocês!). Imagino o quanto ficaram apreensivas, afinal, os prêmios são lindos.

Então, vamos lá conferir quem são as vencedoras! Tchãtchãtchãtchããããã

O que todo mulherão precisa saber?

1◦ Lugar

Grazielli Magali Pimentel, 30 anos – Curitiba, PR

Que cada mulher é ÚNICA e que nosso melhor presente é nos amarmos e nos aceitarmos, sem neuras ou preconceitos!!! Não podemos colocar nossa felicidade em mãos alheias, somos as responsáveis por nossa felicidade e portanto ela está em nossas mãos!!!

2º Lugar

Mirian Cristina Generoso Ribeiro, 39 anos – São Paulo, SP

Todo mulherão deve saber que a felicidade não depende de nada e nem de ninguém, apenas da luz que irradia do seu próprio peito.

3º Lugar

Camila Alves, 21 anos – Contagem, MG

Em primeiro lugar, somos mulheres como qualquer outra com erros e acertos, sofremos por amor e antecipadamente, mas acima de tudo o que devemos saber é que somos mulheres de fibra, guerreiras e que apesar das adversidades e obstáculos do dia-a-dia, não deixamos a “peteca” cair e nem perdemos o “rebolado” mesmo diante de questões mais difíceis. Essa é a mulher BRASILEIRA, que independente de ser um mulherão por suas proporções físicas, ou não. é uma SUPER-MULHER.

Para conhecer a loja Daira – Lingeries tamanhos especiais, clique aqui.

8 Comentários

Arquivado em Promoções

Inverno 2010/11 de Elena Mirò, em Milão

Por Dani Lima

Não tenho muito o que dizer, afinal, meus elogios às coleções dela seeempre serão repetitivos! rs AMO tudo que ela faz, mesmo!

Chega inverno, e traz um conjunto desses de presente? =)

Para mais fotos, vai aqui óh!

Agradecendo as indicações da @danyy_ela, @soul_scent e @cintiadelbue, lá no twitter!

4 Comentários

Arquivado em Moda e estilo, O que rola por aí

Vergonha?

Por Eduardo Soares


Vergonha. Qual é o motivo dela existir? Vergonha de quem? Vergonha de usar uma roupa mais decotada, de fazer um strip-tease para o amado, de ir à praia, por ser o alvo de comentários maldosos numa festinha?

A verdade é que essa palavra faz parte da vida de várias pessoas. Afinal, ela pode se apresentar de várias formas. A timidez é de certo modo um tipo de vergonha. Mas no caso das gordinhas, esse sentimento é presente e infelizmente são poucas as mulheres que sabem reverter esse panorama.

“Que espelho maldito!”, “Será que ele vai olhar para mim?”, “Não quero tirar foto, estou uma baleia”, “Até quando minha estima vai continuar em baixa?”. Provavelmente algumas de vocês já devem ter dito uma (ou todas) dessas frases ao longo do tempo. Acreditem, em pleno século 21 continuamos vivendo dentro de uma sociedade preconceituosa. E isso não é um ‘mérito’ apenas nacional. Existe uma falsa imagem de que tudo está bem, mas só quem é negro, homossexual, deficiente físico e, sim, gordinho/a (fora outros casos) conhece o amargo sabor da discriminação que mesmo presente de forma discreta, não deixa de ser menos torturante.

Digo isso pois já fiz parte da ala que desdenha as gordinhas. “Eu? Nunca! Tá maluco? Nem se fosse a ultima mulher do mundo”, era o que eu costumava dizer aos amigos. Até que num belo domingo de sol, estávamos reunidos na praia (uns cinco amigos e eu) jogando conversa fora e admirando as belas mulheres de Ipanema. Lembro-me que o papo do momento era justamente sobre estética e eu, assim como todos, levantava a bandeira dos contra-gordinhas. Os termos vulgares e comentários maldosos eram ditos a exaustão. Até a hora em que passou na minha frente uma linda gordinha! De quebra, era baixinha e loirinha. Eu parei! A conversa continuava rolando mas minha visão ficou naquela menina! Como não sei filtrar meus pensamentos, disse em alto e bom som: “Que menina linda, gente!”. Evidentemente a galera toda me sacaneou até o fim do dia. Cinco anos depois, ironicamente três desses amigos são casados com moças belíssimas e…gordinhas! E eu? Bom, de lá para cá só namorei com meninas “plus size”!

Graças a Deus noto que atualmente existe um olhar mais admirador no que diz respeito a mulheres fora do padrão comum de estética (quanta pompa). Oras, casos de gordinhas em evidência (sem o teor de esculhambação) são vários: em Malhação ID, Carolinie Figueiredo é uma das protagonistas da trama; Simone Gutierrez arrancou aplausos de pé quando foi no Programa do Jô para divulgar a peça “Hairspray”, tamanha sua simpatia; o mundo ficou boquiaberto com a beleza da Miss Gordinha americana Chloe Marshall (aliás, bem que poderíamos fazer o mesmo por aqui, afinal as brasileiras são as mulheres mais belas do mundo); a irmã da atriz Liv Tyler (que leva o sobrenome do pai, Steve, vocalista do Aerosmith), Mia Tyler, é uma renomada modelo americana da linha plus size. Não podemos esquecer do encanto da atriz Fabiana Karla, que é uma das melhores humoristas dessa nova safra. Lembrando que estou me referindo a casos onde a saúde da pessoa não corre risco, como nos casos de obesidade mórbida, que é doença e precisa ser tratada a sério.

O que quero dizer a vocês é simples: jamais tenham vergonha do físico. Agradeçam a Deus pela beleza, pela saúde, pela alegria (impressionante, nunca vi uma gordinha mal humorada) pelo caráter e pela personalidade. Quanto a estima só quem pode realmente alterá-la são vocês. Quando a mente maquina negativismo, não tem jeito! A pele fica feia, o cabelo perde o brilho, o sorriso fica amarelo.

Não se permitam chegar a esse ponto. Olhem para o espelho, meninas! Vergonha do corpo? Sem chance!

Reza a lenda (e bom, posso comprovar isso…) que vocês são quentes! Coloquem uma lingerie sensual (vocês conhecem várias lojas especializadas em tamanhos maiores), façam books como fotos audaciosas (existem profissionais que fazem ensaios fotográficos de pessoas ‘não famosas’ e esse é um seguimento que está em crescimento no pais), usem e abusem da genética!

Chega de lamentos, choro, depressão e tristeza. Se algum cara vier a querer menosprezá-las, não fiquem por baixo. Detonem o sujeito e busquem a felicidade com quem gosta realmente de vocês como são. Ninguém pode julgar o caráter da pessoa só pela aparência. Isso é como fazer vista grossa para um presente valioso só por causa da embalagem! E no fundo cada uma de vocês é um presente valioso e raríssimo, cujo “presenteado” é um sujeito inteligente pelo simples fato de ter aceito vocês sem qualquer tipo de preconceito.

Já diria minha mãe: “vergonha é matar e roubar”. Bom, se for pensar assim matem as magrelas de inveja com a beleza peculiar das gordinhas! Ou então, roubem as cenas com o encanto, charme e fascínio que só vocês têm. Nesses casos, e só nesses casos, a “vergonha” é saudável.

98 Comentários

Arquivado em comportamento, Relacionamento

Modelo Plus Size Americana em reality show francês

Por Ana Paula Menezes

Vocês conhecem a modelo Velvet d’Amour? Velvet é uma bem sucedida modelo e fotógrafa plus size norte-americana de 42 anos que começou a carreira nos anos 80, mas ficou famosa mesmo em 2006 quando desfilou para Gaultier e Galliano.

Velvet é inusitada e linda e nas palavras de seu agente “ela é muito grande para ser uma modelo plus size”, mas sua energia e personalidade fazem de Velvet um ícone da moda internacional.

Um dos lugares aonde Velvet é muito querida é Paris e por isso mesmo a modelo estréia esse ano num reality show francês, chamado “La Ferme Célébrités”, esse reality show é bem parecido com “A Fazenda”: pessoas famosas numa fazenda cuidando de animais e tals.

“La Ferme é baseado em outro reality show de origem americana chamado “I’m a celebrity, get me out of here” (traduzindo: sou uma celebridade, me tira daqui), nessa versão americana, pelo que eu ví os artistas iam para o meio do mato mesmo, tipo “No Limite”Além de Velvet, também participam do programa o ator de Baywatch David Charvet e Brigitte Nielsen.

Vamos torcer para que, ganhando ou não o programa Velvet traga mais aceitação para as pessoas acima do peso, afinal não é todo dia que um reality show abre as portas para quem foge do padrão da mídia não é mesmo?

6 Comentários

Arquivado em Artistas, Curiosidades, Modelo GG

O pretinho básico de cada dia…

Por Renata Poskus Vaz

Olá, mulherões! Em nossas matérias sempre pedimos que coloquem cor, muita cor em seus looks. Cores  são marcantes, mudam o astral e renovam o visual. Mas sabemos que um pretinho básico (nós também amamos usar!), vez ou outra, é um coringa nota 10. Sabe aquele dia em que não sabemos que roupa usar e temos medo de ousar em uma combinação catastrófica? Dá-lhe pretinho!

Temos que concordar que a cor é bem elegante e cai bem em qualquer situação. Pronto, vamos liberar o pretinho para nossos mulherões (mas só de vez em qaundo, hein?!). A idéia é que o pretinho básico seja usado em reuniões, encontros e ocasiões que exijam um pouco mais de sobriedade e não como uma tentativa desesperada de tentar parecer mais magra. Também não torne a peça um uniforme de guerra ou correrá o risco de parecer uma personagem saída do filme do Zé do Caixão. Use apenas de vez em quando, com acessórios contrastantes para parecer que sempre está com uma roupa diferente.

O pretinho também pode não ser tão básico assim se tiver detalhes que o tornem uma peça diferente e especial.

1. Vestido chiquérrimo com renda, perfeito para uma festinha mais refinada – Palank

2. Versão soltinha, com bolsos, para passear, trabalhar ou para um jantar informal – Milanina

3. Detalhes tornam esta blusinha especial – Eveiza

4. Listras e flor conferem charme à esta versão – Tamanhos Nobres

5 e 6 – Eurico calçados vende sapatos femininos em tamanhos maiores.

7 – Lingerie com sustentação no busto e calcinha que “prende tudo” – My Lady

8 – Túnicas e bodys são marca registrada da Claudia Blanco

8 – Bolsa em palha com detalhes pretos – Carlota

10 – Bolsa à tira colo em couro – Macadamia

25 Comentários

Arquivado em Moda e estilo