Arquivo do mês: abril 2011

Pão de mel

 

Por Eduardo Soares

Massa:

  • 3 xicaras (chá) de cumplicidade
  • 3 xicaras (chá) de união
  • 2 xicaras (chá) de sorrisos
  • 1 xicara (chá) de ciúmes
  • 2 xicara (chá) de diálogos
  • 2 xicara (chá) de afagos
  • 2 colheres (sopa) de carinho
  • 1 lata de implicância condensada (daquele tipo que faz bem)
  • 1 colher (sopa) de sal (para não ficar meloso demais)
  • 1 colher (chá) de declarações desprovidas de vergonha (piegas, porque não?)
  • 1 colher (chá) de abraços apertados
  • Paixão e tesão a gosto, ou quanto baste para untar (caso não queira untar, use cremes, essências, caldas ou qualquer outro componente que apimente a receita)

Cobertura:

  •  1 tablete de paparicos, do tipo sempre faz bem (em qualquer hora do dia)
  • 2 colheres (sopa) de doces surpresas (só para a fórmula não cair na rotina)

 Forma de preparo:

Ligue o forno diariamente em temperatura média (180 graus);

Quando a TPM estiver em alta, afaste-se sem desaparecer por completo (no fim do dia, depois da irritabilidade, simplesmente  elas vão querer seu colo);

Beije bem, às vezes o beijo bem dado é o convite para a noite inspirada;

Acrescente alternadamente carinho e sal, senão a formula fica insuportavelmente doce;

JAMAIS deixe essa mistureba esfriar (senão a receita vai pro ralo num piscar de olhos);

Misture delicadamente desejo e carinho (não vá com sede ao pote, você corre o risco de por tudo a perder)

Para ter certeza que a formula está no ponto, espere pelo retorno (isso tende a acontecer naturalmente)

Se a resposta for seca, caia fora!

Cubra o bolo com a cobertura citada acima e bon appetit, mon ami!

P.S¹.: Essa receita tem como base a formula do pão de mel. Qualquer semelhança com esses casais de filmes da Sessão da Tarde não é mera coincidência.

P.S².:Podemos aprimorar essa receita? Aguardo sugestões.

Fonte:http://tudogostoso.uol.com.br/receita/2745-pao-de-mel.html

43 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Relacionamento

As ex-gordas que odeiam gordas

 

Esta sou eu, gorda, em uma campanha para a Duloren

Certa vez uma jornalista me perguntou o porquê de toda gorda ser boazinha e simpática. Isso me intrigou. Realmente são pouquíssimas as gordinhas que conheci ao longo de minha vida que não se apresentavam, num primeiro momento, como pessoas adoráveis e gentis. Com a convivência fui percebendo que muitas delas realmente eram pessoas do bem, outras escondiam atrás de seus doces sorrisos a falta de caráter, a maldade etc.

Li alguns artigos dizendo que a maioria de nós, mulheres acima do peso, aprende a ser mais agradável, mais simpática, até como uma forma de chamar atenção e para se sentir “aceita” pela sociedade. Uma jovem gostosona, mesmo que intragável, nem sempre deixa de ser convidada para uma festa. Todos acabam tolerando a sua falta de carisma, afinal, aos olhos de jovens que prezam pelo culto ao corpo perfeito, um corpão escultural sacolejando pelo salão é muito mais valioso do que uma alma nobre sentada em uma cadeira. Então, para a gordinha ser notada em uma sociedade preconceituosa, tem que ser sempre a mais legal, a mais divertida, a mais paciente, a mais educada e por aí vai.

E quem a gordinha é de verdade?

 Com a proliferação de cirurgias para redução de estômago, uma nova geração de ex-gordas está surgindo. Não sou contra quem opere o estômago para emagrecer, muito pelo contrário. Acho que todas nós devemos nos utilizar de reeducação alimentar, dietas rígidas ou intervenções cirúrgicas, caso o nosso excesso de peso esteja colocando em risco a nossa saúde.

Entretanto, o que tenho acompanhando, é que algumas pessoas reduzem o estômago e esquecem de seu passado gordo. Passam a punir e perseguir os outros gordos, como se jamais tivessem passado por essa condição.

 Esta semana tive acesso a um texto de Danuzza, uma famosa blogueira que, inclusive, atua em uma empresa chamada Groupália, um site de compras coletivas por quem algumas de nós, mulherões, somos apaixonadas. Vejam o texto:

“De coração, eu DUVIDO que quem se diz o rei ou rainha da autoestima, mesmo sendo gordo, não fica puto por não caber em cadeiras, não conseguir trepar direito, não ter roupas legais, não ser alvo de olhares maldosos e piedosos, ser motivo de preconceito, chacota, xingamento… Ninguém no mundo quer ser ridicularizado.

Não me venham com esse papo de “eu me aceito, gostam de mim assim” é, gostam… Tá bom… Gostam de vc mas o emprego é de outro, gostam de vc, mas não te comem, gostam de vc mas geral tá cagando qdo vc chora sozinho e pragueja esse mundo, essa sociedade, esse maldito padrão de beleza enquanto enche o rabo de brigadeiro.

Convite pra praia ou festa… Vai falar que é sossegado?! Não é. Bom, pelo menos pra quem tem noção do ridículo né?! Já viu cada vestido lindo de festa pra quem estoura a balança?! Me poupem. Eu nunca me acostumaria com essa merda.

Eu ainda não sou a rainha da autoestima nem estou confortável dentro da curva de normalidade, mas estou tão bem que qro mostrar que é fácil sair dessa vida vazia e cheia de comida e de sair desse ciclo babaca e deprê para viver melhor. E não digo só de saúde. É se olhar no espelho e dizer a plenos pulmões: “Tô gata pra caraleo!”

E não me venham com esse papo de “tô gorda mas meu marido me come” Ah sim, ele te come… mas come outras tbm. Certeza.

“Ah, mas gordinhos (ahn?!) são bonitos e simpáticos.” Caraleo… Faustão é lindo e mega simpático!
Não fode, saca?! Hipocrisia infernal. Se gordura fosse sinônimo de beleza, desfilariam de lingerie e asas mulheres com manequim acima de 44…

Sério, me arrepia ver a galera explodindo e geral batendo palma… E dá-lhe checkin no Outback…

Portanto sim, quero estar bem dentro e encaixadinha dentro da curva. Me sinto bem assim. Lá é lindo e não pulam gordurinhas pra fora do jeans.

Agora… Se você levanta a bandeira contrária, boa sorte com a sua militância e seu big mac. E esconda essa merda de braço gordo que ninguém é obrigado a ver vc se deformando…”

Quando li este texto da Danuzza fiquei chocada. Primeiro porque ela trabalha em um lugar que lida com público. E como discriminar parte do grupo para quem você vende seus produtos? Depois, pela forma grosseira como falou. Acho que todo mundo tem o direito de não gostar de gordo, argentino, negro, cadeirante, nordestino, baixinhos…. Mas manifestar desta forma, com tanta agressividade, soa como uma violência sem tamanho. Prontamente fui me manifestar no twitter e ela justificou sua indelicadeza em seu blog, com um novo texto,  o 38. Leiam:

não é calibre
São quilos

Eu não ia falar nada da minha condição aqui
mas como fui muitíssimo mal interpretada por mtos, lá vai

minha vida era mto boa qdo eu pesava 60kg
aí, merdas aconteceram, fiquei triste
e me descompensou

fui me compensar na comida
qdo dei por mim, estava com 38kg a mais
isso em 1 ano

um choque!
um dia, uma pessoa mto querida
disse q meu braço estava deformado
de tão gorda q eu estava

em outra ocasião
uma outra pessoa
deu dois tapinhas na minha coxa e disse
“tá presuntosa. vc está horrível”

na verdade, eu não vi aquilo acontecer
e depois de esbravejar e ficar puta
como mtos aqui ficaram
eu me olhei de corpo inteiro
e chorei a minha vida

comecei a fazer um regime
que todos que me cercam acompanharam
resultado zero

sofriam comigo, me davam forças
e nada

fui deixada, humilhada
xingada

passava mal
me faltava o ar, o ânimo
a autoestima

nada me vestia bem, fazer sexo já não era simples
sentia vergonha
me olhavam com desprezo e piedade
pensei em morrer

comecei a fazer exames
saúde perfeita
decidi colocar um ponto final
depois de anfetaminas, vômitos e laxantes

cirurgia

procurei mtos médicos
achei o perfeito pra mim

tudo pronto
data marcada

dor e agonia
1 semana sem trabalhar
30 dias tomando só líquidos
depois acrescenta gelatina
que traz a felicidade de um bolo de chocolate
sucos, leite, agua de coco

tudo mto sofrido
mas foi a minha escolha

cada centavo do meu salário
vai, todo mês
pro pagamento da minha cirurgia

sem saídas, sem troca de carro
preciso estar em paz comigo

hj faz 46 dias
ontem, no 45, postei um texto com coisas q passei
que ofendeu mtas pessoas

definitivamente não foi minha intenção
peço desculpas para todos

hj, após 46 dias
estou mais feliz, me aceitando mais
as pessoas q amo, q convivo e q trabalho
me dão uma força absurda

já se foram 15
faltam mtos

e sei que não é sinônimo de felicidade
mas eu fico em paz comigo

repito
não quis ser agressiva
apenas relatei o que passei
gostoso de ouvir?
não
nem um pouco

se eu gostava?
tbm não

vc se aceita?!
parabéns. (sem ironia)
eu nunca

não é calibre
são quilos

não é cirurgia de vesícula
é redução de estômago

P.S.: falaram tanto em ajudar… fui ajudada por mta gente sensacional antes e agora. minhas amigas reduzidas. qro fazer o mesmo por quem tem a mesma vontade que nós. quem quer comer até morrer, sorry. não posso fazer nada.

 Pronto! Aumentou a minha indignação. A pessoa que tanto falou mal de gordo é uma ex-gorda e há apenas 45 dias. Como pode? Para mim, Danuzza justificou que escreveu o primeiro texto em terceira pessoa e que talvez este tenha sido o seu erro. Se ela realmente tivesse certeza de seu equívoco e indelicadeza, porque fecharia esta retratação com a seguinte frase: “quem quer comer até morrer, sorry. não posso fazer nada”.

 Não dá para aceitar este tipo de conduta. Eu poderia ser tão preconceituosa quanto Danuzza e dizer que ela é uma covarde, preguiçosa e acomodada que escolheu o caminho mais curto para emagrecer, que se fosse uma mulher decidida e forte como tenta transparecer teria feito uma reeducação alimentar, lenta, mas eficaz tão quanto. Mas não fiz isso em nome de minhas amigas gastoplastizadas que são do bem. Que fizeram a redução, mas continuam tratando pessoas diferentes com dignidade.  Também poderia mostrar para Danuzza dezenas de exemplos de amigas que fizeram redução de estomago e que engordaram tudo novamente, após 6 anos. Mas isso seria desejar seu mal, e de mal dentro dela já há bastante.

 Lembrei do exemplo de uma amiga próxima. Seu ex-namorado namorava uma gordinha, que fez redução, ficou se sentindo a última bolacha do pacote e logo em seguida perdeu o namorado, que agora namora minha amiga gordinha. A tal garota achava que seu relacionamento seria eterno, mas não. Perdeu o bofe para alguém, agora, quilos e quilos mais gorda do que ela. Há mais de 2 anos a ex-gorda persegue minha amiga e posta comentários ofensivos em suas redes sociais, esquecendo que um dia (não, não, por 30 anos) foi gorda também. Como não quero ser processada, não vou dizer que esta menina chama Carol. Juro que não! rsrsrs

Não sou psicóloga, mas creio que exemplos como esse não são traduzem pessoas que mudaram de personalidade ao emagrecer. Esse tipo de gente sempre foi assim: cruel, narcisista, preconceituoso… Só não tinha coragem de exaltar esse lado sujo e ficavam escondidas por trás de quilos e quilos de peso e falsa ternura.

Desculpem este meu desabafo. Sei que este blog não é um local apenas para lamúrias e prometo postar muitas dicas legais de moda, porque ao contrário do que a Danuzza e a Carol pensam podemos sim ser charmosas e poderosas com alguns ou muitos quilos a mais.

 E para completar, deixo meu singelo recado para Danuzza, da mesma forma super “fina” como ela escreve: 

“Minha bunda ainda cabe na cadeira, trepo maravilhosamente bem, sou super fashion e ninguém me ofende ou me humilha, porque sou um mulherão.!”

Os textos da Danuzza foram extraídos daqui.

249 Comentários

Arquivado em O que rola por aí, Para Refletir, Preconceito

Esta vaga não é sua nem por um minuto

Por Keka Demétrio

Muitos de nós nos sentimos magoados, abatidos, tristes, deprimidos e um lixo quando somos descriminados e vitimas de preconceito por causa das nossas formas arredondadas. Achamos difícil passar pela roleta do ônibus, ficamos sem graça porque nossa retaguarda não cabe direito no assento das cadeiras, sentimos vergonha ao usar um short porque nossas pernas não possuem a firmeza de quando tínhamos 15 anos.

Nos fechamos em nosso mundinho de coitadinhos e esquecemos que não somos as únicas vítimas da falta de respeito e amor ao próximo. Esquecemos inclusive que mesmo com nossos quilos a mais conseguimos nos locomover sozinhos, que nossas pernas cheias de celulite nos permitem fazer uma caminhada, passear de mãos dadas com nosso companheiro, e até mesmo buscar um copo de água sem a ajuda de ninguém.

Só quem possui na família, no rol de amigos, ou em seu convívio diário, um portador de necessidades especiais e convive com um idoso conhece as dificuldades enfrentadas por estas pessoas para terem uma vida digna e exercerem o simples direito de ir e vir.

Fico particularmente irritada quando vejo vagas destinadas aos deficientes e idosos serem ocupadas por pessoas perfeitamente saudáveis fisicamente, mas que, obviamente, possuem alguma deficiência de caráter por não conseguirem viver em sociedade, respeitando os limites dos outros, olhando apenas para suas necessidades.

É impossível ter a autoestima elevada, ser conhecedor de si mesmo se não olharmos para o lado. Felicidade é uma das coisas mais subjetivas que existem. O que me faz feliz pode não fazer você, porém, uma coisa é certa, e inconteste: ninguém é realmente feliz enclausurado em seu próprio mundo, fechando os olhos para tudo aquilo que pode incomodar. Felicidade tem a ver com doar-se: a si mesmo, ao próximo e ao próximo do seu próximo.

O texto que eu ia postar hoje é completamente diferente do que você leu nos parágrafos anteriores, mas depois que tive conhecimento, através de um primo, da campanha criada pela agência TheGetz, em Curitiba, com o título “Essa vaga não é sua nem por um minuto!”, eu, que sempre grito aos quatro cantos que dá para ser feliz em meio a diversidade, me senti na obrigação de ajudar a difundir e, sinceramente, acho que todos os blogs que pregam a autoestima, o respeito, a valorização do ser humano, deveria fazer o mesmo e ajudar a conscientizar as pessoas de que é impossível ser feliz sozinho, e que quando respeitamos os outros é sinal de que estamos prontos para realmente amar, receber amor e ser feliz de verdade.

Deem uma olhada na campanha.

http://www.mistertube.com.br/2011/04/campanha-esta-vaga-nao-e-sua-nem-por-um.html

 

12 Comentários

Arquivado em Campanhas, comportamento, Mulherão Solidário, Para Refletir, Relacionamento

O limite do humor

Por Renata Poskus Vaz

No post anterior, nossa leitora Milene indicou um video dos atores e “comediantes” Murilo Couto e Victor Sarro chamado “Gente Gorda”.  Assistam o video e depois respondam a seguinte pergunta: há limites para o humor? Comentem!

 

 

100 Comentários

Arquivado em comportamento, O que rola por aí, Para Refletir, Preconceito

A polêmica da matéria sobre obesidade do CQC e as declarações de Brito Júnior

Por Renata Poskus Vaz

Meninas, antes de iniciarmos este artigo, vejam o video abaixo. Trata-se de uma matéria do programa CQC, exibido pela Band e que tratou do assunto obesidade.

Hoje, no Blog de minha amiga, a jornalista e modelo plus size Fabiana Camilo, vi um artigo muito bem escrito e que fazia críticas à esta reportagem. Eu não concordei com a visão dela sobre a reportagem, mas acho legal vocês darem uma conferidinha, clicando aqui. Afinal, apesar de se tratar de uma opinião diferente da minha, pode ser também uma visão que muitas de vocês compactuem.

Quando o CQC compareceu ao FWPS, sabíamos que se tratava de uma reportagem sobre obesidade, mas que o Programa não pararia, de uma hora para a outra, de fazer piadinhas. O repórter não obrigou ninguém a dar entrevista. As modelos que se prontificaram a falar não foram escolhidas por mim, elas mesmo se ofereceram e sabiam que se tratava de um programa com cunho humorístico forte. E, convenhamos, o humor sempre sobreviveu das diferenças, sejam físicas, etnicas ou culturais.

Na minha opinião, o quadro tratou sim da obesidade, mas de uma forma despretenciosa, até mesmo para não fugir do formato do programa. Mostrou um breve relato de especialistas médicos, como nutricionista, cirurgião etc. Também mostrou depoimento de artistas. Fiquei indignada com as declarações de Brito Júnior, que disse que sua esposa não engordaria porque era uma mulher inteligente. Mas é obrigação do veículo de mostrar opiniões divergentes, também. Nós estávamos ressaltando o quanto é legal ser gordinha. E o Brito dizendo o quanto teme a obesidade (mesmo que tenha feito isso de forma preconceituosa e indelicada).

Acredito que as brincadeiras no FWPS aconteceram porque estávamos receptivas a isso. Estávamos sorridentes, radiantes e pouco ligando para o que fossem falar sobre nós. Acho que é assim que deveríamos continuar. Eu não me ofendi com nada.

 Um exemplo interessante do “ligar o foda-se e ser feliz” é o site Papo de Gordo. Eles não ficam levantando uma bandeira da militância gorda. Para eles, ser gordo é um fato e o site serve apenas para mostrar como conviver com isso. Mas não escondem os contras de se estar acima do peso. Eles assumem os riscos e as delícias de serem como são. Os garotos fazem um PODCAST em que transformam a própria gordura em motivo de piada. Eles dividem matérias sobre moda, comportamento, saúde e não ficam polemizando ou se sentindo perseguidos por causa de brincadeiras.

Há muito gordinho por aí que se vitimiza mas é tão preconceituoso quantos os outros seres magros terrenos. A própria Preta Gil, que muitas vezes se disse vítima de perseguições da mídia por estar acima do peso, cansou de divulgar comentários ofensivos no twitter, por exemplo, à participantes de reality show que eram diferentes dela.

Tem vezes que não aguento entrar em alguns blogs por aí. Há gente que ataca gordo que emagrece, gordo que opera o estômoga, gordo que namora magro, gorda que não é tão gorda, programa que faz matéria com gordos, etc… Estamos cada dia mais intolerantes.

Acho que chegou a hora de começarmos a levar a vida numa boa.

p.s: antes que a rádio fofoca comece a correr, esclareço que este texto não é um ataque à Fabiana. Postei o link para o texto dela porque somos amigas e conseguimos debater de forma civilizada sobre qualquer assunto.

30 Comentários

Arquivado em comportamento, TV

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Potencializador de Sombra e Primer Caseiros

Por Dani Lima

Muito se fala sobre maquiagens mais resistentes, sombras mais pigmentadas, batons e rímeis de longa duração e mais um monte de lançamentos que prometem segurar sua make na máxima potência da dignidade por toda uma festa, balada ou happy hour! Mas como muito produto tem uma embalagem que promete, mas um conteúdo que não cumpre, os primers e potencializadores de sombra  ganharam vez em nossas necessáries, desafiando suor, tempo, póros teimosos e maquiagem barata! haha

Mas, por mais que as empresas trabalhem a idéia de uma  embalagem econômica ou um produto “que renda”, eles custam caro. Vai da possibilidade e vontade de investimento de cada uma.

Alors, para as mocinhas que estão com o seu exemplar no fim e ainda não encomendaram o próximo na revistinha da Avon (oi, Magix haha), estão com medo de ter que entrar na Contém 1g pra comprar um novo ou simplesmente nunca compraram porque sempre foi um produto caro e o julgavam não necessário (que é diferente de ser desnecessário haha), o mundo não vai acabar e a maquiagem de vocês não vai cair! =) Existem uma forma de segurar o make “na disciplina” e é uma forma baratinha 😉

Você vai precisar de:

  • Silicone ou Serum para cabelo

Eu utilizei o LISS – Serum Capilar Gravidade, da Yenzah

E isso funciona mesmo?

Passe um pouquinho (bem pouquinho) na sua pálpebra móvel e logo após aplicar a sombra, vai perceber a pigmentação e fixação ótima que ele vai proporcionar. Faz um teste na mão mesmo, como eu fiz! Olha só:

É notório como a sombra fica mais forte e mais bonita com o pontecializador caseiro!

 E pra testar se ele seguraria a maquiagem depois daquela balada suada com a máxima batida de cabelo…

Escolhi duas sombras da LuiSance, que tem uma fixação mais fraca, e percebemos que, dependendo da intensidade da cor, mesmo literalmente debaixo d’agua, o silicone segura! A sombra salmão ficou bem apagadinha, embora sem o silicone, ela sumiria por completo! Mas a azul durou como se fizesse parte da minha pele! rs

Mas porque funciona?

Boa parte dos silicones e seruns a base de silicone que compramos pra aparar os fios rebeldes de nossa cabeleira tem em sua fórmula cyclomethicone e dimethicone como componentes principais, e vejam só… são justamente os componentes que existem em vários dos primers mais carinhos que vemos por aí!

E como passar o silicone? Quanto utilizar?

É importante passar bem pouquinho, porque o silicone é pegajoso e em grande quantidade, pode acumular e estragar o make! Mas se usado na quantidade correta, é absorvido pela pele. Veja só:

E o melhor…

Além de pontecializador, ele serve também como primer facial, já que as substâncias afirmam que ele será absorvido pela pele, deixando-a com aspecto sedoso, mas ao mesmo tempo, segurando e matificando a base e o pó que você for colocar no rosto, prolongando o efeito do make e segurando a oleosidade!

Eu indico! =)

15 Comentários

Arquivado em Beleza, Maquiagem