Arquivo do mês: agosto 2013

Lembranças de um corpo magro

corpo magro

Por Renata Poskus Vaz

É muito difícil para uma mulher que nasceu magra e recebia na adolescência elogios por seu corpo enxuto, se acostumar com um corpo gordo e com todo o preconceito e dificuldades que cercam pessoas acima do peso. A mulher magra cresce associando magreza à beleza. Sente o gosto de ser desejada, amada e admirada. Na cabeça dela, todo esse prestígio e facilidades se devem unicamente ao seu corpo magro. Quanto mais magra, para ela, mais fácil para ser estilosa, para namorar, para ter amigos, para ser convidada para festas, para ter sucesso profissional… Sem magreza, para ela, não há beleza. Não há felicidade. Não há sucesso.

 Engordar, na cabeça dessa mulher, mais do que um aumento de peso, representa o fim de sua autoestima, de toda aquela satisfação que sentia por ser “bonita”. Engordar significa perder, fracassar.  O primeiro preconceito a ser enfrentado pela ex-magra é o que ela sente por si mesma. Lutar contra a própria vaidade é muito mais difícil do que lidar com o novo corpo de medidas generosas. Convencer-se de que é possível ser feliz acima do peso, ser linda, admirada, amada, ter sucesso profissional é a segunda e mais difícil etapa da fase pós-magreza. A primeira, claro, é a negação inicial acompanhada das tentativas desesperadas de emagrecimento com dietas malucas que colocam a própria saúde em risco.

Levam-se anos para que a ex-magra finalmente desista de tentar emagrecer e reconquistar o corpo magro do passado e, só então, descubra suas verdadeiras potencialidades: seu charme, sua inteligência, atrativos que vão muito além da forma física. Engordar, embora represente um descontrole físico, metabólico e até psíquico, não deixa de ser uma forma dessa mulher equilibrar a própria vaidade e se conhecer de verdade.

Mesmo sabendo que conscientemente ninguém queira e nem precise engordar para descobrir seu verdadeiro “eu” é inegável que as ex-magras aprendem com o novo corpo e os desafios de se estar acima do peso, novas formas de se destacarem.

Nesse aspecto, as “gordas de nascença”, aquelas que desde pequeninas já eram robustas e cresceram engordando, são excelentes exemplos. Óbvio que não podemos generalizar, que existem magras sem autoestima e gordas que sempre foram gordas e que nunca se amaram. Porém, a grande maioria, talvez até por não ter vivido uma existência magra, encara a vida de forma mais bem-humorada, conscientes da beleza singular de seus corpos, felizes, bem-resolvidas.

Falo com experiência de causa. Sou uma ex-magra que fazia muito sucesso com os rapazes e amigos com minha antiga silhueta magra. Porém, só descobri minhas reais potencialidades e verdadeira felicidade com o sobrepeso e tendo como exemplo minhas amigas mais gordinhas. 

Ser feliz e realizada sem o corpo magro do passado é perfeitamente possível.

15 Comentários

Arquivado em comportamento

New York Fashion Week terá pela primeira vez desfile plus size

Extraído na íntegra da Caras online

A semana de moda de Nova York terá pela primeira vez um desfile da linha plus size. A grife Cabiria foi escolhida pelo Fashion Law Institute para integrar o line-up da New York Fashion Week edição Verão 2014, que começa no dia 4 de setembro.

Eden Miller, a estilista por trás da marca, conta que está incrivelmente animada e, ao mesmo tempo, sentindo a pressão de estrear o segmento no calendário de moda internacional. “Estou muito feliz. Eles gostaram do meu trabalho, não importando se ele era para mulheres maiores, mas isso fez de mim a primeira a desfilar uma coleção plus size no Mercedes-Benz Fashion Week e isso é incrível!”, comemorou em entrevista ao site Fashionista.

looks 2

“Mesmo existindo muitas peças de grande qualidade no mercado, nunca foram mostradas numa semana de moda convencional. Então há uma certa pressão para mostrar que ainda é alta moda”, justifica, ansiosa.

Miller promete levar para a passarela peças leves e coloridas em tamanho GG. Segundo ela, a repercussão entre os clientes foi grande. “Eles estão animados por mim. Eu acho que eles também estão boquiabertos”, disse. E o que ela espera para o futuro da moda plus size com a estreia? “Eu particularmente espero que essa não seja a única edição. Também espero que seja um desfile lindo. Vou ficar muito feliz com a cobertura da imprensa, mas realmente espero que seja visto apenas como mais um desfile da semana de moda”.

looks 1

Eden Miller trabalhou mais de 20 anos como figurinista até criar a Cabiria em 2012, a parti de sua própria frustração em encontrar boas roupas em tamanho plus size. Ela escolheu o nome após assistir ao filme Nights of Cabiria, de Federico Fellini, em que a atriz Franca Marzi interpretava Wanda, uma mulher com formas avantajadas.

2 Comentários

Arquivado em Moda e estilo

La Moda Lidi: roupas de tecido plano para quem usa até manequim 60

Por Renata Poskus Vaz

Olá, mulherões! Hoje estou muito, muito feliz porque vou mostrar para vocês a coleção da La Moda Lidi, que acabou de sair do forno e que me deixou MUITO feliz. Está curiosa para saber o porquê?

1) Eu fiz a produção dos looks do catálogo!

Ahhhh, produzir um catálogo dá um baita orgulho. Ainda mais quando a modelo é tão linda e famosa, assim como a Cléo Fernandes. Mas um trabalho bonito como esse tem uma grande equipe por trás, não dá para fazer sozinha! Assinei a produção com Marcelo Ultraa. A maquiadora foi a Pam Archanjo. Já as fotos e o video do making off são da dupla Magdiel e Adriana Libini. Dá uma espiadinha no making off (acho que eu nem apareço no vídeo, mas se eu aparecer, por favor, ignorem a cara de acabada)…

2) Roupas de tecido plano

Nada contra as malharias. Tenho muitas roupinhas de malha, mas acho super justo que tenhamos a opção de comprar roupas em tecido plano também. La Moda Lidi só faz roupas em tecido plano. A desvantagem é que elas custam bem mais que as roupas de malha e a vantagem é que duram muito mais e podem ser usadas no dia a dia e também em ocasiões especiais, pois tem caimento, qualidade e apresentação bem superior.

3) Roupas até manequim 60

A maioria dos modelos da La Moda Lidi vai do 44 ao generoso 60. Grande parte das confecções da região do Brás, em São Paulo, fabricam apenas até o miúdo 52. Uma grande conquista para quem usa manequins maiores. Seria excelente que mais grifes seguissem o exemplo da La Moda Lidi e ampliassem suas grades.

4) A coleção está à venda na Loja Mulherão

Como se trata da coleção de Primavera Verão da La Moda Lidi, nem todos os produtos já estão à venda. Mesmo assim, já temos em nossa loja, cerca de 10 produtos lindos para vocês comprarem. Se tiverem dúvidas, por favor, nos contatem: contato@lojamulherao.com.br

Agora, vamos aos looks:

moda plus size 7

moda plus size 5

moda plus size 6

Moda plus size 2

moda plus size 1

Quer ver mais? Acesse: www.lojamulherao.com.br

6 Comentários

Arquivado em Loja Mulherão, Moda e estilo, Uncategorized

Amanhã, terça-feira, estaremos no programa Hoje em Dia

renata poskus_hoje em dia_record

1 comentário

26 de agosto de 2013 · 21:32

Carmella Cloo na Loja Mulherão

Por Renata Poskus Vaz

Meninas, estou colocando a Loja Mulherão em ordem! Os produtos de verão já estão chegando e, aos poucos, vou abastecendo a loja com novidades. Os primeiros lançamentos, que chegaram esta semana, são os looks da Carmella Cloo. São apenas 2 peças por modelo em nosso estoque. Por isso, caso você coloque a peça em seu carrinho de compras e não efetive a compra em 1 dia, vamos retorná-la para que outra pessoa possa comprar.

Qualquer dúvida, entre em contato no: contato@lojamulherao.com.br ou pelo telefone: (11) 96303-9700

Carmella 3

Carmela 2

carmella 1 (2)

www.lojamulherao.com.br

2 Comentários

Arquivado em Loja Mulherão, Moda e estilo

“Consiga mais encontros do que sua amiga magra”

magra

Por Cintia Rojo

Olá Mulherões,

Não acho (e nunca achei!) que eu vivia numa competição com minhas amigas magras para ter mais encontros, ser mais bonita, popular ou bem sucedida. Sempre olhei para o meu bem-estar, acima de tudo, e confesso que eu me sentia tão bem comigo mesma que negligenciava minha aparência.  Já houve uma época em que a chefe me chamava de canto e perguntava: “puxa, Cíntia, não podia ter passado um batonzinho?”. Era um erro.

Kat Bacon, uma linda e loira escritora americana, lançou o livro “Get More Dates Than Your Skinny Friends” (algo como “Consiga Mais Encontros Que Suas Amigas Magras”). Na verdade, o livro propõe mais uma reflexão sobre auto-confiança do que sobre encontro, propriamente dito. Kat diz – e eu concordo: “pessoas confiantes são sedutoras; se você pensa que sua aparência está ótima, os outros estarão inclinados a pensar o mesmo”. Se você está feliz e  sorridente, transparece que está acessível e isso encoraja os homens a começarem uma conversa, um convite, uma amizade ou um relacionamento.

Outra coisa: você está esperando o Príncipe Encantado bater à sua porta? Esqueça! Saia da sua zona de conforto – e de casa! Kat diz que qualquer hora é uma boa hora para conhecer alguém e que homens bacanas podem estar mais perto do que imaginamos. Só precisamos estar atentas (e bonitas). Não vá de qualquer jeito; arrume-se, de um jeito apropriado ao lugar e à situação. Nesse ponto, particularmente, gosto do jeito das francesas se vestirem, ou seja, estar arrumada sem deixar de ser natural.

Em resumo, Kat quer dizer: facilite as coisas para o rapaz! E se você quer saber mais sobre a Kat, nesse link do Today.com está um trecho do livro e uma entrevista com a autora (em inglês).

Besos!

1 comentário

Arquivado em Literatura

“Viado, fofoqueiro, gordo, feio, nojento”

Por Renata Poskus Vaz

“Viado, fofoqueiro, gordo, feio, nojento”. Essa agressão partiu de Paulo Nunes, ex-jogador de futebol que integrou grandes clubes como Flamengo e Corinthias, ao apresentador de televisão Gominho no reality show A Fazenda.

Ok, sei que muitas de vocês, leitoras queridas, não tem tempo para assistir ou simplesmente abominam reality shows. Então, por favor, não analisem a atração, mas a ofensa proferida por Paulo Nunes, que aconteceu em um programa de TV, mas poderia ter acontecido com qualquer uma de nós, em nosso dia a dia. Quantas de nós já não foi chamada de gorda, nojenta, feia etc, até mesmo por familiares ou amigos? Quantas humilhações desta natureza já sofremos? Coloquem-se no lugar do cara que tá lá, na TV, recebendo essas ofensas na frente de milhões de pessoas.

Quem é Gominho?

 Gominho é um repórter e apresentador de TV que ficou conhecido na blogosfera com suas postagens no Twitter. Fã de Preta Gil e Ivete Sangalo, o gordinho atraiu a atenção de muitos famosos e conquistou uma legião de seguidores. Em pouco tempo foi chamado para apresentar um programa de fofocas na Band, o Muito +, ao lado de Adriane Galisteu.

Sim, o programa era de fofocas, mas Gominho é fofoqueiro que nem a gente, fofoqueiro do bem. rsrsr

Gominho 2

Em uma ocasião, após relatar uma suposta briga entre as apresentadoras de TV Chris Flores e Ana Hickmann, Gominho foi chamado pelo marido de Ana Hickmann de “chupeta de baleia”. Embora tenha feito graça e tentado transparecer que não é nada demais ser chamado desta forma, sei que Gominho deve sim ter se ofendido. Imagine um negro ser chamado de “chupeta de macaco”… Ia dar cadeia para o ofensor, na certa. E posso garantir, nada do que disse Gominho justificava essa ofensa, já que ele apenas relatou algo que os grandes jornais e portais já haviam publicado.

Com o fim do programa Muito +, Gominho participou do Pânico na Band e ganhou um programa na rádio Band e aceitou essa participação na A Fazenda.

Embora ainda um tanto quanto desconhecido pelas grandes massas, Gominho é uma figura simpática, carismática. Gay assumido, bem-resolvido e super querido por sua família, que lida super bem com sua condição sexual.

Sei desses babados porque perguntei para a assessoria de imprensa. Rsrsr

Gominho

Gominho bebê

Assim como algumas de nós, ele nasceu gordo, com 4,5Kg e não sabe o que é ser magro. Gominho é negro e exibe a cabeleira armada e crespa sem medo de ser feliz.

É uma referência em moda. Com dificuldade em encontrar roupas, sua mãe elaborava para o filho túnicas diferentes, com uma pitada afro-brasileira. Hoje, estilistas famosos como Dudu Bertholini e também as lojas Mescla de Salvador, vestem Gominho.

Ele não quer e não tenta passar despercebido. Tem orgulho de ser quem é: fofoqueiro do bem, gay, negro e gordo.

Gominho 3

As ofensas

No reality A Fazenda, exibido pela Record, após dias e mais dias de bom relacionamento com seus companheiros de confinamento, Gominho falou sobre Paulo Nunes. Nada que ofendesse sua honra, mas comentários de jogo. Um outro participante, por sua vez, repassou os comentários para Paulo Nunes que, nervoso, repetiu seu mantra da ofensa: “Viado, fofoqueiro, gordo, feio, nojento”.

Não vou entrar no mérito da beleza duvidosa de Paulo Nunes, que nos anos 90 era apelidado de “Chuck” por sua semelhança com o personagem dos filmes “Brinquedo Assassino”, mas o pré-conceito com que ele tratou Gominho.

paulo nunes

O hétero, santo, magro, lindo e limpo Paulo Nunes #sóquenão

Gordofobia

Essas gordofobias mexem demais comigo.  Posso estar exagerando… Já falei que ultimamente pareço uma tia velha, toda emotiva… Mas dói. Quem já sofreu, quem já foi ofendido por ser gordo num grupo magro, sabe do que estou falando. Dói, porque é algo que não dá para você consertar. Não dá para alguém te xingar de gordo e no outro dia você emagrecer num passe de mágicas para não ser mais ofendido. Aliás, é algo que não precisa ser consertado…  Pessoas tem que mudar atitudes equivocadas e comportamentos inapropriados para conviverem bem em sociedade. Jamais mudar o peso e a orientação sexual para agradar os outros.

Fico chateada. Somos muitos Gominhos. Mas infelizmente existem muitos Paulos Nunes por aí também.

35 Comentários

Arquivado em Uncategorized