Arquivo da categoria: comportamento

Entre quatro paredes um fofo, na praia finge que não te conhece…

Por Renata Poskus Vaz

Uma querida leitora me escreveu o seguinte desabafo:

Meu namorado se afasta de mim diante dos amigos dele. Na praia, ele se senta distante. Não posso sentar no meio da perna dele, ou então, ficar bem pertinho, porque ele tem chilique. Quando tento me aproximar, ele diz que está com calor e pede para eu sair de perto. Não somos um casal normal que fica junto, que vai pro mar junto. No mar, ele vai pro fundo pra eu não ir atrás dele, sabendo que tenho medo. Ou então entra com os amigos, enquanto fico na areia sozinha, como uma baleia encalhada. Ele só se aproxima de mim quando estamos sozinhos, entre quatro paredes.
A história descrita acima é um caso real e também já aconteceu comigo e com uma porção de amigas gordas. O cara te ama, principalmente no inverno (porque todo mundo fica gordo, lindo e simpático de sobretudo). Mas e no verão? E na praia? O amor desaparece e o cara finge que você é a prima gorda da vizinha, da tia, da amiga.
Recordo-me de um namorado que, na praia, em uma viagem repleta de amigos, inventou uma situação, uma briga. Coincidentemente, após eu tirar minha saída de praia, ele mudou o semblante, ficou emburrado. Eu ia atrás dele no mar e ele no fundo, fugindo de mim. Quando eu deitava ao lado dele na areia, ele se levantava. Eu ficava igual uma barata tonta. E o biquíni lá, enfiando na bunda. E o namorado me desprezando. E o biquíni enfiando na bunda. Não sabia se lutava para entender o que estava acontecendo com o namorado ou para resgatar o tal biquíni das profundezas do meu derrier. Senti-me tão desprezada… E envergonhada e humilhada diante dos amigos que presenciavam aquela cena.
Passados 500 anos do fato, relembrei-o sobre isso. De acordo com o meu ex-ex-ex namorado e atual amigo, isso era coisa da minha cabeça. Segundo ele, estava bravo porque eu disse que o salva-vidas da praia era gato. kkk
Ou seja, sendo ou não verdade a história do salva-vidas, o que custa para eles um elogio? Um carinho? Praia para algumas gordinhas é um território hostil. Se não estamos seguras com nosso corpo, qualquer afastamento pode sim ser mal interpretado e virar um monstro em nossas mentes.
Bom, voltando ao depoimento da leitora acima, pode ser que ela interprete de forma distorcida as atitudes do namorado, que talvez seja um cavalo indelicado de nascença (desses que só sabe fazer carinho na cama e olhe lá), nada tendo o comportamento dele a ver com o peso dela. Ou então, (e esta é a hipótese mais provável) ele realmente é um moleque que tem vergonha de assumir a namorada gordinha para os amigos.
Em ambos os casos, mais fácil do que fazer com que o namorado mude o comportamento, é trocá-lo por um namorado novo ou simplesmente ficar sozinha e feliz. Aproveite! É verão, época de festas e viagens de fim de ano. Não há momento melhor para dar um pé na bunda de alguém que não te trata bem.

7 Comentários

Arquivado em comportamento, Relacionamento

Como disfarçar pepeca gorda

pepeca gordaMonte de vênus proeminente à esq. Ambos são normais.

Por Renata Poskus Vaz

Algumas de vocês podem até achar inapropriado ou constrangedor esse assunto. Acontece que eu recebo muitos e-mails de mulheres acima do peso pedindo dicas de como disfarçar o monte de vênus volumoso. Algumas se dizem envergonhadas e incomodadas com a protuberância nessa região.

Mas afinal, você sabe o que é Monte de Vênus?

Monte de vênus é a parte superior da vulva, coberta de pêlos pubianos e que cobre o osso de mesmo nome. Localiza-se abaixo do abdome e acima do prepúcio clitoriano. O Monte de Vênus é sensível em algumas mulheres e, por ser constituído de gordura, protege o osso pubiano, diminuindo o impacto durante a relação sexual. Copiei daqui, ó.

Monte de Vênus também é chamado vulgarmente de capô de fusca.

Enfim, quando escuto das mulheres essa vergonha e necessidade de disfarçar ou esconder a pepeca, fico um pouco chateada. Acho que nós não temos que ter vergonha de ter uma pepeca gordinha, volumosa. Ela, inclusive, não é privilégio das gordas. Muitas magras tem a pepeca gorda.

Os homens não tem vergonha dos seus volumes. Não que eu saia por aí reparando nos pipis alheios, mas alguns homens guardam o dito cujo para um lado, outros para o outro. E ninguém se preocupa em esconder este volume por baixo da roupa. Nós, mulheres, também não deveríamos nos envergonhar e querer disfarçar algo que é natural, normal e comum a todas nós.

Além do mais, como pudemos verificar na descrição acima, essa gordurinha da parte superior da pepeca serve para diminuir o impacto durante a relação sexual. Ou seja, se formos olhar por essa ótica, aguentamos muito mais o tranco do que as magrinhas. Isso deveria ser encarado como uma vantagem e não como um defeito.

Ok, mas eu entendo o que isso pode lhe causar. Então dou algumas dicas para você disfarçar a sua pepeca gorda até começar a amá-la como deveria, ok?

na praia plus size 1

Biquínis Cachopa

Não vou colocar aqui biquinis com sainhas ou saídas de praia como opção, pois é óbvio que eles disfarçam qualquer coisa e a proposta aqui é que você aproveite o verão plenamente, sem esconder seu corpo. Uma dica para dar aquela disfarçada no Monte de Vênus gordinho é Investir em biquínis estampados, de preferência com fundo escuro. Ou então, investir em biquínis como esses da foto acima, com uma faixa drapeadinha na cintura baixa. Se reparar, a faixa tanto disfarça aquela barriga estilo aventalzinho, como também parte do monte de Vênus.

para passear

Vestidos Xica Vaidosa

Para passear você pode escolher uma vestido ou saia em A, que é essa evasê, abertinha. Vestidos muito grudados revelam mais nossos volumes, então se a sua intenção é não revelar sua pepeca gorda, não use vestidos tubinhos e nem saias lápis. A estampa também é aliada nos vestidos, principalmente essa com algumas nuances escuras. Cuidado ao escolher uma estampa para o desenho mais chamativo não ficar posicionado justamente no local que você deseja disfarçar, pois neste caso ela aumentará visualmente a região. Outra opção bacana são as saias-short, em que você esconde a pepeca e revela os contornos do bumbum.

Para trabalhar, escolha vestidos e saias como os descritos acima e também calças de tecido plano encorpado. Use seu tamanho, nada de roupa apertada, que evidencia o monte de vênus.

***

Um amigo meu, fotógrafo muito famoso que trabalha para revistas como VIP e Sexy, cansado de fotografar pepecas de todos os tipos, uma vez me disse que uma tática para mulheres aparentarem ter um monte de vênus menor é não depilar a pepeca toda. Quando você tira todo o pelo do monte de vênus, ele parece maior. (só não pergunte como eu e meu amigo chegamos neste papo..kkkk)

***

Outra solução para a pepeca gorda são as cirurgias de lipoaspiração na região. Há quem também se incomode com o tamanho, cor e aparência da vagina como um todo. Pesquisando sobre o assunto, encontrei um blog muito bacana chamado ELA MAIS LINDA, lá as mulheres contam sobre suas experiências com a cirurgia íntima. Muitas enviam fotos do antes e depois. E há também aquelas que, como eu, amam suas pepecas gordinhas e tortinhas como são e também enviam fotos para o blog (minha pepeca não tá lá não!rsrs). Pra espiar, clique aqui.

***

Ame sua pepeca! ❤ ❤ ❤

66 Comentários

Arquivado em comportamento, Moda Praia, Moda Verão, Sexo

A gorda que não “compensa” e é feliz assim!

Por Renata Poskus Vaz

Quando alguém gosta de você, gosta de você completa. Não gosta só da sua bunda, ou só do seu sorriso, ou só das suas formas. Você não é fragmentada, é um conjunto de qualidades que vão muito além das físicas e que te fazem especial, única.

Quando alguém te enxerga em partes, como um objeto, inevitavelmente procurará defeitos. Quando o seu corpo é encarado desta forma, como defeito, se torna uma espécie de empecilho a ser revelado por essa pessoa que acha (ou finge) que gosta de você. Ela só revela seu peso, se você lhe trouxer compensações.

* Ah, ela é gorda, mas convida ela para a festa pra ajudar a limpar o salão.

* Cara, tô pegando a gordinha. Ela faz tudo o que eu quero na cama, não sabe dizer não.

* Tudo bem, eu fico com você, mas não fala para os meus amigos.

* Bota a gordinha para trabalhar no feriado, ela não reclama de nada.

É aí que você, se não for ainda detentora de segurança e amor próprio, se esforçará para compensar seu corpo gordo e agradar aos outros.

Você não precisa compensar nada! Seu corpo é apenas seu corpo, não te faz inferior a ninguém. Não precisa se esforçar para ser legal, muito menos para ser aceita. Não precisa ficar com o primeiro cara babaca que aparecer na sua frente, só porque acham que gorda não pode ser seletiva.

Se quiser ficar por ficar, fazer sexo sem compromisso, vai fazer apenas o que quiser e com quem quiser. Vai dizer não quando quiser dizer, sem medo de ser ofendida. E se for ofendida, vai ligar o foda-se e voltar para casa de cabeça erguida. Espero que você não precise, mas  lembre-se sempre que nosso País tem leis que enquadram certinho esse tipo de cara.

Você não precisa desculpar piadas de mal gosto, ofensas e discriminações. Não precisa forcar o riso. Muito menos ficar com vergonha de comer na frente dos outros.

Você não precisa ser a amiga que não sabe dizer não, que faz tudo para todo mundo, que escuta, é prestativa, mas não recebe nenhuma atenção ou consideração em troca.

Eu sei que é difícil e o medo de ficar sozinha é tão grande que pode te desencorajar, muitas vezes, a deixar de se comportar como a mulher que é gorda, mas compensa.

Neste mundão está repleto de pessoas dispostas a serem suas amigas de verdade, colegas de trabalho respeitosos, ou ainda loucos para se apaixonarem por alguém como você. Alguém completa, com qualidades, com alma, coração e não só peso. Mas, antes, você precisa se libertar deste tipo de gente preconceituosa que só convive com você por achar que traria algum tipo de compensação. Gente que, cá entre nós, é que não compensa sua amizade.

11 Comentários

Arquivado em comportamento, Uncategorized

O dia em que a eleição mostrou que somos mulherzinhas

Por Renata Poskus Vaz

Durante as eleições não viemos aqui defender Dilma, Aécio ou quem quer que seja. Não nos omitimos por aqui ser um blog de moda e comportamento, mas porque acreditávamos que essa decisão teria que ser sua, apenas sua. Teríamos que nos alongar para defender nossas escolhas. Faltaria tempo, faltaria espaço.

Em meu perfil pessoal do Facebook e do Instagram externei meu voto. Aécio, 45. Perdi uns 5 amigos de infância, mais meia dúzia de leitoras gordinhas que me acompanharam por lá. Sem cerimônia alguma as pessoas entravam na minha timeline para me ofender ou confrontar. Há quem defenda essa atitude como democracia. Já não penso assim. Internet é uma extensão da nossa vida, e os perfis pessoais, embora com centenas de amigos, é uma extensão da nossa casa. Se sou Corinthiana e estendo uma bandeira do meu time na sacada, espero que minha residencia não seja invadida por Palmeirenses querendo me convencer a torcer para o time deles, muito menos me xingando, ofendendo e me depreciando por minha escolha.

Da mesma forma, durante toda a campanha não entrei no perfil pessoal de ninguém para debater, criticar ou o que quer que seja. E esperava ser tratada com a mesma educação e respeito, o que não ocorreu. Vi muita gente se revelando com uma pequenez de caráter sem tamanho, agredindo amigos sem pensar que, amanhã, estarão todos juntos,  trabalhando, estudando, se divertindo, levando suas vidas como sempre.

Mas, o que mais me chocou foi a onda de agressões aos nordestinos. Sinceramente, não esperava isso de mulheres gordas, que se dizem perseguidas por conta do peso. Na cabeça delas, ser chamada de gorda é um crime, mas desmerecer pessoas por conta de sua origem não. Sou contra também qualquer conversa separatista, isso me lembra o muro de Berlim, não é mesmo?

Mulherões agregam, somam, mudam para melhor. Nunca para pior!

Confesso que estou com medo sim do resultado dessas eleições. Eu tinha uma sede por mudança e, ao meu ver (HEY, AO MEU VER, REITERO: AO MEU VER!!!) isso viria com alternância de poder. Mas já que é o que tem para hoje, vamos seguir em paz, orar por um Brasil mais justo e próspero para todos nós.

🙂

6 Comentários

Arquivado em comportamento

Experimento explora rejeição que pessoas acima do peso sofrem

Por Renata Poskus Vaz

Outro dia eu contei aqui no Blog Mulherão como funciona o Tinder, um aplicativo do celular para conhecer pessoas, paquerar etc. O site Catraca Livremostrou uma experiência do Simple Pickup envolvendo o Tinder, para mostrar como a aparência é importante nas redes sociais.

Nessa experiência, eles pegaram modelos que tinham perfil no Tinder e os transformaram com maquiagem e enchimento para parecerem bem mais gordos. Ou seja, a pessoa ia ao encontro pensando que encontraria um homem ou uma mulher com corpo escultural, mas chegando lá encontrava um gordinho (a).

gorda 1

gorda 3

A maioria dos homens que encontraram pessoalmente a gordinha, inventaram desculpas para ir embora. Alguns diziam que eram casados e outros saiam para ir ao banheiro e desapareciam. Já as mulheres que conheciam o gordinho foram mais atenciosas, educadas e ele ganhou até mesmo um beijinho.

Os organizadores do experimento, ao elaborarem a ideia, relataram que: “o maior medo de uma mulher ao participar de aplicativos online de encontros é que ela vá se encontrar com um serial killer. O maior medo dos homens é que a mulher seja gorda”.

gordo 2

gorda 4

Na minha opinião, a gente nunca tem que mentir como é fisicamente. Postar uma foto de 10 anos atrás, magra, não deixa de ser uma forma de iludir quem está conversando com você. Para mim, está no mesmo nível de um cara dizer que é solteiro, mas na verdade ser casado. Ao postar uma foto magra, você ficará refém da internet, nunca poderá encontrar o cara pessoalmente. E se encontrar corre o risco de levar um baita fora. Assuma-se. Como já disse e não canso de repetir, tá cheio de cara por aí querendo uma gordinha linda.

Não consigo ter raiva dos caras do experimento que desdenharam a gordinha, pois se um cara fizesse isso comigo, mentisse uma característica física etc, eu também pularia fora. Não pelo físico em si, mas pela mentira. Quem mente uma vez, mente sempre.

A pesquisa é interessante, mas ao meu ver, foi tendenciosa. A modelo de corpo escultural marcou encontro apenas com caras sarados, jovens etc. Qual seria a reação de um cara normal, um gordinho etc ao vê-la diferente das fotos do Tinder? Será que um cara que era magro e engordou não toleraria o fato da gordinha ter omitido que engordou e que não tem mais aquela silhueta da foto?

E vocês, o que acham?

Vejam os videos:

6 Comentários

Arquivado em comportamento

Gorda que se ama faz dieta?

Por Renata Poskus Vaz

Lembre-se:  antes de ser gorda,  você é  uma mulher bem resolvida. E ser bem resolvida independe do seu peso. Amor próprio não está condicionado a um corpo imutável. Se você tem personalidade bem definida, caráter e autoestima, emagrecer ou engordar não te fará uma mulher mal resolvida. Os motivos que te levam a engordar e emagrecer sim, podem representar a falta de amor próprio. Emagrecer para ter mais saúde ou mais disposição é uma coisa, emagrecer para agradar alguém que não você mesma, é outra.

Nós envelhecemos e aprendemos a manter nosso amor  próprio mesmo com as rugas que o tempo nos traz. O tempo passa, o corpo muda, e o amor próprio continua lá. Podemos também mudar o cabelo,  pintá-lo, cortá-lo,  alisá-lo ou enrolá-lo e todas essas mudanças não são sinônimo de insatisfação pessoal, é apenas desejo de variar e se reinventar, sem perder sua essência. Com nosso peso é a mesma coisa.

“Se você se gosta gorda, por qual motivo quer emagrecer?”,  irão te perguntar. E você, se quiser, nem precisa responder. Afinal, se o dono da pergunta se amasse de verdade não estaria tomando conta da sua vida. Neste caso, vale a pena perder seu tempo e responder para alguém que nada entende de amor próprio?

7 Comentários

Arquivado em comportamento

Ser gorda me fez mais sensual

renata poskus lingerie 2

Por Renata Poskus Vaz

Tem mulher que praticamente já nasce sensual. Eu não sou uma dessas. Cresci como uma garota magra e entrei na primeira fase adulta de minha vida com menos de 60 Kg. Alta, loira, magra, características que, modéstia à parte, muitas mulheres gostariam de ter. Menos eu. Eu era estranha, não curtia meu próprio corpo. Queria emagrecer, mudar, aumentar isso ou diminuir aquilo, em uma insatisfação comigo mesma que parecia não ter fim. Nessas, ser sensual parecia algo impossível. Pode ser que um ou outro me enxergasse sensual, mas eu não. Eu não me via assim. E ao não me ver assim, transmitia isso para as pessoas. Eu as repelia.

Engordei. No começo não queria. Lutei contra isso. Como podem ver, do alto dos meus quase 90 Kg, perdi a batalha. E nessa de aceitar a “derrota” e aprender a conviver com os quilos extras, fui redescobrindo um novo corpo e uma sensualidade que deliciosamente me transbordava.

Os quilos extras se alojaram nos lugares exatos:  maças do rosto mais salientes, seios fartos, um bumbum que não existia e finalmente resolveu aparecer.  As pernas ganharam contornos. Lá estava eu:  um mulherão! E ao me enxergar assim, despertei minha sensualidade. Eu me via bonita. E mulher bonita e bem-resolvida, independente do peso, é sensual.

Aprendi que o olhar, que não me emagrece e nem me engorda, é responsável pelo menos por 50% da nossa sensualidade. Uma mulher com olhar seguro se torna irresistível. Uma mulher que olha para si mesma com menos crítica e mais doçura, se torna mais sensual. A nossa sensualidade nos faz sorrir, conversar, observar, conquistar, sem esforço e sem medo. Mulher sensual se destaca. Mulher sensual nunca está sozinha.

Mulher sensual pode ter 50, 100 ou 150 Kg. É a sensualidade que conquista, não o corpo. O corpo é  apenas complemento.  😉

9 Comentários

Arquivado em comportamento