Arquivo da categoria: Para Refletir

Entendeu, ou quer que desenhe?

Por Keka Demétrio

Quando eu tiver um amor vou ser feliz. Cansei de ouvir amigas falando sobre isso, que o que falta na vida delas é um amor. Confesso que já passei por isto também, mas estou aprendendo que querer um amor é diferente de estar preparada para viver o amor.

Ah, o amor, esse ‘fogo que arde sem se ver’, que consome nossos dias e pensamentos, nos paralisa e nos faz esquecer que a vida é feito uma colcha de retalhos que vamos tecendo ao longo do tempo.

Quando creditamos nossa felicidade ao fato de termos um cobertor de orelha ou não, estamos deixando passar todas as outras coisas que poderiam ser material para tecermos a vida com entusiasmo, fé, alegria, riso, e amor. Quem só deseja ter um homem ao seu lado não está preparado para tê-lo. É preciso antes saber saborear da sua própria companhia, não sentir-se intimidada a sentar-se em um restaurante sozinha, beber seu vinho, comer seu prato preferido e pagar a conta. E digo intimidada porque infelizmente ainda nos dias de hoje algumas pessoas vêem mulheres desacompanhadas nos restaurantes com um certo pré conceito.

Mas agora me fala, quantas pessoas você ouviu dizer com os olhos brilhando que está perdidamente apaixonada nos últimos meses? Ok, nos últimos dois anos? É, eu também não me lembro de nenhuma, a única coisa que me vem à memória é a mulherada dizendo que quer um amor, que falta um amor, e eu queria muito saber o que elas tem feito para que sejam merecedoras desse amor, ou se não estão idealizando demais. Ai lá vem a ladainha: é, sabemos que príncipes encantados não existem, e por isto estamos esperando o sapo sem a ilusão de que quando os beijar se transformarão.

Gente, mas perae, príncipes existem, sim! Ou acha que só você é perfeita, a mulher que todo homem deveria ter ao lado, e que não entende porque está solteira? Tem mesmo a pretensão de que só você pode ser a princesa da vida de alguém? Se você tem inúmeros defeitos, seu príncipe também deverá ter. Imagina alguém perfeito e imagine que tédio seria! Tudo seria previsível, tudo seria metodicamente calculado e pensado e gente assim é muito chata, porque a vida é feita de surpresas, de emoções descobertas no dia a dia. Se você pode ter defeitos, seu príncipe só não pode, como deve ter, porque se ele for perfeito ele não vai querer alguém imperfeito. Entendeu?

O que os tornam princesa e príncipe de verdade, é a forma como irão lidar com os defeitos um do outro. Se ambos forem perfeitos, não precisariam se relacionar, porque relacionamento é antes de tudo cumplicidade, entrega, desejo, paixão, compaixão, é saber falar e calar, chorar e sorrir, é caminhar no mesmo compasso para nenhum sentir-se à frente do outro, mas próximo o necessário para que as mãos não se soltem. Quem é perfeito não precisa de nada disso. Entendeu de novo?

Ao invés de ficar vendo o tempo passar esperando um amor, vá se preparar para recebê-lo, para ter capacidade de retribuir, porque como diz nosso amigo Neruda, “E desde então, sou porque tu és. E desde então és, sou e somos… E por amor Serei… Serás…Seremos…”

8 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Relacionamento

Vergonha

Por Keka Demétrio

Dizem que ser forte é saber demonstrar alegria quando não se sente, sorrir quando se quer chorar, calar quando se quer gritar. Pode ser, mas também dou a isso o nome de auto enganação. Procurar estar feliz é um exercício diário e constante, e assim como qualquer tipo de exercício, tem dias em que a gente tá com preguiça. Nesses dias, me dou o direito de estar triste, de chorar e de ficar quieta no meu cantinho. A tristeza ás vezes é uma forma que a alma tem de nos chamar a atenção para certas coisas que gritam por ajustes. Diferente do que todos pensam a quietude que nos toma quando estamos tristes, deve ser aproveitada para uma autoanálise profunda e já que está triste, aproveita e coloca pra fora, nem que sejam em forma de lágrimas, dores que vem pesando o coração. Isso faz bem.  Ao menos para mim faz.

Não sei porque pessoas tem vergonha de chorar, de assumirem estar tristes, de dizerem ter problemas, ninguém se torna menos por  assumir ser humano, por ter coragem de se desnudar diante da vida. Acho até que é através dessas atitudes que conseguimos tornar a nos vestir com uma roupagem mais adequada, mais condizente e límpida.

É, não dá para ser forte o tempo todo. Penso até que deve ser um tanto quanto estressante querer ser politicamente correto 48 horas por dia, tentando agradar a gregos e troianos, menos a si mesmo. Pior que tem gente que se acostuma tanto a essa mediocridade, que nem percebe que está cavando a própria sepultura, porque no fim, mesmo os hipócritas preferem pessoas dotadas de autenticidade.

Eu choro, fico triste, faço minhas terapias malucas, que dão super certo, deito no divã de DEUS e oro muito, e isso não me permite ficar lamentando. O lamento é um sentimento pesado, viciante, que nos afasta da alegria, do prazer de viver. Quem só lamenta torna-se persona non grata, e acho muito triste quando alguém se aproxima e as pessoas quando a veem ‘torcem o nariz’, porque uma das grandes dádivas da vida é ver o sorriso estampar o rosto das pessoas quando elas nos veem chegando.  Por isso, quando começo a perceber que estou perdendo o brilho dou logo um jeito de jogar purpurina na vida e me agarro na certeza de quer fui feita para brilhar.

Não tenho receio em dizer que teve dias em que chorei tanto que pensei que iria desidratar, assim como também não me constrange dizer que tenho meus dias de tristeza e solidão, quando às vezes me procuro e não me encontro em mim mesma.

Mas prefiro assim, ser livre para sentir amor e dor, porque ambos os sentimentos nos acrescentam, nos fazem crescer e oferecem todas as respostas que insistimos em buscar no outro, lá do lado de fora da gente. E vergonha teria que ter se eu não respeitasse o meu lado humano, esse lado cheio de falhas, passível de erros, mas ávido por aprender a acertar.

8 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Preconceito, Relacionamento

Gorda sim, por que não?

Por Keka Demétrio

Diante dessa avalanche de notícias, blog, sites, concursos e afins, posso dizer que a verdade é uma só: a maioria das mulheres estão afirmando que não se importam em estarem gordas, mas poucas são as que realmente se aceitam. Muitas ainda estão no caminho da autoaceitação e outras não se aceitam e nunca vão se aceitar. Fato. E mesmo se aceitando, ser ou estar gordo não é fácil para ninguém. Buscar a felicidade, e para isso ter que ir contra o que a maioria pensa ou determina, sempre foi motivo de sofrimento, porém, de crescimento e libertação.

A maioria das pessoas olha para quem está acima do peso com desdém, como se fossemos menos, como se capacidade fosse medida pela quantidade de quilos que possuímos. E isso arrasa qualquer pessoa. Embora os casos de obesidade possam ter diversos fatores, como genética, distúrbios físicos e emocionais, somos sempre vistos como quem está sempre cometendo o pecado da gula, desleixados e preguiçosos. Quer um exemplo claro? Quando numa festa ou restaurante uma mulher magra se levanta para se servir, ninguém nota o que ela colocou no prato, mas se for uma mulher gorda todo mundo fica reparando e diz: olha lá, por isto está gorda. E assim acontece em diversas outras áreas, somos observados sempre e na maioria das vezes para sermos criticados. Ou seja, de uma forma ou de outra incomodamos e as pessoas nos observam.

Acho tudo muito lindo quando vejo milhares de mulheres declarando se amarem. Tenho inúmeras leitoras, que me enchem de orgulho e alegria, porque muitas delas passaram a se cuidar através da leitura de alguns textos meus, onde, na verdade, eu estava querendo era chacoalhar a mim mesma. Por isso eu sei o quanto isso custa, quanta coragem é preciso para tirar essas palavras bonitas da boca e transformá-las em atitudes, em caminhos, em descobertas e estabelecer um novo modo de vida, enfrentando maledicência, estupidez de gente preconceituosa por alienação, porque não tem opinião própria e não sabe nem o que está dizendo.

Sabe aquele discurso que vivemos ouvindo sobre não precisar que ninguém nos aceite? Pois é, é mentira e nunca concordei com isso. O que sempre propus foi que antes de cobrarmos aceitação dos outros devemos nos aceitar primeiro. Poxa, vivemos em sociedade, e queremos sim que as pessoas nos aceitem, nos admirem, gostem da gente, e seria hipocrisia dizer que não se importa com isso. E sinto te informar que ninguém vai fazer isso antes que você mesmo se aceite, se admire e se goste.

Gosto não se discute e deve-se respeitar. Mas, só para citar como exemplo, alguns homens preferem estar ao lado de uma mulher magra e burra do que ao lado de uma mulher inteligente, descolada, culta, educada e gorda. E isso serve também para mulheres que preferem homens sarados e acéfalos, a estarem ao lado de homens inteligentes, que as valorizam e gordos. Sinto pena de gente assim, e quem for do sexo masculino e não quiser se aproximar de mim por causa do meu peso, por favor, não se aproxime mesmo, quero avisar que está me fazendo um grande favor, poupando-me e se poupando, porque minha preferência é por homens de verdade. E para aquelas que possuem ‘namorados’ que sentem vergonha de assumirem o ‘compromisso’, de as apresentarem para os amigos, digo para se valorizarem mais, porque se não, sempre terão como ‘companheiro’ alguém que pensa ser homem, mas que não passa de moleque.

Felicidade alheia incomoda, e se vier de uma gorda incomoda muito mais. Eu sei, eu sinto. No começo, quando essa onda de autoaceitação começou a crescer, percebia um monte de gente, diga-se mulheres, e alguns homens fúteis, me olhando de canto de olho como se eu fosse a maior das ridículas. Nestas horas, ao invés de marejar os olhos como acontecia anos atrás, eu dava um belo sorriso e fingia não notar, porque arma nenhuma é mais poderosa do que o desprezo, o ato de ignorar. Desta época para cá, comecei a fortalecer minhas idéias e percepções a respeito de mim e só eu sei quantas vezes dormi abraçada comigo mesma, como se a parte forte da Angélica quisesse acalentar e dar forças para a parte ainda doente e enfraquecida pelos anos de autoestima abaixo de zero.

Passei a focar no que eu queria ser, no que eu queria sentir, trabalhei meus pontos fracos e fortaleci o que sempre me evidenciou: minha alegria, meu sorriso e a minha sensibilidade. Pratico a terapia do Espelho, da Música e a Choroterapia, todas criadas por mim como forma de enfrentar a minhas fragilidades. Desenvolvi um trabalho mental de autoaceitação e amor próprio que excluiu da minha vida a vergonha de ser quem eu sempre fui: uma mulher gorda que tem todo o direito de ser e estar feliz, de buscar meu caminho, de lutar por meus sonhos e de não aceitar ser discriminada pelo tamanho do meu corpo. E de excluir da minha vida qualquer um que queira me fazer sentir menos do que sou.

Sou uma mulher acima do peso e sou feliz. Gosto de mim, aliás, me amo, exalo sensualidade, carisma, alegria de viver e não são poucas as pessoas que chegam perto de mim para dizer o quanto me admiram, e olha que tem muita magrinha corpinho de modelo fazendo isso. E homossexuais, também. Talvez porque eles sintam na pele o que é ser desrespeitado, humilhado e possam ver em mim uma mulher que tem tudo para ficar jogada dentro de casa vestida com uma roupa surrada, subir no salto, me jogar em meus vestidos, me maquiar, cuidar de mim e principalmente do meu sorriso. Encarando a vida sem medo do que os outros vão dizer, porque falar eles falam mesmo e minha energia é poderosa e abençoada demais para ser gasta me preocupando com esse tipo de coisa, prefiro investi-la no meu crescimento e aprimoramento intelectual e emocional.

Hoje, percebo que o que incomoda mais as pessoas não é o meu corpo roliço, mas a leveza da minha alma, o desprendimento que tenho em relação ao que prega o preconceito, e o amor próprio que faço questão de ressaltar. O incomodo que estas pessoas sentem é pela felicidade que tenho, e que elas, inconscientemente talvez nunca vão possuir, porque perdem tempo e energia demais em invejar o outro ao invés de ir atrás do que lhes é de direito, o direito de serem felizes. Não tenho um pingo de vergonha do que sou e de como estou, e por isso eu sempre digo: Sou gorda sim, e por que não?

72 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Preconceito

Opção ou escolha

Por Keka Demétrio

A vida sempre nos apresenta opções e junto com nossas escolhas são elas que determinam se vamos sorrir ou chorar, cair ou permanecer de pé, se vamos realizar ou não nossos sonhos, e até mesmo a forma como vamos evoluir como seres humanos. Para quase tudo na vida existe uma opção, mas o que não pode acontecer de jeito nenhum é você permitir se tornar uma opção na vida de alguém.

Você, eu, ninguém, absolutamente ninguém, deve ser apenas uma opção na vida de outrem. Todos nós merecemos amar e sermos amados, mas principalmente sermos respeitados em nossa individualidade e até mesmo em nossas fraquezas. Ao se permitir ser apenas uma opção, estará sendo um paliativo para tapar buracos emocionais existentes na vida do outro e, pior, abrindo feridas bastante doloridas em si mesmo.

Você não tem que estar sempre em primeiro lugar na lista de prioridades dele, mas tem que ter lugar cativo e preferencial. Sem essa de você ficar se iludindo, criando desculpas para o encontro que não aconteceu, para o fim de semana em que ele não apareceu, para o telefonema que ele não te deu. Quem gosta, quem se importa de verdade, não arruma desculpas, arruma tempo, dá um jeito. Eu sei que quando temos sentimentos de amor por alguém, não é fácil encarar a realidade de que o outro não nutre por nós a mesma coisa, dói, mas é melhor encarar, chorar, sacudir a poeira e seguir em frente, do que ficar vivendo de ilusão, de sonhos que não vão se realizar, desperdiçando vida.

Desde a hora em que acordamos já temos milhares de opções para escolhermos, e algumas nem fazem tanta diferença em nosso dia, então, entenda e acredite de uma vez por todas que você é especial demais para figurar como uma simples opção na vida de alguém. Você faz a diferença onde quer que vá, onde quer que entre, no que quer que faça, para receber amor, atenção, carinho e sexo, em migalhas. Quando você é opção, é o outro quem determina quando, como e onde você vai ser feliz.

Se você aprendeu a amar quem te faz de opção, então não vai ser difícil aprender a amar a si mesmo, porque quando isso acontece, deixamos de ser opção e passamos a ser prioridade, primeiro em nossa própria vida e depois na vida de alguém que mereça de verdade o nosso amor por inteiro, aquele amor que dignifica, apóia, auxilia, admira, entusiasma, incentiva e até diverge, mas que transborda e faz um querer que o outro evolua e seja melhor a cada dia. E isto não é questão de opção, é escolha.

26 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Relacionamento

Rascunhos de casal

Por Eduardo Soares

Por mais que seja cena relativamente comum, não consigo ficar indiferente. Com esse negócio de Eurocopa, estou com a bendita camisa da Holanda na cabeça. Para quem não é familiarizado com futebol, imagine um uniforme cor de cenoura debaixo do sol de verão. É mais ou menos por aí.

Começo da noite, tinha acabado de sair do cinema e para passar o tempo resolvi procurar a tal camisa de futebol. Encontrei algo parecido. Acho que era o terceiro, quarto, nono uniforme do Barcelona. A tal cena comum vem agora. Minha atenção foi dividida entra a camisa e um belo casal que estava a dois metros de mim. O carinho, digamos, alternativo de ambos era impressionante. Lembro-me do seguinte diálogo:

– Você vai ficar desfilando na loja, mulé? Ou compra logo ou vamos embora, estou de saco cheio! Tu fica feito uma palhaça, não sabe o que quer da vida!

– Baixa a bola! Se não quer ficar, pode ir. Estou me lixando pra você. Vou ficar aqui o tempo que for, e daí? Vai me bater?

Isso foi apenas o começo. Mas o espaço (e o bom senso) não me permite reproduzir o restante dos mimos verbais. E nem vale a pena. O que eu vi, os caixas viram, o segurança viu e os clientes também foi uma sucessão interminável de impropérios e ameaças de agressão física. Sabe aquela pressão psicológica do tipo ”tem coragem? Duvido! Não me provoca! Olha que eu faço”. Bom, até onde eu vi, ninguém saiu no tapa pelos corredores do shopping. Mas, vai que num dia qualquer, a paciência de ambos atinja o limite que não era pra ser atingido e a pancadaria come solta? Olha a que ponto certas pessoas chegam a troco de..de…de quê?

O maior medo do navegador é encontrar uma tempestade em alto mar. Por mais experiente que seja, ele não tem como prever o que irá acontecer daqui a dez segundos com o oceano em tormenta. Pelo menos, caso tenha amor a vida, ele vai tentar sair dessa da melhor forma possível. Mal comparando, tem gente que não consegue sair daquela situação fadada ao fracasso. É como se o relacionamento ficasse preso ao redemoinho, sendo que, ao contrário do navegador, essa gente parece gostar de viver 24 horas por dia sobre o efeito da tormenta.

Adrenalina tem limite. Quer aventura? Vá praticar alpinismo, asa delta, bungee jumping, rapel, surf, skibunda no asfalto, jogar peteca revestida com urtiga. Brincar de “até onde posso ir” é desperdício de tempo e inteligência. O pior é quando o coração fica acostumado a esse tipo de situação. Pode pintar a pessoa mais carinhosa do mundo. Ela até poderá entrar, mas certamente vai ter uma participação relâmpago na vida de quem prefere viver à base de trovoadas.

Sinceramente, o conceito do “Entre tapas e beijos/É ódio é desejo/É sonho é ternura/(…)E assim vou vivendo/Sofrendo e querendo esse amor doentio…” serve apenas pra música ou seriado. Quando isso vira trilha sonora da relação, acredito ser a hora de trocar de rádio/CD.

Tem par que nasceu pra ser admirado e até invejado. Gente que serve como exemplo para vários. Outros, porém, preferem a pompa, o status, são verdadeiros mentirosos (ou mentirosos com síndrome da verdade), oficializam união, fazem votos, juras, assinam a certidão. Mas no fundo eles não passam de rascunhos de casal descasado.

Namoro, casamento, noivado. Não importa. Você a(o) escolheu e vice-versa. Ninguém apontou uma arma na sua cabeça para obrigá-lo(a) a estar com a pessoa de quem você gosta.

Por mais intimo que seja o casal, nenhuma das partes tem o direito de pulverizar o outro com vilipêndios e ameaças. E se isso for uma constante, seja inconstante. Ao encostar sua cabeça no travesseiro, pense nas próximas 24, 48, 72 horas. Vale realmente a pena entrar no redemoinho?

Segundo o dicionário, rascunhos são “trabalhos iniciais em que se fazem as correções necessárias antes de dar-lhes a forma definitiva”. Você é o único professor dos seus sentimentos. Observe o momento atual. Caso o rascunho do relacionamento demonstre contornos feios, veja se é possível haver correção.  Se incorrigível for, e se mesmo assim você optar em ir até o fim, receba duplamente meus parabéns. 1 – Persistência não lhe falta (sobra a falta de vergonha na cara); 2- Você traçou com perfeição o definhamento definitivo de toda sorte que a vida poderia lhe oferecer.

“Mas quem sofre sempre tem que procurar/
Pelo menos vir a achar/
Razão para viver/
Ver na vida algum motivo pra sonhar/
Ter um sonho todo azul/
Azul da cor do mar…”

Toca o barco, comandante…

2 Comentários

Arquivado em comportamento, Edu Soares, Para Refletir, Preconceito, Relacionamento

Perdão

Por Keka Demétrio

Segunda-feira que vem, 25 de junho, completo meus 40 anos de vivências, experiências, lutas, quedas, realizações, glórias, sonhos, transformações, bênçãos, aprendizado e evolução. Queria escrever sobre como não me trocaria por quando tinha 20 anos, mas que no auge dos meus 40 gostaria de manter o mesmo frescor daquela época, onde os sonhos existiam bem mais do que cicatrizes. De como eu consegui chegar até aqui tendo errado tanto, acertado tanto, e hoje sentir orgulho do que sou e do quanto acredito que vou conseguir a vir a ser o que tanto sonho. Refletir sobre o ano que passou, ou os anos, no meu caso, sobre as perdas, os ganhos, as promessas não cumpridas, os sonhos desfeitos e os realizados.

Estive em São Paulo no último fim de semana, e me aconteceram coisas maravilhosas, mas também alguns fatos que levaram um amigo muito, mas muito especial, cuja presença em minha vida remete a pouco tempo, mas é de uma profundidade tão grande e que tem nos possibilitado um ensinamento mútuo fantástico, me dizer: Perdão! E eu, dentro da minha tristeza, apenas responder: Desculpa, mas preciso me perdoar primeiro. Aquilo me doeu de tal forma que foi meu pensamento e algumas lágrimas, na minha volta de São Paulo para Minas.

Eu preciso me perdoar por ter deixado a situação chegar ao ponto onde um outro ser querido ter que me pedir perdão. Me perdoar por mais uma expectativa frustrada, e ao mesmo tempo deixá-la me fazer entender em definitivo que o mais importante não são as frustrações, mas no que as transformarei.

Quantas vezes perdoamos e fomos perdoados? Quantas vezes achamos que fizemos um esforço homérico para perdoar alguém, quando na verdade não era o outro quem precisava de perdão e sim nós mesmos?

Quando dizemos que perdoamos alguém, será que fazemos isto realmente do coração? Porque só perdoamos realmente alguém que nos fez algum mal quando nos lembramos do feito e não sentimos mágoa, porque se não for assim, foi apenas do boca para fora.

É que antes de perdoarmos alguém, é preciso aprender a perdoarmos a nós mesmos. E é por isto, que de hoje em diante farei um esforço enorme para me perdoar pelas vezes em que me senti frágil, desanimada e vulnerável, porque é quando estou neste estado que percebo o quanto já estive mil vezes mais frágil, mais desanimada e mais vulnerável, portanto, evolui e sinto que posso mais e mais.

Perdoar a mim mesma por ter errado tanto na ânsia de querer sempre acertar, me esquecendo, em diversos momentos, o quanto sou humana. Perdoar a mim mesma por insistir em sonhos que talvez nem virem realidade, mas que são combustíveis para outros sonhos. Me perdoar pelos passos errados, pelos rabiscos mal feitos no livro da minha vida. Me perdoar por pronunciar palavras incertas que vez ou outra feriram um amigo ou mesmo um desconhecido, e por não ter deixado pessoas especiais entrarem ou ficarem em minha vida por medo de sofrer ou de desapontá-las.

Vou me perdoar pelas lágrimas que deixei correr por algo ou alguém que não valia à pena, porque posso até tentar controlar minhas emoções, mas jamais permitirei que a razão se apodere de mim impedindo que novas emoções floresçam. E por ser assim, vou sempre me perdoar por não desistir de acreditar nos bons sentimentos alheios, mesmo sabendo que posso vir a sofrer por causa disso. Porque triste daquele que desiste de ter fé em seu semelhante, e eu quero continuar a fazer a minha parte.

Quero me perdoar quando o meu coração algumas vezes insistir em oferecer amor para quem não quer receber o meu amor, porque entendi que desperdiçar amor dói, mas às vezes é essencial para que sejamos capazes de resgatar o nosso amor próprio.

Perdoar por acreditar nas palavras das pessoas, quando no fundo elas nem sabem o que estão dizendo. Pelas vezes em que perdoei alguém por ter quebrado a confiança que acreditava pautar o nosso relacionamento. Perdoar por ter sonhos e em algumas vezes permitir que outras pessoas os destruam, por não ter vomitado tudo que me amargurava e me fazia triste. E me perdoar por ter deixado passar a oportunidade tão almejada, porque sempre é tempo de recomeçar.

Ao me perdoar, quero abrir o meu coração e entender que de todas as formas e em qualquer tempo, minhas atitudes irão refletir também na vida dos que participam da minha vida, estando perto ou longe fisicamente, por isto tomarei mais cuidado com o que faço e com o que falo.

Poderia escrever aqui mil outras coisas que devo aprender a perdoar, porém, mais uma vez, reafirmo que palavras podem ser escritas em qualquer papel e pronunciadas por qualquer boca, mas são as atitudes que marcam, resgatam, ampliam e enobrecem o amor, o respeito, a admiração e faz valer de verdade o significado da palavra “perdão”.

28 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir

Beleza alheia

Por Keka Demétrio

Por mais que se aceite, que se ache bonita, uma vez ou outra vai acabar se comparando com outras mulheres. Isso é perfeitamente normal, e sinto em te informar que é óbvio que sempre existirá alguém mais bonita que você. Mas isso não é um problema, a não ser que seja tão vazia que a única coisa que conta é a beleza. O que não deve acontecer, é você ser muito menos interessante que a maioria delas, mais bonitas que você, ou não.

Preocupamo-nos demais com a questão da beleza física e nos esquecemos de que ser uma mulher interessante requer outros requisitos fundamentais como caráter, senso de humor, educação, inteligência emocional, entre tantos outros. Portanto, para de se sentir fragilizada pela beleza ou inteligência de outra mulher, se estiver frágil que seja porque ainda não desenvolveu seu senso critico e estabeleceu que irá crescer cada dia mais, valorizando as coisas boas que possui. Jamais paute sua vida, seus sonhos de conquistas pela vida dos outros, cada um é cada um, e sendo assim, sentimos, vivemos, aprendemos e evoluímos de formas diversas e diferentes.

Não se sinta diminuída porque outra mulher é mais bela. Nenhum homem que valha realmente à pena vai ficar com você depois do baile só porque era a garota mais bonita da festa, se tiver que ficar será muito mais pela luz que exala do que pelo brilho dos seus cabelos. Será muito mais pela forma como você se trata, do que pela forma como você cuida da sua pele. Portanto, ao invés de ficar se comparando com outras mulheres, avalie-se e procure evidenciar as coisas boas que possui. Quanto as ruins, se for inteligente e souber entender a si mesma, aceitar e trabalhar tudo isso, elas ficarão encobertas pela luz do seu amor próprio.

Porque, definitivamente, beleza física pode até contar, mas não se sustenta sozinha. Não é o que ele vê fisicamente em você que fará a diferença, mas o que você o faz sentir quando está ao seu lado, independente do seu corpo, cor dos seus cabelos ou o tom da sua pele.

O que vai fazer com que ele deseje estar ao seu lado é a forma como vai fazê-lo sorrir e perceber que a vida pode ser leve. É exatamente isso que vai fazer com que ele deseje compartilhar com você tudo, principalmente os maus momentos, porque são estes que nos fazem querer ficar perto de quem realmente a gente gosta, confia e que sabemos que se importa conosco.

Quando nos tornamos, e sabemos ser interessante, beleza alheia nenhuma nos ofusca. Ficamos mais seguras, donas de nossas emoções e sensações, e o homem para estar ao nosso lado tem que nos fazer sentir amadas, desejadas, queridas e especiais, mesmo que ele esteja a quilômetros de distância, porque, proximidade física é bem diferente de proximidade, intimidade e sintonia emocional.

11 Comentários

Arquivado em Beleza, comportamento, Para Refletir, Relacionamento

Parabéns

Por Keka Demétrio

Hoje minha boneca completa 15 anos e eu não poderia deixar de compartilhar com vocês um pouco dessa minha alegria e orgulho por ter sido presenteada por Deus com uma filha tão abençoada.

Maria Angélica, filha amada,

sei que aos poucos está soltando das minhas mãos e começando a conquistar o seu próprio espaço. Sempre tive comigo que filhos são presentes de Deus para nos ensinar o verdadeiro sentido do amor, mas que também são seres humanos que precisam de espaço e liberdade para viver, aprender e evoluir, por isto, por saber e sentir que estás sob as bênçãos e proteção de DEUS, eu, escolhida para ser chamada de mãe por você, te ofereço o meu amor incondicional e os valores necessários para que seja sempre uma mulher digna e honrada.

Às vezes, a vida vai querer te mostrar algumas dores, tristezas e decepções, mas não desanime jamais, porque nestas horas você apenas estará sendo colocada à prova para mostrar o quanto é forte e capaz, o quanto é revestida pelo poder do Espírito Santo.

15 anos é a idade dos sonhos, portanto, jamais deixe de ter 15 anos! E nunca se esqueça que os seus sonhos são teus e que ninguém tem o direito de te fazer desistir ou dizer que são impossíveis de realizar, você é a única responsável em trabalhar para conquistar cada um deles, você é a única responsável pela sua felicidade. E cada lágrima que derramar terá a intensidade que você permitir.

Pode ser também, que em outras vezes, no meio do caminho, a dúvida tome conta do seu coração, então, analise, e se já fez tudo o que lhe era possível e não deu certo, não se aflija, descanse em Deus e deixe Ele, com sua sabedoria divina, fazer o melhor para e por você.

Mas a vida não é feita apenas de dúvidas, incertezas e quedas, portanto, cuide bem dos teus olhos, os da carne e dos da alma. Os da carne, porque é fantástico podermos perceber as cores, as formas, os sorrisos, o entreabrir dos lábios para um beijo, e os da alma, porque são eles que realmente nos permite enxergar o belo no mais simples, o encanto e o canto de um riacho, a dança das nuvens no infinito do céu, ou o murmurar do vento como se fosse Deus soprando palavras de amor para nós.  

15 anos, algumas poucas partidas, mas há de chegar a hora em que você dará passos cada vez mais largos e percorrerá caminhos cada vez mais distantes, portanto, em cada partida leve a certeza de que eu estarei sempre, haja o que houver, vibrando, torcendo e acreditando na sua capacidade, no seu crescimento, na sua força e nesse amor profundo que une mãe e filha.

Feliz Aniversário!

Deus te abençoe, hoje e para todo o sempre! 

22 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Relacionamento

Mulher de verdade

Por Eduardo Soares

Tínhamos brigado feio justamente no dia dos namorados (eis uma situação real porém inacreditável). A coisa foi tão séria que não houve qualquer tipo de diálogo durante a semana inteira (fato raríssimo nos quase três anos de namoro). Se tem uma coisa que irrita é ver o(a) espertalhão(ona) querer comprar alguém com presentes numa tentativa  canalha de abafar um conflito em aberto. E bobo daquele que aceita o mimo como forma de “cala boca”. Não era o nosso caso. Depois do mar silencioso que nos separava cada vez mais, dois dias antes dos fatos que virão a seguir, e com o intuito de chegar num consenso satisfatório para ambos, conversamos bastante. Acordo feito, e a harmonia saindo do freezer rumo ao lugar da onde nunca deveria ter saído. Ok, se o clima não ficou 100% romântico depois do papo, pelo menos alimentávamos uma chateação menor diante dos dias pós-briga.

Como o clima estava voltando ao normal, era a hora de recuperar o tempo perdido. Sempre gostei de paparicar. Se não posso dar um Audi conversível branco ou uma casa de veraneio em Angra dos Reis, coloco a cabeça para trabalhar visando encontrar algo marcante dentro dos padrões financeiros de um brasileiro não endinheirado. Durante os anos de namoro, ela dizia nunca ter recebido uma cesta (tipo café da manhã). Lâmpada acesa na cabeça! Era a deixa.

Usei meus (inexistentes) dotes artesanais: comprei uma espécie de baú (apropriado para presentes), papel estampado com corações para forrar o fundo do baú, perfumes, cremes, estojo de maquiagem, loções, hidratantes, CD do Roupa Nova e um saco com pétalas de rosas vermelhas (que foram devidamente espalhadas entre o conteúdo, formando assim um belo aspecto visual). Passei a tarde inteira quebrando a cabeça para organizar tudo aquilo de forma em que o resultado final ficasse digno destas cestas que encontramos nas vitrines das perfumarias. Ah, de alguma forma eu queria demonstrar que precisava daquela morena do meu lado.

Enquanto eu desarrumava os itens pela 29ª vez, eu ria ao imaginar a reação dela ao ver aquilo. Bom, foi além do imaginado. Era nosso primeiro contato em dez dias. Ela chorou. Aquelas lágrimas, se fossem decifradas, teriam um significado próximo de “ei, não quero brigar com você, seu mala-sem-alça”. Dei o presente. Era nítido que aquilo não era fruto de uma Boticário da vida. O embrulho, a arrumação imperfeitamente perfeita, a fita dourada contornando o baú, os itens que ela adorava, o cheiro de um perfume do seu gosto (pedi uma amostra grátis para borrifar no presente)…

Ela ficou alguns minutos em silêncio, observado o conteúdo daquele baú. E eu agoniado, comecei a suar (aquele suor, se fosse decifrado, teria um significado próximo de “ei, quero saber se você gostou, patroa”). Subitamente, ela me beijou demoradamente. Ah, alívio. Em seguida, pediu um instante e foi para a sala. Na volta, trouxe um presente (também inesperado) para mim. Outro beijo demorado (este, se fosse decifrado, teria um significado próximo do inexplicável). Declaração de ambos, olho no olho. Peguei-a no colo, era ria como uma adolescente. Esse grand finale era algo comum entre a gente. Posso dizer que ela conseguiu me rejuvenescer. Éramos dois quase trintões (ela, com 29; eu com 26). Juntos, parecíamos dois teens recém apaixonados. E nunca nos preocupamos com o que os outros iriam dizer. Tempos depois o namoro acabou, mas sua essência nunca sairá da nossa memória. Foi algo especial. Foi algo de verdade.

Essa introdução quilométrica busca reforçar algo raro. Mulher de verdade é aquela que consegue ser especial sem qualquer tipo de esforço. É aquela que “amansa” o ímpeto do cara antes pegador de todas. Se for esperto, ele para. Ela exerce o papel racional dentro do relacionamento. Tem homem, inteligente, que faz questão de ouvir a amada. Mulher de verdade apoia, sempre. Mesmo que o apoio venha em forma de bronca. Quando preciso for, o amor precisa ser enérgico. Amor tem pulso forte, personalidade. Amor é persistente (basta ter motivos). Amor exala companheirismo, cumplicidade, carinho, harmonia, aconchego. Mulher de verdade tem pulso/personalidade forte, é persistente (basta ter motivos), companheira, cúmplice, carinhosa, harmoniosa. Tem o abraço aconchegante e um beijo que vale mais do que dois mil beijos de todos os antigos romances superficiais.

Na hora das divergências, algumas mulheres apontam o dedo na cara. Mulher de verdade encara a turbulência com sabedoria. Mulher de verdade não apenas beija. Ela sela com a boca o compromisso do “que seja eterno enquanto dure”. Ela não faz sexo. Para isso, existem várias. Ela se entrega ao amor e pede o mesmo em troca.

Mulher de verdade surge como abrigo quando o companheiro está perdido. Ela não acusa simplesmente. Ela procura a causa para tomar as providências. Mulher de verdade sofre quando o homem teima em ser de mentira. Ao brigar, ela chora ao ver que o homem, seco, não vê razões para chorar.

Se você, camarada, tem uma mulher de verdade do lado, considere-se um sortudo. Mulher de verdade é, antes de tudo, raridade. Mas caso você (assim como eu) ainda não encontrou a sua, descarte qualquer tipo de conformismo.

 Sonhar ainda é permitido.

E o seu sonho pode acontecer no próximo amanhecer.

19 Comentários

Arquivado em comportamento, Edu Soares, Para Refletir, Relacionamento

Você se encaixa aqui?

Por Keka Demétrio

Tenho pena de gente que desperdiça vida. De gente que vive reclamando e se achando o maior ‘coitado’ do mundo. Tenho pena de gente que acha que fazendo ‘drama’ vai conseguir fazer com que as pessoas fiquem ao seu redor. Tenho pena, no sentido literal da palavra, de gente pequena, porque está cheio de gente com mais de 1,80m de altura, que em matéria de evolução, se for medir, não dá mais que 80cm.

Não, eu não estou julgando ninguém, até porque no quesito poder para julgar, tenho bem menos do que meio metro, de tanto que ainda preciso melhorar e aprender a caminhar. E ainda mais porque já fui desse tipo aí, descrente, desanimada e me sentindo a renegada, e não tive ninguém pra me dizer que a forma como eu agia estava errada. Podia ter aprendido com o amor, mas, ignorante como era, optei, através destas atitudes imbecis, aprender com a dor.

Por não ter tido ninguém para me dizer que eu agia errado e afastava as pessoas de mim, é que estou aqui dizendo que você é realmente é um coitado, digno das pessoas se afastarem porque ninguém gosta de gente triste e resmungona, ninguém quer perto quem só lamenta. Não tenho o mínimo receio de falar estas coisas e neste momento estar sendo chamada de metida, pretensiosa e mandona, porque na verdade o que gente como você precisa é ouvir verdades que te façam acordar para a vida. Assim como eu um dia precisei.

Gordo, magro, alto, baixo, branco, negro, amarelo, vermelho, rico, pobre, remediado, controlado, não importa, todo mundo na vida, um dia, passa por isto, por esta síndrome do “coitadinho”, e tem gente que se acostumam tanto, que nunca mais sai desta sintonia.  A grande realidade é que temos uma pré disposição incrível para indicados ao Oscar quando encaramos o personagem de coitado.

Nunca estudei sobre isso, aprendi de forma empírica, porque sempre adorei observar as pessoas, não para criticá-las, mas para tentar entender sua alma e reações, e foi assim, observando, que percebi que sentir pena de si mesmo é um dos males que mais nos atinge e o quanto perdemos tempo, nosso bem mais precioso, em crises existenciais, fortalecendo o ciclo de autopiedade, criando a nossa volta, um muro que repele as maravilhas que Deus quer fazer por nós.

A grande maioria das pessoas parece estar afundando num mar de frustrações porque não tem o corpo que deseja, o carro que impressiona, o emprego dos sonhos, a vida que tanto sonhou possuir. E quando consegue ter tudo isto, frustra-se da mesma forma, porque bens materiais não conseguem suprir os vazios da alma. Quem só vislumbrar o exterior, jamais vai conseguir adentrar dentro de si mesmo em busca das causas desses vazios impreenchíveis. Quem tem medo de encarar a si mesmo, jamais vai entender que muito pior do que apenas existir, é fingir que se vive.

17 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Preconceito, Relacionamento