Arquivo da categoria: Saúde

Bariátrica não é cirurgia de remoção de unha encravada

Por Renata Poskus Vaz

Hoje escrevo não como jornalista ou blogueira, mas como amiga preocupada com a quantidade de pessoas queridas que operaram ou estão na fila de espera para reduzir o estômago sem aparentarem real necessidade.

Aqui nunca critiquei quem optasse emagrecer ou engordar. Faço com frequência textos sobre cirurgia bariátrica, emagrecimento com remédios e reeducação alimentar. Eu mesma tenho noticiado meu desejo em reduzir um pouco o meu peso para recuperar minha saúde que estava debilitada.

Então porque essa minha preocupação com quem reduz o estômago?

Eu acreditava que Bariátrica fosse indicada para obesos mórbidos, como no caso de Roberta Terra, cuja história foi relatada aqui no Blog Mulherão (leia). Pessoas com IMC acima de 40, com muitos problemas de saúde associados e que esgotaram (e fracassaram!!!) todas as chances de um emagrecimento saudável.

De repente, dezenas de amigas minhas mulherões, Com corpo curvilíneo, bem longe da obesidade mórbida, que nunca tiveram problemas de saúde sérios, se renderam à cirurgia bariátrica. Muitas delas nunca tiraram a bunda do sofá para se exercitar. Nunca andaram a pé, nunca nem se quer tentaram reverter essa situação.

Fazer bariátrica virou a mesma coisa que remover unha encravada. Dói um pouquinho, mas você vai lá, fala com o médico, ele topa te operar e seu problema acaba.

Quando as indago, como amiga, sobre a real necessidade de uma cirurgia de redução de estômago, elas me respondem que têm histórico de diabetes e pressão alta na família (elas mesmo não têm) e que fizeram consultas com psicólogos, gastros etc… Tudo isso em 2, 3 meses. Isso não existe! Antigamente o processo que levava um obeso da análise de um corpo clínico até a decisão de realmente operar levava anos. Isso não pode ser decidido em meses.

O problema, minhas amigas, vai além da operação. Toda operação (mesmo a da unha encravada) tem riscos de morte. Mas bem pior do que isso é que somos gordas por algum motivo que vai bem além da nossa simples compreensão. Na maioria das vezes esse motivo se chama COMPULSÃO ALIMENTAR e OCIOSIDADE, que tem origem emocional. Ao operar o estômago, não se opera também a cabeça. Passada a felicidade inicial do corpo magro e se mantendo ou recuperando os mesmos velhos hábitos, o corpo volta a engordar.

Conheço dezenas de ex-gordos que operaram o estômago e voltaram a engordar.

Não existe milagre. E o que vejo é que a cirurgia bariátrica, mais do que uma intervenção cirúrgica para preservar e recuperar a saúde de pessoas terrivelmente doentes, está virando uma cirurgia estética.

Fica aqui meu desabafo, amigas. Antes de entrarem na faca para ficarem bonitas na foto de ano novo, tentem levantar, praticar exercícios e mudar a alimentação. Procurem um psicólogo para ajudá-las a mudar suas relações com seus corpos, consigo mesmas, com a vida e com a comida. Não procure o psicólogo apenas para te dar um atestado indicando sua cirurgia.

Update: Leiam essa interessantíssima matéria do Diário de Pernambuco:

“Empresária morre após cirurgia de redução de estômago”

20 Comentários

Arquivado em Mulherão Saúde, Saúde

Mais uma semana no Saison Spa

Por Renata Poskus Vaz

Notícias diretamente do Saison Spa! Eu e Hannah Perez estendemos nossa passagem aqui pelo Saison Spa. Isso mesmo! Eu não tirava férias desde a passagem de ano de 2011 para 2012 e estou adorando ficar aqui.

Não emagreci muito não. Foram apenas 2 Kg, mas reduzi 5 cm de cintura, estou com o bumbum mais durinho e a minha batata da perna dura e enorme. Mas a parte mais bacana é que consegui melhorar meu alongamento e minha capacidade cardiorrespiratória, além de minha resistência física. De 20 minutos sofridos na esteira em velocidade 5, agora ando 60 minutos em velocidade 6 com inclinação.

No sábado eu volto e passo meu “antes e depois” para vocês.

Saudades!

 

spa 13

saison spa 2

renata spa saison 1

 

7 Comentários

Arquivado em Saúde

Resumo do meu primeiro e segundo dia no SPA

Por Renata Poskus Vaz

Ai, ai… Estou com uma preguiça que não me pertence! Mas é claro que eu não poderia deixar de vir aqui dividir com vocês como foram os dois primeiros dias de Saison Spa.

Peguei o ônibus de São Paulo com destino à cidade do Rio de Janeiro às 6h. Ao chegar no centro, Hannah me buscou de carro e seguimos para Itaipava, região serrana do Rio de Janeiro. Nos perdemos. Acabamos chegando no Spa às 15 horas, 1 hora após o planejado.

renata e hannah

Em nosso quarto havia uma bandeja enorme de frutas, como presente de saudação. Não comemos nada. Foco é isso! Colocamos nosso biquíni para checar nosso peso e medidas na enfermagem. Cheguei ao SPA com 91,3 Kg. No dia 12 eu estava pesando 94.5Kg. Decidi que começaria a reeducar minha alimentação em casa e em pouco mais de uma semana, emagreci 3 Kg e perdi cerca de 3 cm de cintura.

Após a pesagem, lanchamos. Colocamos nossa roupa de ginástica e fizemos 40 minutos de esteira e logo após alongamento. Tomamos um banho de piscina, jantamos e fomos dormir.

spa 1

Segundo dia

A segunda-feira começou bem especial, sem preguiça! Fizemos diversas atividades físicas durante o dia: 50 minutos de esteira + 20 minutos de transport (um aparelho que simula caminhada/corrida), hidrojump (ginástica na água com aquela caminha elástica), hidrorunning (corrida na água). Essa última atividade não consegui fazer como manda o figurino. Minha perna doía muito. Então, enquanto Hannah malhava, eu apenas caminhava, contra a correnteza da água, durante 45 minutos. No final do dia, abdominais (que eu só consegui fazer 60!!!) e alongamento.

foto 12

malhando de manhã

foto 7

malhando à tarde

O bacana aqui no Saison é que a gente come muito! De 3 em 3 horas são servidos lanches e refeições. Todos muito saborosos. Para entenderem o quanto e o que a gente come, vou colocar o cardápio aqui:

Café da manhã:

1 pãozinho pequeno integral (com o tamanho de mais ou menos 1/2 pão francês)

uma colher de requeijão

1 fatia de mamão

1 fatia de manga

1 copo de suco de maracujá

1 xícara de café com leite

Lanche

Suco de ameixa com mamão

Almoço

foto 2

foto 6

foto 5

Salada de pepino, alface, tomate à vontade (pode repetir quantas vezes quiser)

Filé mignon com cebola e palmito assado

Torta de maça de sobremesa (maravilhosa! nem parece diet/light)

Suco de maracujá

Lanche da tarde

Café com leite

chá mate

1 fatia de pão de polvilho (tinha gosto de pão de queijo com açúcar – não gostei e a Hannah adorou!)

Jantar

Salada de alface, tomate e cenoura à vontade

Abobrinha cozida

Canja de frango desfiado

1/2 pão sírio integral

1 maçã cozida com canela

Ceia

1 copo de café com leite

Extras: Ainda, durante o dia, é permitido tomar 2 sucos diuréticos, 5 gelatinas, chás diversos… Enfim, a gente come muito o dia todo, não passa fome! Total de 850 calorias diárias. Se for se inspirar na dieta acima, saiba que tudo é preparado sem óleo, sem sal e sem açúcar e em porções pequenas.

Bola fora do dia

Como fiquei muito tempo no sol, estou toda queimada. Fiquei mais ou menos assim:

sol

Enfim, meninas… Estou adorando. A Hannah é uma carrasca, fica exigindo e me estimulando a não desistir dos exercícios. Tem sido muito bom poder contar com a companhia e ajuda dela. Também fico feliz com a manifestações de vocês no Facebook, me incentivando. Leio cada recadinho!

Para conhecer o Saison Spa, clique aqui.

Para acompanhar o Facebook do Blog Mulherão, clique aqui.

8 Comentários

Arquivado em Beleza, Saúde

Eu, meus 94 Kg e Hannah no Spa Saison

Por Renata Poskus Vaz

Quem acompanha o Blog Mulherão desde o comecinho deve se lembrar de quando eu fui para o Spa Saison, em 2010.  Na época eu pesava 76 Kg e cheguei a perder 2 Kg no Spa Saison, em uma semana. Minha meta era descansar e curtir e os quilos perdidos foram apenas um bônus daquela semana muito especial.

Muita coisa mudou de lá para cá. Eu, que usava manequim 44, hoje uso manequim 48/50. Na última sexta-feira, quando me pesei, estava com mais de 94 Kg… Isso mesmo, quase 100 Kg. Ou seja, engordei em 3 anos quase 20 Kg e não, não estou contente com isso pois junto com os quilos extras vieram também alguns problemas de saúde.

Hoje, aos 31 anos, minha preocupação não é mais estética. Confesso que curto pacas a bundinha generosa que ganhei com esses quilos extras, mas quem me conhece e faz parte da minha vida íntima sabe que não estou bem, com uma porção de problemas de saúde associados.

Existem gordinhas saudáveis sim. Porém, hoje, eu não sou uma delas.

Abandonei um tratamento médico e até o Projeto Mulherão Saúde que me comprometi aqui com vocês a me dedicar.  O trabalho aumentou, sou grata a Deus por isso, porém eu não consegui administrar bem meu tempo. Trabalho cerca de 18 horas por dia, de segunda a segunda, me alimento mal, não me exercito… Cheguei a ficar depressiva, mesmo sem me dar conta disso. Não tinha pique para me cuidar e para coisas que facilmente fazia no meu dia a dia, como cuidar da casa, por exemplo. Pensava: “ops, isso não é apenas um cansaço exagerado, é um estado depressivo”, mas não sabia como sair daquele buraquinho chato, triste e vicioso em que me encontrava.

Vocês já se sentiram assim? Já se sentiram percebendo que a energia estava acabando, sem um motivo aparente?

Estou sendo muito transparente com vocês pois embora separadas por grandes distâncias geográficas, somos amigas. E não quero mentir para quem tanto confia em mim. Hoje, como amiga, peço que me ajudem nessa nova etapa da minha vida. Eu preciso me curar de alguns males físicos e me desestressar (se bem que eu sei que vocês curtem, vez ou outra, a Renata enfezadinha…rsrsrs).

spa3

Neste domingo, retorno para o Spa Saison, após 3 anos. Minha meta, ao contrário da visita anterior é sim emagrecer. É claro que me afastar, descansar também será um grande presente. Nesta visita irei com a Hannah (veja aqui), que é jovenzinha, cheia de gás e prometeu que não vai me deixar dormindo até meio dia no SPA. Ela me fez prometer que aproveitaria todas as atividades oferecidas. Não sei porque, mas Hannah se mostrou mesmo interessada em me ajudar, em me ver mais saudável e feliz. Tanto é que foi ela que conseguiu essa segunda oportunidade no Spa Saison para mim. Fiquei até emocionada!

Então, é isso mulherões! Não se preocupem, continuarei plus size… rsrsrs… Não tenho mais o desejo de emagrecer até os 57 Kg.rsrsrs  Curto ser um mulherão e só emagrecerei (se Deus quiser!) o suficiente para equilibrar minha saúde. O Spa será só o começo!

Acompanhem aqui, durante a semana, a nossa visita ao Spa Saison.

E se você quiser ir com a gente para o Spa, será uma honra! Ficaremos lá de 20 a 27 de outubro. O Spa fica em Itaipava, a 50 minutos do Centro do Rio de Janeiro. Ligue, faça um orçamento! Quem sabe essa não é a oportunidade que você também esperava?

Beijos!

21 Comentários

Arquivado em Saúde

Reeducação alimentar emagrece?

Por Renata Poskus Vaz

Já testei inúmeras dietas malucas, como provavelmente toda gorda balzaca que no passado nem sempre se amou de verdade. Calma, não quer dizer que todo mundo que faça dietas e que deseje emagrecer não tenha amor próprio, mas certamente todo mundo que faça dietas malucas não se ama nem um pouco. Só uma pessoa sem um pingo de amor pelo próprio corpo é capaz de colocá-lo em risco tomando remédios sem prescrição médica ou seguindo dietas dessas de capa de revista sem supervisão de um especialista.

O melhor método para emagrecer e manter o peso por mais tempo é a reeducação alimentar – RA (isso é, se você está gorda porque come mais calorias do que queima com atividades físicas). Este método de emagrecimento não faz tanto sucesso quanto os outros porque ele demora para mostrar resultados. A mulherada não tem paciência para aprender a comer direito, a reequilibrar o corpo e emagrecer lentamente, sem passar fome, mas substituindo tranqueiras gostosas por alimentos mais saudáveis (e gostosinhos também!). É difícil! É difícil ter hora para comer, preparar alimentos saudáveis (poxa, cozinhar um pé de brócolis demora uns 40 minutos, enquanto um miojo demora só 3 minutinhos). Vale mais a pena fazer greve de fome, se entupir de sopas de água com água, sem nutrientes necessários para mantê-la em pé e produtiva, ou então se encher de bolas tarjas pretas inibidoras de apetite.

Acontece que os inibidores de apetite e as greves de fome podem te fazer reduzir um manequim em uma semana. Mas você recupera todos esses quilos perdidos em um passe de mágica, e de quebra mais alguns. Já com a Reeducação Alimentar não. Você emagrece e aprende a comer direitinho e suas chances de engordar de novo serão mínimas.

Como faço reeducação alimentar?

Para fazer a reeducação alimentar o ideal é que você consulte um médico antes que checará se a sua saúde está ok e pedirá alguns exames para analisar se o seu excesso de peso é devido somente aos maus hábitos alimentares ou se você tem alguma doença associada ao excesso de peso. Com o resultado dos exames em mãos, se estiver tudo ok com sua saúde, seu médico a indicará para um nutricionista, que a orientará sobre como deverá ser a sua alimentação dali pra frente.

O importante é você ser bem sincera, mesmo que se sinta envergonhada com alguns deslizes na sua alimentação. Se você, por exemplo, comer três sacos de bolacha por dia,  ou assaltar a geladeira de madrugada, ou sentir necessidade de comer alguma gordice em especial, todos os dias, diga à sua nutricionista. Ela vai incluir esses alimentos em porções menores em sua dieta, ou sugerir substituições gostosinhas.  Quem consome 4 mil calorias diárias não precisa entrar necessariamente em uma dieta de 800 calorias por dia. Essa redução calórica pode ser gradual. Converse com sua nutricionista.

Fazer exercício físico também é essencial!

Além de acompanhamento com médico e nutricionista, existem outras formas de fazer reeducação alimentar, como os grupos de emagrecimento presenciais e na internet.

Como funcionam os grupos de emagrecimento presenciais?

Os grupos de emagrecimento funcionam da seguinte forma: você semanalmente frequenta um grupo perto da sua casa, faz uma pesagem e assiste às reuniões em que rolam desde depoimentos até sugestões de receitas diet. Você será orientada a reeducar sua alimentação, receberá cardápios e sugestões de quantidade de alimentos que devem ser ingeridos todos os dias. Essa ajuda mútua e o compromisso de estar lá, todas as semanas, costuma dar bons resultados.

Meta Real 

  • Matrícula:  R$ 120,00
  • Rematrícula:  R$ 110,00 (sem o material didático)
  • Aula Semanal:  R$ 30,00 ( R$ 20,00 para alunos acima de 60 anos)

Vigilantes do Peso

Pacote de R$ 120,00  –  Inclui a adesão e as primeiras 3 semanas do programa.

Pacote de R$ 280,00 – Inclui a adesão e as primeiras 11 semanas do programa

Peso Ideal

Não informado.

Posso emagrecer pela internet?

hannah antes e depois 1

Hannah Perez, 20 anos, é um exemplo de que é possível emagrecer buscando apoio na internet. A linda morena, que já desfilou no Fashion Weekend Plus Size, já foi bem gordinha. Emagreceu na adolescência 45 Kg, antes de ser modelo plus size. Voltou a engordar recentemente (esse negócio de ser modelo plus size faz a gente engordar!rsrsrs). Após o término de um namoro (que também a fez engordar uns quilinhos) e para incentivar o emagrecimento da mãe, que estava com problemas de saúde, Hannah voltou a fazer reeducação alimentar e exercícios físicos.

Ela buscou em grupos de RA na internet o apoio que precisava para deixar a ociosidade de lado para voltar a malhar e a se alimentar corretamente. Hannah criou uma Fan Page chamada Projeto Hannah Panicat em que diariamente descreve suas atividades físicas, receitinhas novas e exemplos de amigos que também estão emagrecendo com reeducação alimentar e atividade física. Hoje são mais de 2.600 seguidores, que se inspiram nela. Eles também, segundo Hannah, fazem com que ela se sinta motivada a não desistir.

Esta semana ela inaugura seu blog: Hannah Panicat, mais um canal de troca de informações com suas amigas da internet.

De abril até hoje ela emagreceu mais de 14 Kg. E o mais impressionante, perdeu mais de 25 cm de cintura. Veja só:

hannah antes e depois

hannah antes e depois 2

Perceberam? Com RA ela emagreceu cerca de 2 Kg por mês. O emagrecimento é gradual, mas duradouro.

Sabemos que o ideal seria que todas tivéssemos dinheiro para tratamento com um médico e uma nutricionista, ou disposição para as longas e intermináveis filas do SUS. Mas, caso não tenha dinheiro e nem tempo sobrando, faça um diário virtual e escreva tudo o que você come. Vá cortando as besteiras aos poucos e substituindo por alimentos saudáveis. Visites grupos na internet de Reeducação alimentar e não caia na tentação de arriscar as dietas da moda.

E lembre-se sempre: emagrecer com saúde demora.

update: Gatas, não coloquei no texto acima sobre  casos de compulsão alimentar” que é um tema que trataremos mais para frente, ok? Nos casos de compulsão o tratamento com um psiquiatra e um psicólogo também são essenciais. Bjs

26 Comentários

Arquivado em Saúde, Uncategorized

Grávida e Gordinha: confira a história de Bia Lage

gravida 2 gravida gordinha 1

gravida gordinha 3

Por Bia Lage

Olá, pessoal! Recebi o convite de falar sobre minha gestação aqui no Mulherão, o que me deixou muito feliz e envaidecida por se tratar de um blog que eu admiro muito e acompanho sempre. Lá vai a minha história…

Fiquei muito enjoada depois que voltamos de um acampamento de carnaval. O namoro era recente.  Estávamos juntos há apenas 1 mês e entrei em pânico. Como eu poderia ter deixado aquilo acontecer? Fiz o exame beta sem que meu namorado soubesse, mas não consegui segurar por muito tempo a notícia da gravidez. Eu estava apavorada, com medo da rejeição e medo de atrapalhar a vida daquele menino de 22 anos. Tomei coragem e contei que tinha feito o exame e que achava que estava grávida. Chorei muito, parecia uma tragédia, mas no fundo era só desespero. A reação do meu namorado não poderia ser melhor. É claro que ele ficou em choque, apavorado também, mas se comportou como um verdadeiro homem. Pegamos a confirmação do meu exame pela internet nesse mesmo dia. Foi aí que tudo começou.

gravida gordinha 7

gravida gordinha 6

Liguei para a minha ginecologista que me recebeu com muito carinho dizendo que cuidaria de mim. Fiz uma bateria de exames e fiquei muito preocupada com o fato de ser uma gestante obesa. Só pensava como isso poderia afetar o meu bebê. Exames prontos e, para a nossa surpresa, o resultado do meu hemograma foi perfeito. Nada de colesterol ou triglicerídeos altos… Mantenho meus exames em dia, com todos os cuidados possíveis. Meu agora noivo cuida da minha alimentação preparando saladas diariamente. Estou controlando o máximo que posso o meu consumo de doces (que são a minha tentação) e bebendo bastante água. Perdi 6 kg no inicio da gestação e recuperei 4 até agora e apesar de ficar cada dia mais cansada continuo trabalhando e procurando repousar o máximo possível.

gravida gordinha 9

gordinha 10

Meus medos são a diabete gestacional da qual estou tentando escapar e o tão famoso parto. rs… Mas com o apoio q estou tento e cuidados vindos da família, médicos e meu amor, tenho certeza q o tão amado Pedro virá ao mundo com muita saúde.

Hoje estou com 31 anos, 31 semanas, 109 kg, carregando meu bebê muito querido e saudável e me sentindo maravilhosa.

gravida gordinha 4

gravida gordinha 5

Fotos: Neto Fernandez (externas) e Fernando Loureiro (estúdio)

44 Comentários

Arquivado em comportamento, Saúde, Uncategorized

Gravidez na Obesidade: a história de Simone Fiuza, modelo plus size

Por Renata Poskus Vaz

Neste Dia das Mães, convidei a modelo plus size Simone Fiuza, 28 anos, mãe do pequeno Davi, 8 meses, para contar como foi a descoberta da sua gravidez e gestação. Ela engordou 25 Kg na gravidez, teve aumento de pressão na reta final da gestação, mas no final, deu tudo certo! Leia:

“Davi chegou na minha barriga no dia 27 de dezembro de 2011. Sim, hoje eu sei a data exata! Cheguei a desconfiar alguns momentos, mas custava a crer que estava grávida. Em janeiro fui pra praia, piscina, o corpo estava todo no lugar, foi um dos melhores verões! Foi só em fevereiro que tive certeza e, após o primeiro ultrassom, ao ver meu filho pela primeira vez, o amor nasceu e não tive dúvidas que seria um menino.

Pesando 105 kilos, iniciei minha jornada de 9 meses!  Sentia enjôos matinais todos os dias até completar 3 meses. A azia foi constante, até meu filho nascer. Sofri com o inchaço e dores na lombar, mas em toda a gestação, jamais parei de trabalhar como modelo.

simone fiuza gravida

Simone desfilando no sexto mês de gestação

Nos primeiros meses de gravidez engordei de 1 à 2kg. Do quinto mês em diante passei a engordar exageradamente. Engordei mais de 7 Kg de uma única vez, no sétimo mês de gestação. Na última semana, já prestes a ter bebê, engordei mais 4 kg. Esse peso adquirido não foi do nada.  Eu comia sem passar vontades. Era panetone com coca-cola às 2h da manhã, hambúrguer do Mc Donald às 5 da manhã, pastel de feira, sushi, picanha, tubaína… Nem sei se isso realmente eram desejos de grávida, mas que eu “acreditava” que eram, eu acreditava.

panetone com coca

a prova do “crime”

Todos os meses levava uma bronca gigante do meu obstetra Dr. Ricardo Steban, que sempre me cobrava que controlasse meu peso. Ele me alertou muito sobre os problemas decorrentes da obesidade na gestação. Quase todos os meses fazia exames para prevenir qualquer mal que este excesso de peso poderia causar, cogitamos até pré-eclampisia, uma doença muito séria, que pode levar mães ao óbito. Mesmo com tantas advertências, eu não conseguia parar de comer.

simone fiuza

Gravidíssima em seu casamento

Fiz atividade física até o sexto mês. Depois, não suportei mais. Senti muitas dores na lombar, meus pés pareciam verdadeiros pães de batata e a barriga cada vez maior. Enquanto estava grávida, também organizei a minha festa de casamento. Tudo isso contribuiu com o aumento da minha ansiedade, com a compulsão alimentar e com os ponteiros da balança que não paravam de subir.

Em uma consulta de rotina em 10 de setembro, minha pressão estava elevadíssima, atingindo 19×10. Na época eu estava com 130 Kg. Meu obstetra ficou espantado e me encaminhou imediatamente para a maternidade. Após alguns exames, para preservar a minha saúde e não arriscar a do meu bebê, marcamos a cesariana para o dia seguinte. O sonho de ter parto normal se foi. No dia da cesárea, cheguei ao Pró-matre com muito medo do que estava por vir. Passei pela triagem sozinha. Mediram minha pressão, preenchi um formulário e me pesei novamente: 129 kilos, dá pra acreditar? Eu fiquei em choque! Mas achei que sairia da maternidade com uns 10 Kg a menos o que, claro, não ocorreu.

Fui vestir aquela roupa de hospital para entrar no centro cirúrgico e ela não serviu. Foi necessária uma adaptação, usando duas roupas na frente e outra atrás para cobrir todos os atributos! rsrsrs  Tentei sentar na cadeira de rodas normal e meu bumbum não coube. Meu Deus! Foi só então que notei o quanto fui irresponsável. Estava “quase” em pânico, mas meu obstetra me acalmou, pois permanecia bem humorado com a sua equipe. Foi um saco a colocação do cateter. Esse doeu! Mas a tão temida anestesia foi tranqüila. Senti uma leve picadinha nas costas e depois uma pressão e pediram pra eu deitasse o mais rápido possível. Tive ânsia e vomitei. Senti a equipe passando algo na minha barriga e jurava que estava sentindo tudo. Implorei para ele não me cortar. Eu achava que estava mexendo meus pés… É uma sensação bem estranha! Logo depois meu esposo entrou na sala de cirurgia com a câmera e filmou tudo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

As persianas da sala de cirurgia se abriram e lá estava minha mãe, sogro e sogra para verem o milagre da vida. Acredito que não demorou mais que 2 minutos e 50 segundos e ouvi o melhor som da minha vida, o choro do meu filho Davi. O meu príncipe nasceu às 13h05 do dia 11 de setembro de 2012. Quando se aproximou de mim não consegui conter o choro. Não tenho palavras para descrever este momento. Só quem é mãe vai entender.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 Foi tão mágico que nem me lembro quanto tempo fiquei na sala para darem os pontos. Foi muito mágico e rápido. Fui para a sala de recuperação e pedi ao meu marido que seguisse o Davi para onde fosse. Senti uma coceira no rosto, era o efeito da morfina passando. Depois de umas 3 horas fui para o quarto, ansiosa para pegar meu pequeno pacote nos braços. Meu quarto estava cheio de pessoas queridas: mãe, amigas, crianças, uma verdadeira festa para receber o pequeno príncipe! Foi um pouco dolorido depois da cirurgia, mas os remédios ajudaram muito. Fiquei três dias na maternidade recebendo o carinho de pessoas queridas e especiais. Sem contar que ganhei o melhor e maior presente que uma mulher pode ganhar, um filho!

davi 1

A cada mês do meu pototis, do meu reizinho, o amor aumenta mais e mais. Cada descoberta é uma alegria imensa. Até ele nascer eu acredita que conhecia o amor verdadeiro. Mero engano! Hoje eu tenho certeza que o meu coração bate fora do peito.  Quando nos tornamos mães, nasce uma nova mulher muito mais forte, que derruba e vence qualquer muralha por seu filho. Não tem explicação! O amor que sentimos é gigantesco, não tenho palavras para definir.  Acredito que o melhor papel que tenho feito na minha vida é ser mãe, e quero que esse amor se multiplique muito. Portanto, irmãozinhos para o Davi virão.

Emagreci cerca de 40 Kg desde que David nasceu, com reeducação alimentar e exercícios físicos e relato essa experiência em meu blog Papo de Modelo. “

simone e davi

simone fiuza antes e depois

7 Comentários

Arquivado em Saúde

Projeto Mulherão Saúde: em busca de um médico

renata saúde

Por Renata Poskus Vaz

Olá, meninas! Estou aqui para cumprir minha promessa de contar, todas as semanas, como está minha busca por um corpo mais saudável.

Quando decidi que ia dar um jeito na minha saúde, logo fui atrás de um médico. E não queria me automedicar e nem fazer dietas malucas que poderiam comprometer, ao invés de melhorar, a condição já debilitada do meu fígado.

Primeiro passo: marcação de consulta no posto de saúde público

No ano passado acabei ficando sem plano de saúde. Fui pesquisando, pesquisando, pesquisando e depois enrolando, enrolando, enrolando e não fiz plano de saúde nenhum. Mesmo que eu faça agora, vai levar um tempo até que possa utilizá-lo. Então, resolvi procurar um posto de saúde da prefeitura para agendar uma consulta com um clínico geral. Nem preciso dizer que fui super mal atendida. Compareci ao postinho mais próximo de minha casa e fui medida de cima em baixo pela recepcionista.

Mesmo não constando no site da Secretaria de Saúde da Prefeitura de São Paulo que os moradores só podem ser atendidos por postos de saúde da região do seu bairro, a atendente insistiu que eu deveria procurar um posto de saúde perto da minha casa. Eu posso até ter cara de burguesinha, mas moro na Freguesia do ó, poxa! rsrsrs E até provar isso a ela demorou muito. Comprovada a veracidade da minha residência, ela pediu que eu ligasse na semana seguinte para saber quando o posto de saúde abriria inscrições para as consultas. Segundo ela, após as inscrições abertas, eu poderia demorar até 2 meses para ser atendida. Ou seja, se eu tiver algo mais sério do que imagino, estou f*&¨%$#.

Segundo passo: marcação de consulta no médico particular

Enquanto não consigo marcar a consulta médica pela prefeitura, resolvi marcar uma consulta com um médico particular, muito bom, recomendado por minha amiga Alinne Rosa. Ele chama Roberto Ahualle e seu consultório fica no bairro do Tatuapé. Já fui tratada por Dr. Roberto que é um daqueles endocrinologistas corretos que te consulta por quase uma hora e te pede dezenas de exames antes de te prescrever qualquer tratamento. Foi Dr. Ahualle que me disse que eu jamais poderia, conforme desejava em minha fase autoestima zero de anos atrás, pesar 57 Kg. Segundo ele, que atende muitos descendentes de lituanos, nossos ancestrais são altos e corpulentos, sem perfil para um corpo magro. Para ele meu peso ideal seria 74 Kg. Para vocês terem idéia, 74 Kg para 1,72 ainda me enquadraria na categoria de sobrepeso, o que para Dr. Ahualle não deve ser levado ao pé da letra. Bacana, né?

Vou voltar lá.

A consulta custa 200 reais e dá direito a um retorno depois de 30 dias. Ou seja, é como se você pagasse R$100 a consulta.

Mudança na alimentação

Embora não tenha seguido nenhuma dieta, tentei melhorar a qualidade da minha alimentação. Consumi mais frango e menos carne vermelha, tomei muita limonada geladinha, comi muito pepino! Senti-me melhor! Quase nem senti vontade de comer doce. Bacana, né?

*****

Bom, semana que vem eu volto aqui para contar as novidades para vocês.

35 Comentários

Arquivado em Mulherão Saúde, Saúde

Projeto Mulherão Saúde: Esteatose Hepática (fígado gorduroso)

Por Renata Poskus Vaz

Primeiro dia útil do ano e com certeza essa também é a data em que muitas mulheres iniciarão suas dietas para perder peso ou desintoxicar o corpo por conta de tantas gostosuras calóricas e não tão saudáveis saboreadas durante as festas de natal e réveillon. Comigo não será diferente. E minha preocupação vai muito além de controlar os ponteiros da balança… Tem relação direta com minha saúde que, há algum tempo, não anda muito boa.

No ano passado visitei um médico endocrinologista preocupada com meu grande aumento de peso, sobretudo a concentração de gordura exagerada na parte superior abdominal, na região do estômago e fígado. Além de fortes dores na coluna, também sentia dores de cabeça terríveis quando ingeria muita gordura e sérias indisposições gástricas.

17 Kg mais gorda

renata poskus vaz mais magra

Acima, 17 Kg mais magra em 2009, sem photoshop

Em 2009, no início do Blog Mulherão eu pesava 72 Kg. Hoje, peso 89 Kg. Um aumento de 17 Kg em menos de 4 anos. Passei do manequim 44 para o 48/50. Engordei tanto que não agüentava mais dançar ballet. Suportar meu peso sobre uma única perna passou a ser impossível para mim. A coluna também mandava recados de que não ia bem.  Trabalhar o dia todo sobre um salto alto quando estava menos pesada já era cruel e com meu novo peso me incapacitava no dia seguinte para qualquer atividade.

Engordar não foi proposital, porém não há como não notar que os ataques que algumas blogueiras e outras invejosas faziam questionando minha condição gorda diminuíram drasticamente (sim, eu já fui discriminada por ser uma gorda em um mundo magro e depois passei a ser discriminada por ser uma magra em um mundo gordo). Mais gordinha, pude ver meu bumbum crescer, o corpo ganhar mais curvas e rosto ficar mais corado e jovial. Enfim, fiquei mais bonita gorda do que quando era magra, porém, a saúde não ia bem.

renata4

 Esteatose Hepática

Quando recorri a um endocrinologista, não imaginava que, na verdade, deveria ter recorrido a um gastroenterologista. O endocrinologista me pediu alguns exames de sangue e de hormônios. O resultado não apresentou alterações hormonais, de glicose, triglicérides ou colesterol, mas apontou para um outro problema: esteatose hepática, vulgarmente conhecida como gordura no fígado.

Esta condição do fígado pode ser gerada pelo consumo exagerado de bebidas alcoólicas ou por alimentação rica em gordura. Mais de 70% dos pacientes com esteatose hepática são obesos. Meu caso. Meu atual peso elevou minha condição de paciente com sobrepeso para paciente obesa.

 A retirada da minha vesícula aos 22 anos, que antes auxiliava a processar a gordura que eu ingeria, também é um fator que pode ter contribuído para esse quadro clínico. Os riscos principais da esteatose hepática são doenças decorrentes da inflamação do fígado, como a hepatite e outras lesões no fígado.

Isso me dá medo? Sim. Minha avó materna morreu de câncer no aparelho digestivo e a avó paterna dela também. Em nossa família também há muitos outros casos de complicações gástricas graves.

Recuperando a saúde

Embora tenha recebido esse diagnóstico há alguns meses e temer uma complicação, nada fiz para reverter esse quadro. Culpo-me por ter sido omissa comigo mesma. O excesso de trabalho e a falta de tempo me fizeram adiar o início do tratamento e de novos exames. A notícia boa é que essa predisposição de acumular gordura sempre existirá, porém, com dietas e acompanhamento médico, é possível controlá-la e não sofrer nenhuma complicação.

A dieta deve ser controlada. Não adianta cortar a gordura totalmente da alimentação, pois meu organismo sentirá essa restrição forçada e para se precaver pode estocar no fígado toda a pouca gordura ingerida, piorando meu quadro clínico.

Nesta semana, marcarei médicos e iniciarei um programa de nova vida saudável. Vou dividir com vocês aqui, toda segunda-feira, tudo o que fiz de saudável na semana anterior. Vou chamar de “Projeto Mulherão Saúde”. Sei que tornando meu caso público, poderei ajudar mulherões que padecem desse mesmo mal e também tenho certeza que receberei apoio e carinho de todas vocês.

Contar ou não que estou com a saúde afetada?

Perguntei-me várias vezes se seria ou não uma boa idéia dividir aqui que estou doente. Afinal, sou exemplo para muitos mulherões que me seguem. Tinha medo do impacto que poderia causar para alguém que recuperou a autoestima por meio do Blog Mulherão, ver que a autora do blog prega que é possível ser gorda e saudável se ela não está saudável. Cada caso é um caso. Da mesma forma em que há magros doentes, hoje, sou eu que estou debilitada.

Minha decisão de tornar isso tudo público é porque cansei de ver gente muito mais gorda e com problemas de saúde muito mais sérios do que os meus, mentindo sobre seu verdadeiro peso e divulgando que são absolutamente saudáveis, quando sabemos que isso não é verdade. Gente que forma opinião, que poderia ajudar muito mais gente se fosse sincera. Afinal, mentir para os outros e para si mesma é o pior veneno que alguém com a saúde debilitada pode sofrer.

Torçam por mim!

37 Comentários

Arquivado em Mulherão Saúde, Saúde

Saiba como me livrei do vício da coca-cola

Por Renata Poskus Vaz

Há algum tempo, fiz aqui no Blog Mulherão um relato emocionado (kkkk… que drama!) sobre meu vício exagerado de coca-cola. Para relembrar, clique aqui. O negócio era sério mesmo! Não passava um dia sem tomar coca-cola, ficava extremamente irritada quando não tomava a bebida. Ingeria cerca de 2 litros de coca por dia. Eu era uma espécie de drogada,  e quando ficava sem coca manifestava os mesmos sintomas de privação que um dependente químico de drogas pesadas sofre. Mas eu não ligava. Um copo de coca, para mim, compensava qualquer surtada.

Isso só mudou quando, ano passado, diante de uma dificuldade séria em minha vida pessoal, fiz uma promessa para Deus. Sou espírita e acredito que Deus não curte ver a gente passando por privações nessas promessas malucas. Ele não é sádico. Porém, achei que demonstraria toda a minha fé e consequente merecimento, se mostrasse que abdiquei de algo que amava em troca de uma graça. Parei de tomar a bebida no mesmo dia da promessa. Não quis esperar ser agraciada. Minha fé era grande.

Nos primeiros dias sofri bastante. Foi só então que percebi o quanto essa coca-cola é perigosa e por mais que a companhia que a fabrica e o Ministério da Saúde digam o contrário, essa bebida tem sim um poder de vício tremendo. Foram inúmeras vezes que tive pesadelo em que estava bebendo um copo geladinho de coca-cola e acordei me sentindo culpada. Uma vez, até chorei. Algumas vezes, sonolenta, chegava a abrir uma garrafa de coca-cola, me servindo, meio que seguindo uma rotina viciante. Depois de alguns segundos percebia que eu não queria beber aquilo. Estava habituada, apenas isso.

Quando meus familiares abriam uma garrafa, conseguia sentir o cheirinho da coca-cola e até cócegas no nariz por conta das bolhinhas de gás. O meu desejo era absurdo. Naquela época eu tomava muito pouco outros refrigerantes. O engraçado é que a gente substituí um vício pelo outro, não é mesmo? Passei a tomar tubaína, soda e citrus. Mas jamais na mesma proporção que tomava a coca-cola.

As primeiras semanas sem coca custaram a passar. Depois de 2 ou 3 meses eu já não tinha mais vontade de tomar essa bebida. Porém, fazia planos para o dia em que eu poderia voltar a tomá-la. Até que 1 ano se passou. No dia final da promessa de 1 ano sem coca-cola, fiz planos de tomar um copão geladinho, mas não tinha coragem. Nisso, se ´passaram 1, 2 semanas… 3 meses! E quando finalmente tive coragem de beber um copo de coca-cola, a surpresa: pensei que estava estragada! O gosto era péssimo. Se madeira tem gosto, deve ser aquele. Pensei que estava vencia e só consegui dar um gole. Na outra semana, mais um teste e novamente senti o mesmo gosto ruim. Depois, tentei com Pepsi e a mesma sensação estranha.

Enfim, nunca mais tentei tomar coca-cola e acho que meu corpo finalmente se livrou daquele vício. Agora, já estou pronta para o próximo passo, que é deixar de tomar os outros refrigerantes.

33 Comentários

Arquivado em O que rola por aí, Saúde, Uncategorized