Arquivo da tag: concurso de miss

O que uma Miss Plus Size tem que ter?

Por Renata Poskus Vaz

Depois do último Miss Brasil Plus Size, algumas garotas me perguntaram as qualidades que uma plus size precisa ter para ser coroada Miss.

Quando fui chamada pela primeira vez por Alberto Conde para ser jurada de um de seus concursos, tive a preocupação de pesquisar bem sobre os predicados que uma miss precisa ter. Eu queria ser justa. Aprendi muitas coisas, estudando e observando e vou dividi-las com vocês

Beleza

Por incrível que pareça, beleza não define concurso de Miss. Beleza do corpo e do rosto são dois entre diversos quesitos avaliados pelos jurados. Entretanto, existe sim um padrão esperado. Eu só vi até hoje uma vencedora de concurso de miss plus size aqui no Brasil com o cabelo curto, a Miss Rio Grande do Sul Ariane Plangg.

ariane plangg miss plus sizeMiss Rio Grande do Sul Ariane Plangg

O encantamento dos jurados se dá com mulheres de cabelos longos e volumosos, corpo formato ampulheta, com busto farto, cintura fina e quadril largo. Os organizadores não pedem que escolham uma miss com essas qualidades. Mas está bem claro a tendência a simpatizar com mulheres que se lembrem com as Misses de concursos tradicionais. As 3 vencedoras do concurso Miss  Brasil Plus Size são assim Babi Monteiro, Aline Zattar e Isabelle Campestrini.

A verdade é que Concurso de Miss Plus Size não tem espaço para pessoas exóticas, tatuadas, baixinhas, com barriga grande (como a maioria das gordinhas), nem com muita celulite… Elas dificilmente ganhariam esses concursos.

Isso não deve causar revolta. Cada concurso tem um padrão. O que pode se fazer é criar outros concursos que contemplem outras belezas.

aline zattar miss plus sizeAline Zattar Miss Brasil Plus Size 2013

Cor da Pele

Infelizmente, da mesma forma que não temos quase representantes negras no concurso nacional das Misses magrinhas o mesmo parece acontecer na versão plus size. Não há quase candidatas negras o que já diminui bem a probabilidade de alguma ganhar a coroa. E a pergunta que fica é, será que mesmo que tivéssemos muitas candidatas negras, lindas e preparadas, alguma ganharia? Torço para que esse dia chegue rápido.

Elegância

Pronto. Aí está um quesito que pode sim definir um concurso de miss: a elegância. Desfilar bem, se posicionar adequadamente, posicionar mãos de forma delicada, acenar e virar a cabeça como uma princesa… Parece fácil, mas não é.

Uma mulher elegante tem uma presença tão impactante que é capaz de suprir até mesmo a própria falta de beleza. Ela “vende” a ideia de que é poderosa e todos acreditam.

babi monteiro miss plus sizeBabi Monteiro Miss Brasil Plus Size 2012

Modelo x Miss

Gisele Bündchen nunca ganhou um concurso de miss e é a modelo mais poderosa do mundo. Desencanem dessa ideia de que para ser modelo você tem que ganhar um título de miss. É claro que o título ajudou as primeiras modelos a se projetarem mas, agora, em época de 365 concursos de beleza de gordinhas, o que conta mais é o empenho no gerenciamento de sua carreira do que a coroa em si.

Outra coisa importante a salientar é que muitas modelos com experiência se comportam como se estivessem na passarela do Fashion Weekend Plus Size no concurso de Miss, esquecem daquela delicadeza, do andar calmo e elegante que só uma Miss tem.

isabelle campestrini miss brasilIsabelle Campestrini

Saber falar

Não adianta, miss tem que saber falar direito. É melhor falar pouco do que ser prolixa e dar umas derrapadas doídas na língua portuguesa. Miss tem que ser (ou pelo menos parecer) inteligente. O problema é que quem não é inteligente, mas pensa que é, não percebe a diferença enorme de si mesma para aquelas que falam corretamente.

Roupas adequadas

Desfile de miss exige grande investimento. A candidata tem que estar preparada para investir em belos e caros vestidos, maiô e roupas casuais. Tem que usar um belo par de sapatos e acessórios de dar inveja. A roupa não está em julgamento, mas ela complementa o visual e ressalta as qualidades da miss.

Manequim

Concurso de Miss Plus Size não é concurso de peso, em que a mais gordinha ganha. Aliás, a maioria das candidatas não usa mais do que manequim 50.

Espero que tenham gostado das dicas!

4 Comentários

Arquivado em Concurso, Curiosidades

Vendo faixa de Miss Plus Size. Tratar aqui!

Por Renata Poskus Vaz

Miss Traga Plus Size, Miss Quece Plus Size, Miss Culhamba Plus Size, Miss Treça Plus Size… Escolha aqui a sua maravilhosa faixa de Miss Plus Size! Escolha a sua categoria, o tema, a cidade, com ou sem glitter! Baratinha, Baratinha!

É isso aí, minha cliente, você compra a sua faixa, já sai com ela pendurada no pescoço e eu ainda te dou o direito de dizer que a conquistou esse título por seu maravilhoso trabalho junto ao segmento plus size. Afinal, não é todo mundo que tem um público de seguidores tão grande assim: sua mãe, seu pai, seus oito irmãos… Uma legião!

Só não demore, cliente. Compre logo. Ou vendo para outra. O que não falta aqui é gorda sedenta por faixa.

Eu sei, parece cômico. Mas é quase isso que acontece por aí. Antes de mais nada, esclareço que existem produtores de eventos muito bons no segmento plus size, que realmente vestem a camisa, que organizam competições sérias e não saem distribuindo faixas por aí, sem critério. Os bons, graças a Deus, são maioria. Mas há uma meia dúzia que insiste em sair comercializando ou cedendo com interesses pessoais faixas de Miss para meninas que podem até ter talento, mas que são um tanto quanto despreparadas. Dificilmente essas garotas conquistariam prêmios logo de cara, se submetessem às competições de concursos sérios.

Soltas por aí com suas faixas compradas/dadas não se portam adequadamente, algumas acabam prejudicando o trabalho de quem se dedica muito e defende com profissionalismo essa área.

A necessidade atual de ter uma faixa de Miss é como a do passado, em que as gordinhas queriam ser modelo plus size a todo custo. Vocês se lembram (ainda acontece, né?)? Antigamente, toda gordinha queria ser modelo plus size para esfregar na cara da sociedade o quanto era boa, linda e poderosa. E faziam qualquer coisa para realizar esse sonho, desde trabalhar de graça até pagar para trabalhar, ou até fingir que um simples book era de fato um trabalho para alguma grife. Hoje há uma nova versão da gordinha modelo. É a gordinha Miss. Já não basta fazer um trabalho como modelo, ela precisa ostentar transpassada em seu corpo uma faixa cheia de brocados, nem que seja de uma cidade que ela nunca ouviu falar na vida.

Eu me recordo de uma situação interessante em um famoso concurso (olha a fofoca!!!). Uma das vencedoras do concurso de beleza era escolhida entre as próprias candidatas. Ou seja, as candidatas à Miss escolhiam uma das amigas concorrentes para ganhar um dos títulos. Minutos antes da votação, uma das candidatas passou a chorar e usar seu latim convencendo as amigas do quanto aquele título era importante para ela. Chorou, soluçou, falou com cada uma das candidatas. Uma amiga querida e muito próxima que participou daquele concurso, me disse: “Renata, eu pensei que se não votasse nela, ela iria se matar, morrer… Fiquei com dó”. E ela não foi a única que me disse isso. A candidata conquistou sua faixa por dó, piedade das amigas e não porque era realmente merecedora do título. Mesmo assim, a garota subiu ao palco sorrindo e mandando acenos, como se tivesse conquistado de forma justa aquele prêmio. Essa impressão nunca deixa as pessoas. Não adianta tentar ludibriar porque a verdade sempre vem à tona e o merecimento daquela faixa, mais cedo ou mais tarde, sempre será questionado.

O prazer de carregar um título todas querem, mas nunca vi uma Miss Plus Size fazendo um trabalho voluntário (inclusive minhas amigas pessoais que já ganharam títulos, acho que a única que fez algumas ações do gênero foi a Babi Monteiro). Não, eu também não faço nada para ajudar ao próximo e não me orgulho disso. Mas na história dos concursos de Miss sempre esteve muito claro esse objetivo de ajudar ao próximo. E se as Miss Paçoca me disserem: “ah, mas mostrando minha beleza estou ajudando outras mulheres a se aceitarem”. Não, não é verdade. Mostrando sua beleza você está valorizando seu passe para trabalhos como modelo no futuro. Você está ajudando a si mesma, apenas. 

A obsessão pela faixa é como a obsessão pela autoestima perdida. Mas a autoestima não está fora de você. Não adianta forçar isso. Ela tem que estar dentro e se não está, ser Miss não é a melhor forma de tentar reencontrá-la. Afinal, mesmo que falsa, um dia você terá que passar sua faixa e deixará seu ilusório título. Ou então, comparecerá a um evento e verá outras dezenas de gordas com faixas de Miss Paçoquinha, como a sua. Se você queria ser única, voltará a se sentir comum no mundo das faixas de gorda.

Curto concursos sérios e acho bacana quem se inscreva neles e prefira o risco de ser perdedora em um concurso real, do que a certeza de ser vencedora de um título de brincadeirinha.

Hey, antes que coloquem meu nome na boca do sapo, deixo bem claro que este texto não é para alguém em especial. É para todas nós e que sirva de reflexão.

Update: Pouco antes de postar esse texto aqui no Blog Mulherão, eu havia tido uma discussão em um post de uma carioca chamada Ingrid Gomes. Ela postara uma faixa recebida de um organizador de concursos locais, que a nomeou “hous concours” (é assim que se escreve?) e eu questionei essa distribuição indiscriminada de faixas.

Rolava uma patadinha aqui, outra ali, mas todo mundo, dentro do possível, debatendo numa boa.

O bate-papo rolou a madrugada toda e se estendeu até hoje, na página de outra menina que também é dentetora de uma faixa (leia aqui) Lá, deixei bem claro para ambas que meus questionamentos não era algo pessoal, que existem muitas mulheres na mesma condições que elas (com faixas dadas/compradas/presenteadas sem concorrência), que eera um apontamento genérico e que eu estava apenas apurando e comentando o que minhas leitoras me descreviam. Enfim, a resposta de Ingrid Gomes:

renata poskus

Como disse para Ingrid, essa resposta ficaria aqui até ela reconhecer que atingir a honra/religião de alguém é um crime previsto em lei. As pessoas podem questionar meu trabalho, mas jamais minha honra e tampouco zombar de minha religião que é sagrada e protegida por Deus e pela Lei.

Em nenhum post meu, nem mesmo nos mais acalorados, ofendi o ser humano Ingrid Gomes. 

16 Comentários

Arquivado em Concurso