Arquivo da tag: inveja

Oferecer a outra face ou mandar para a p.q.p?

Renata Poskus

Por Renata Poskus Vaz

Mesmo quem não é cristão,  no Brasil, cresce ouvindo os ensinamentos de Jesus. Na escola, em casa, na rua, sempre vai existir alguém te dando um conselho que, na verdade, leu no evangelho ou reproduziu sem nem ao menos saber de onde vem.

E eu sempre achei isso tudo uma chatice. A morte para mim era ouvir o “ofereça a outra face”, quando um “inimigo” me agredia. Eu achava tão babaca essa história de oferecer a outra face! Pensava: “ah, tá, Jesus não tinha que aguentar esse povo que eu aguento. Eu serei uma babaca se não revidar!”. E estava lá eu seguindo a Lei de Talião e distribuindo sopapos para todo lado.

Se você não sabe o que é a Lei de Talião, eu te explico.  É a lei do “olho por olho, dente por dente”. As primeiras inscrições sobre essa lei datam de  quase 2 mil anos a.C. Então, a sugestão de Jesus de “oferecer a outra face”, veio para tentar reverter essa história de fazer justiça com as próprias mãos, vingança e retaliação.

Só que eu,  toda trabalhada no rancor (não fui sempre assim, mas por uma série de fatores fui ficando meio azedinha), acabei adotando e praticando com afinco a lei do “olho por olho, dente por dente”. E nessas, com o tempo, de tanto “olho por olho,  dente por dente”, acabei cega e banguela. E quem não enxerga e não tem dentes para de perceber a beleza da vida e o sabor doce que ela pode ter.

Sempre, desde pequena, atrai inveja, cobiça e a ira de muita gente (sou linda e inteligente, desculpa, fazer o quê?!  :p ). Eu me recordo, por exemplo, de quando tinha uns 7 anos de idade e fui à uma festinha de uma criança do  meu prédio. Eu era uma garota boazinha. Lá, a mãe de uma menina, alcóolatra, começou a ridicularizar a mim e ao meu irmão. Dizia: “a roupa de vocês é descartável? A cada festa vocês estão com uma roupa nova? Vocês se acham melhor do que os outros?”. Hoje, como adulta, imagino que aquela mulher estivesse com inveja, ou até mesmo decepcionada consigo mesma, em ver que minha mãe podia nos dar uma roupinha nova a cada festa e que ela não poderia fazer o mesmo por sua filha. Mas na época eu era uma criança e simplesmente não entendia aquele ataque desnecessário. Eu nem percebia que estava com roupas novas enquanto outras meninas usavam roupas repetidas. Isso é coisa de adulto! Eu chorei,  guardei aquelas palavras e jurei para mim mesma: “quando eu for grande, ninguém vai falar assim comigo”.

E eu fui crescendo e “aprendendo” a me defender atacando. Com o Blog Mulherão, ataques injustificáveis, inveja, ira e provocações contra mim continuaram. Coisa baixa mesmo, de gente medíocre que precisa atacar e acabar com a vida dos outros para se sentir menos insignificante. E eu que trabalho certinho, com muita dedicação e afinco, me sentia injustiçada. Dava valor demais para quem não merecia. Respondia, atacava, brigava, pois acreditava que eu tinha direito à retaliação. E de certa forma, até tinha mesmo. Mas no final, eu sofria. E era muito sofrimento mesmo, que me causava noites de sono mal dormidas, minha saúde, minha paz.

Ao não dar a outra face, eu recebia toda aquela emanação de ódio e a cultivava e a alimentava, dentro de mim. De repente, eu não era mais vítima, mas algoz. A minha própria algoz!

Não foi em um dia ou dois que eu reavaliei tudo isso. Demorou muito tempo. E não é fácil como se imagina. Dizer um: “não sinto ódio” é bem diferente de não sentir mais ódio. Mudar o discurso é fácil, mas o coração… Ah, isso leva tempo e um bocado de esforço. Percebi que a gente só sente ódio de quem a gente ama, por conta da decepção, da frustração, traição. Então, porque não transformar esse ódio em amor, novamente?

Não há como se sentir ódio de um estranho, alguém que não represente nada para a gente. Para essas pessoas, por quem não sentia nada, aprendi a trabalhar o desprezo. E desprezo não é querer mal, é simplesmente não se importar.

Alguém me mandou uma mensagem negativa, me atacando? Conheço? É importante para mim? Se não é, eu ignoro e desprezo. Se for importante para mim, eu converso (sem patadas, sem ódio, com o coração aberto).

Alguém veio me falar que fulano falou sei lá o que de mim? Desprezo quem possivelmente falou e quem trouxe a fofoca também, porque quem alimenta intrigas é possivelmente muito pior do que aquele que proferiu a inverdade.

Também comecei a me reaproximar de pessoas que eram importantes para mim, que eu amava, mas por conta desse bate e leva, amor e ódio, me afastei. Perdoar e ser perdoado, de verdade, é legal pacas. A gente percebe que é possível refazer nossa história. Se não é reescrevendo um novo começo, que seja construindo um novo final (acho que li isso em um livro).

Não, não sou santa. Ainda me pego pensando cada maldadezinha que vocês não fazem ideia. Todo dia ainda quero mandar alguém para a puta que pariu longe. Tudo é questão de treino. Mas sou um mulherão de verdade e quero, posso e preciso me aprimorar sempre. 😉

9 Comentários

Arquivado em comportamento

Inveja mata

Por Keka Demétrio

Mulher é um ser tão sagrado que foi escolhido por Deus para gerar vidas, e, no entanto, ao invés de admirarmos umas às outras, darmos as mãos em busca de um mundo e uma vida melhor para nós e nossos filhos, sentimos demasiado prazer em criticar, humilhar, guerrear e cobiçar o que a outra possui.

Quantas e quantas mulheres se arrumam para fazer as outras invejarem sua roupa, seu cabelo, seu corpo, sua pele, sem se quer se lembrar que a inveja é um sentimento que devemos repudiar, porque sua energia é pesada e traz mal estar. Eu sei que não é fácil dominar este sentimento, principalmente se você não está de amores consigo mesma, porém, é uma luta interna necessária, porque te prejudica e faz ficar mais para baixo do que já está. Ao invés de invejar alguém, transforme isto em admiração, porque enquanto a inveja destrói, a admiração impulsiona.

Tem gente que sente tanta inveja que seu maior prazer é denegrir a pessoa invejada. É uma forma de, dentro da sua imbecilidade e inconsciência, diminuir o outro, e essa pequenez o faz feliz. Porém, é tão digno de dó quem age assim, porque nem percebe que o caminho deveria ser inverso, procurar se elevar e não se rebaixar ainda mais.

Inveja mata. Sim, mata sonhos, mata amores, amizades, companheirismo, coleguismo, mata vidas, porque a verdade é que a inveja amarga a boca, o coração e a alma. Antes de invejar, analise, busque saber por que determinada pessoa te provoca esse gosto ruim na boca, o que falta em você que tanto procura na vida dos outros? Acha mesmo que passando sua existência desejando o alheio vai te fazer conquistar tudo o que deseja e sonha? Enquanto estiver presa nesta vibração causada por sentimentos menos nobres, jamais vai encontrar dentro de si a capacidade de realização, a força necessária para lutar por si mesma e a sintonia tão necessária e fundamental com DEUS.  Não quero dizer que não deva ser uma excelente profissional, nem que não possa sair de casa linda, maravilhosa, perfumada e arrasando, acho que deve e tem que fazer isto todos os dias, mas por você, primeiro e exclusivamente por você.

Antes de tapar suas imperfeições físicas com produtos de beleza, lembre-se que falhas de caráter não podem ser encobertas, que não adianta fortalecer os músculos dos seus glúteos e deixar enfraquecer sues valores morais e éticos, de que não adianta dentes brancos e bem cuidados se seu sorriso não for verdadeiro, se de sua boca não sair palavras de incentivo, de amor, porque são estas atitudes que farão com que as pessoas te queiram bem, queriam você por perto, queiram experimentar o sabor da sua companhia, porque você exala e inunda o ambiente com sua luz. E não se preocupe, não serás atingido pela inveja daqueles que não conseguem ser otimistas como você porque você estará sorrindo com os olhos, e quem sorri com os olhos está blindado com a força do amor.

38 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Preconceito, Relacionamento

O silêncio é de ouro

Por Keka Demétrio

Quando temos sonhos e queremos realizá-los, temos o hábito de sair contando pra todo mundo. Porém, sempre ouvimos as pessoas dizerem que não devemos ficar divulgando nossos sonhos, e de como iremos realizá-los, porque as pessoas são invejosas. Tá, existe um monte de gente que esquece a própria vida e passa os dias desejando a alegria dos outros, feito vampiros sugando energia alheia. Mas existe um outro fato que sempre me deixou triste: a mania que as pessoas têm de dizer que somos incapazes.

Ok, eles não dizem com todas estas letras, porém, a colocação de hipotéticas dificuldades que você poderá enfrentar tem o mesmo efeito.  Isso nos deixa fracos, começamos a duvidar da nossa capacidade e se não tivermos fé em nós e em DEUS não conseguimos mesmo realizar estes sonhos.

Não importa a cor da sua pele, dos seus cabelos ou dos seus olhos, não importa o número da sua calça jeans, você é filho de DEUS e só por isto merece no mínimo o melhor, no mínimo a realização de todos os seus sonhos. Portanto, acredite em você, acredite que vale a pena, transforme qualquer empecilho em sabedoria, se preciso for chore, chore muito, jogue pra fora tudo o que está te amargurando, oprimindo, peça para que estas lágrimas limpem o seu coração, alivie seu ombro, e abra sua mente.

Quando abrimos a mente é como se arejássemos os canais de comunicação com o universo e fica mais fácil a conexão, o vislumbre das soluções, das oportunidades, dos caminhos certos.

Tenho observado várias pessoas admiráveis e ao tentar entende-las percebi que o que as difere dos outros é justamente não darem ouvidos aos outros, não por teimosia, ou prepotência, mas por acreditarem ser capazes de realizar os desejos de seus corações.

Eu sei que não é fácil, eu mesma tenho momentos de dor, de solidão, de tristeza, mas passo por todos eles com a certeza de que o tempo não para, e por isto mesmo tudo se transforma e edifica quando acreditamos que tudo vai dar certo. Aliás, já está dando certo, porque o mais importante é crer que maravilhas acontecem a todo instante.

23 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir, Relacionamento

Busque o que é digno de você!

Por Edu Soares

Pode parecer redundante, mas faz sentido: vejo pessoas com grande potencial que perderam um futuro que tinha tudo para ser primoroso justamente devido àquilo que elas tinham de melhor: o potencial. Essa gente parece brindar a vida com champanhe de talento numa taça de soberba. Com o tempo, acontece o óbvio: a bebida acaba e resta apenas o excesso de confiança e como todos sabem esta geralmente leva qualquer pessoa ao fracasso iminente.

Também não é raro encontrar gente com potencial enorme que sucumbe diante das criticas feitas por invejosos portadores de pessimismo desmedido. Em ao comparação ao exemplo do primeiro parágrafo, o segundo caso pode ser até pior, pois a pessoa sabe do seu potencial, tem na humildade o alicerce para o sucesso mas (talvez por imaturidade) as quedas surgem a cada critica não construtiva, não conclusiva e não condizente com a verdade. Ou você acha que a inveja tem coerência/conclusão/incentivo?

Se você faz parte do “potencial soberbo”, pode parar a leitura a partir de agora. Não perco tempo com pessoas que se consideram aquilo que nunca foram (e provavelmente nunca serão). Agora, pra você que lê estas linhas e faz parte do “potencial influenciável”, cito um trecho filosófico do filme Rocky Balboa. Pouco antes da grande luta, o ex-ex-ex-ex campeão discursou assim para seu incrédulo (e mala-sem-alça) filho:

“ Vou te dizer algo que você já sabe: o mundo não é um arco íris. É um lugar ruim e duro. Não importa o quão forte seja, vai colocá-lo de joelhos e vai deixá-lo lá. Ninguém vai bater mais forte que a vida. Mas não importa como bate e sim o quanto aguenta apanhar e continuar tocando. O quanto pode suportar e seguir em frente. É assim que se ganha! Se você tem valor, busque o que é digno de você. É preciso estar disposto a apanhar e não levar dedo na cara, dizendo que não é o que deseja por causa de ninguém. Covardes fazem isso e você não é assim! É melhor que isso!”

Todo santo dia a vida lhe oferece um leque infindável de promissoras opções. Sabendo disso, simplesmente acredite em você mesmo, caso contrario você nunca terá uma vida.

11 Comentários

Arquivado em comportamento, Para Refletir

O preço da fama

Grazi Barros 2Por Grazi Barros

Minhas amigas, grandes mulherões,

NAMASTÊ!

Vim aqui, neste momento, postar não um texto, mas um alerta e protesto: cuidado com a fama, ela tem um preço e ele pode ser muito caro e irreversível. Falo isso porque desde que entrei nesse movimento plus size tenho visto cada situação de mediocridade, uma competição, uma disputa em aparecer, uma INVEJA, melhor dizendo: uma falta total do que fazer.

Não entra na minha cabeça isso! Não vai entrar nunca! Não consigo entender que por fama, por competição, por INVEJA, as pessoas acabam traindo, se “vendendo”, se odiando… Como um “amigo” pode trair outro por fama, por glamour, por ILUSÃO? Como as pessoas podem “vender” uma amizade, como e pra quê? Doce, doce, muito doce ilusão!

Amigas, a fama passa… Competição e INVEJA só existem na cabeça de quem não tem capacidade suficiente porque quem tem capacidade suficiente não tem medo de nada porque sabe que há espaço para todos e se garante. Gente, pra que tanto ego? Onde isso vai parar? Por que as pessoas precisam tanto aparecer? A quem elas querem provar algo? Por que tanta necessidade de aprovação e admiração?

Não consigo achar respostas, na minha cabeça isso é ilusão total e me perdoem: pobreza de espírito.

Mulherões, por favor, não vendam suas almas, sejam felizes, humildes, simples e muito amigas, afinal, quem é realmente competente e tem potencial sempre tem o seu  espaço, NÃO É PRECISO TEMER, MUITO MENOS INVEJAR, NEM COMPETIR, NEM DISPUTAR, NEM FERIR, NEM TRAIR!

A vida passa… Um dia tudo isso acaba, mas a alma sempre permanece. Um beijo enorme no coração de todas. Contem sempre com meu carinho e minha amizade.

ALOHA!

11 Comentários

Arquivado em comportamento