Arquivo da tag: Manequim

Retenção de líquidos? Não, você está gorda mesmo!

retenção de liquidos 1

Por Renata Poskus Vaz

Como vocês sabem, eu trabalho com modelos plus size. É comum contratar uma modelo e só na hora do trabalho percebo que ela está 2 manequins maior do que aquele que ela informou ao se candidatar para a vaga. Tenho que ser rígida. Se estou contratando uma modelo manequim 50 não posso receber uma 46 e nem uma 54. Então, indago (se bem que a resposta é óbvia, mas pergunto mais para justificar um possível corte): “engordou, fulana?” e a modelo responde: “não, é que estou para ficar menstruada e estou retendo líquido”.

A desculpa não rola. Primeiro porque modelo assume um compromisso com seus contratantes, ela precisa manter medidas para trabalhos, não pode nem engordar e nem emagrecer (poder pode, mas deve atualizar material e fornecer sempre medidas atualizadas) ou então tentar outra profissão. Muitas roupas são confeccionadas na medida exata da modelo e oscilações severas de peso, seja para baixo ou para cima, podem estragar toda uma produção. Sim, o mundo da moda é rígido e não perdoa nem as gordinhas.  Se as modelos plus size querem ser tratadas como iguais, devem se adequar à essas exigências.

Além disso, nós, mulheres, menstruamos todos os meses. Então se o inchaço é tão severo a ponto de te fazer reter líquidos todos os meses de forma tão exagerada, o melhor a se fazer é procurar ajuda médica. Afinal, uma retenção de líquidos drástica pode desencadear outros problemas graves de saúde.

Quer um exemplo?

Eu sou gorda, mas também tive uma crise séria de retenção e ainda investigo possíveis  problemas circulatórios. Este é  meu lindo pezinho (nojento!) no início do ano:

pé

Você que não  é modelo plus size, não tem um compromisso de manter medidas com ninguém. Se você não tem retenção de líquidos, ou se tem mas não o suficiente para engordar tanto em tão pouco tempo, não use isso como desculpa para o fato de estar gorda. Você não precisa mentir ou se envergonhar de ter engordado. Você  não vive do seu corpo e ninguém paga as suas contas!

Se alguém, no dia a dia, te perguntar se engordou, em uma situação que não vá fazer diferença alguma para quem está te perguntando, não se justifique como se você fosse culpada por estar acima do peso. Não invente doenças e síndromes. Você é uma mulher comum,  não é modelo, tem o direito sobre seu corpo e sua saúde. Não estou cobrando que você seja uma militante da banha, apenas não minta para os outros e para si mesma.

Você pode ficar quieta,  ignorar a pergunta, ou na lata dizer que o cara é um intrometido. Eles já imaginam o porquê de você estar gorda, só estão testando a sua sinceridade. 😉 Ninguém assume os brigadeiros que come, masbota a culpa na retenção hídrica. Seja sincera com você! O resto, é  apenas resto. 🙂

3 Comentários

Arquivado em Saúde, Uncategorized

“Litha, você emagreceu tanto, o que você fez?”

Por Litha Bacchi

Faz mais ou menos 1 ano que muitas leitoras vêm me perguntar isso. Eu me esquivei da resposta por muito tempo. Acho que, principalmente, porque eu ainda não tava vendo eu no meu novo corpo. Eu tinha aceitado que era gorda, eu estava feliz, era a minha identidade (não que eu tenha virado magra, longe disso, era apenas um corpo que eu não reconhecia mais).

Eu não fiz cirurgia. Eu não fiz dieta. Eu não tentei emagrecer. Foi uma combinação de fatores e muitas hipóteses. Eu me mudei pra Londres em setembro/outubro de 2012 e minha vida mudou muito.

1) Eu parei de tomar pílula anticoncepcional, pois aqui não dá pra entrar na farmácia e comprar, tem que ter receita médica todo mês. Fiquei enrolando pra ir e acabei decidindo não tomar mais mesmo.

2) Tenho uma doença auto imune na minha tireoide, que melhora ou piora por motivos que nunca dá pra saber direito quais são. Pois ela deu uma melhorada depois que eu vim, eu não sei o porquê. Eu tomava 150mcg de T4 e agora eu tomo 100mcg.

3) Londres tem muito mais escadas do que Porto Alegre. Eu faço muito mais baldeação no transporte público do que em Porto Alegre. Eu não tenho mãe ou amigos com carro, e o táxi é caro, então só ando de transporte público.

4) Eu comecei a trabalhar no setor de alimentação, primeiro num fast food, depois como garçonete. A gente passa muitas horas de pé, carrega peso, sobe e desce escada, limpa tudo, etc.

5) Eu não tenho mais comida à vontade, porque sou eu que compro a minha própria comida. Antes a minha mãe mantinha a geladeira cheia, às vezes até me dava o cartão dela pra eu mesma ir no super mercado e comprar tudo o que eu queria. Por incrível que pareça, quando eu era mais gorda eu comia muito melhor. Eu vivia comprando todos os tipos de legumes, carnes, peixe, etc, e tinha uma alimentação muito variada.

Quem nunca foi solteiro morando sozinho, que jogue a primeira pedra: mas comida não é um gasto prioritário pra mim. Eu compro comida o suficiente pra me manter alimentada, e como tudo o que posso quando é de graça (trabalho em restaurante). Perto de casa uma caixinha de frango frito é 1 libra, um pacote de cookies é 59 pence. Comida congelada é baratíssimo. Mas eu como menos do que eu comia antes. Não tenho uma alimentação tão boa, mas como menos.

Eu não tentei emagrecer, a vida me emagreceu. Talvez a vida me engorde de novo. Eu parei de perder peso espontaneamente e estabilizei. E também não estou tentando perder peso nenhum. Eu absolutamente detesto falar de dieta e métodos para perder peso porque isso me traz uma sensação muito ruim da parte da minha vida onde eu não me aceitava e me sentia muito triste. Por isso eu ignorei muitas vezes quando me perguntavam, ou dei alguma resposta curta. Porque o assunto me faz mal. Resolvi escrever esse post pra esclarecer e evitar que me perguntem novamente. Espero que entendam, mas o assunto “emagrecimento” me traumatizou muito durante a vida e não é algo que eu queira conversar sobre de novo.

8 Comentários

Arquivado em comportamento, Saúde, Uncategorized

E na Manequim…

Por Dani Lima

… têm Celina Lulai, modelo da grife Program e amiga do Mulherão!!

Estava eu nas minhas andanças e leituras diárias pela web, e quão grande não foi minha surpresa ao ver a Cê estampando um editorial sobre tamanhos grandes na revista Manequim! Eles utilizaram 14 peças para montar 10 looks diversos, evidenciando princípios básicos da moda para gordinhas, como marcar cintura – adoro! – e sandália nude, tal como looks monocromáticos, que dão efeito lift and shape, alongando as nossas silhuetinhas! rs

Adorei o editorial, assinado por Marcela Belleza com a pequena ressalva da indicação de um lenço de seda como frente única. Têm mulherão que pode e têm mulherão que não pode, então, vale usar o bom senso e aplicar ao nosso guarda-roupa o que veste bem o nosso corpo, partindo das dicas oferecidas! 😉

E a Cê tava linda… olhem só algumas fotos:

Pra conferir o editorial completo, seguido das dicas, clica aqui óh!

20 Comentários

Arquivado em Moda e estilo, Modelo GG