Arquivo da tag: nudez

Gordas Peladas

gorda pelada

Por Renata Poskus Vaz

Gorda pelada é linda. Principalmente quando ela se ama de verdade, com orgulho de cada curvinha do próprio corpo. Gorda pelada exuberante é aquela que deixa de lado a preocupação com qualquer excesso. Uma celulite aqui, outra ali… Ou muitas! O que importa? Nada! Não há amor próprio que se contenha muito tempo apenas dentro da alma… Amor próprio irradia, domina nosso sorriso, nossas curvas, nossa pele… Ficamos lindas quando nos amamos. E porque esconder tudo isso?

Nudez não é pecado, não é feia, não é imoral. Quando é exposta de forma delicada, sincera, sem desculpas. Quer ficar pelada, ser fotografada? Fique. Fotografe-se para você, para o namorado ou para expor na internet… Se há uma exibicionista dentro de você, não a contenha. Apenas, rogo, não invente que está fazendo isso por uma causa social.

No Outubro Rosa, minha timeline do Facebook foi invadida por fotos de amigas modelos gordas seminuas, segurando os seios, dizendo que era em prol da Campanha pela Prevenção do Câncer de Mama. Será realmente que minhas amigas modelos gordinhas queriam ajudar na conscientização ou desejavam se expor, fazer marketing pessoal etc? Uma mulher segurando os seios te induz a se autoexaminar? Lancei, então, o desafio para que elas divulgassem seus resultados de ultrassom mamário ou mamografia e ninguém mostrou. Se bobear, elas não fazem o que propagam.

Ontem, 4 Misses eleitas pelo concurso Miss Brasil Plus Size Oficial organizado por Renata Issas, posaram em frente ao Planalto, de calcinha, segurando os seios. Todas com suas faixas e coroas. A foto foi estampada em diversos jornais e sites e, amanhã, elas serão entrevistadas por Fátima Bernardes no programa Encontro, na Globo. A justificativa para terem posado seminuas foi o de combater o preconceito. Duas das misses teriam sido hostilizadas por um atendente de hotel que afirmou que ambas não caberiam em uma cama de casal. Revoltadas, resolveram se expor.

De um lado, milhares de pessoas apoiando o ato como um importante passo para combater a gordofobia. Eu faco parte de outros milhares que não concorda que posar pelada seja uma forma de rebater uma situação de preconceito. E vou explicar meus motivos.

Concurso de Miss é um concurso de beleza que exige das candidatas uma conduta ilibada, livre de polêmicas e, sobretudo, sem exposição desnecessária do próprio corpo. Não analisei o regulamento do concurso organizado por Renata Issas, mas no concurso promovido pela Impacto Produções, as candidatas não podem fazer trabalhos desta natureza sob pena de desclassificação. Quem entra em um concurso de miss tem uma imagem a zelar. É a de princesinha, comedida, educada e diplomática e posar seminua, mesmo que em um protesto, não é postura de Miss. Se a pessoa não concorda, deve mudar de concurso ou entregar a faixa. Ou seja, ao aparecerem em frente ao congresso seminuas, elas desvirtuaram o conceito que todos esperam de uma Miss e perdem a faixa. Não importa se o motivo é justo ou não.

Se queremos ser exemplos e combater a gordofobia, ao sermos menosprezadas ou ofendidas por nossa condição de gordas, devemos chamar a polícia e exigir que seja registrado um Termo Circunstanciado. Esse protesto não mencionou o nome do hotel e nem do profissisonal que cometeu a ofensa, o que gerou dúvidas sobre a veracidade do fato. As vítimas dessa ofensa poderiam processar o autor da ofensa criminalmente e o Hotel civilmente, o que lavaria a alma e a honra de todas as gordas discriminadas por prestadores de serviço.

Diante da polêmica, enviei uma mensagem para as 4 misses da foto solicitando uma entrevista. Apenas uma me respondeu até o fechamento deste artigo, e de forma gentil e atenciosa. Seu nome é Flávia Soares, Miss Baixada Santista. Funcionária pública em um Tribunal de Justiça, diz ter recebido apoio de seu chefe, um Desembargador. Segundo ela, o retorno do protesto foi positivo. Ela recebeu mensagens de meninas depressivas, descontentes com o próprio corpo e que parabenizaram a iniciativa.

Não fiz com o intuito de chocar ninguém, fiz para ajudar as pessoas que me procuram. Estou feliz com a repercussão e faria novamente – diz Flavia Soares.

Perguntei para Flavia se ficar com os seios à mostra (quem consegue por muito tempo segurar seios manequim 52, 54?) e de calcinha em ambiente público não configuraria atentado ao pudor. Ela afirmou que saíram rapidamente do carro, de hobby, ajeitaram as mãos sobre os seios sem que ninguém notasse e fotografaram, sem chamar atenção. Já a Miss Plus Size São Paulo, Camila Bueno, disse o contrário para o site da Folha, que ficaram 15 minutos fotografando de topless e que enquanto isso passavam carros que buzinavam e as elogiavam.

A nudez como objeto de protesto sempre foi motivo de descrédito, descontrole e apelação. As grandes mulheres que mudaram o mundo e sensibilizaram nações, o fizeram vestidas.

Enfim, as meninas são lindas. E, ao meu ver, caso não existam empecilhos como regras de condutas para Misses que devem ser respeitadas e cumpridas, delicinhas assim não precisam ficar escondidas sob as roupas. Toda mulher tem o direito de se exibir e não ter vergonha do seu corpo e nudez, desde que isso não desrespeite o direito de outras pessoas. No entanto, fica a ressalva. Não usem campanhas sociais e nem se façam de vítima como desculpa para mostrar as peitolas e pepeca por aí. Wilza Carla, Carla Manso, Preta Gil, Tatiana Gaião entre muitas outras modelos e atrizes exibiram sua nudez por aí, no trabalho ou por amor ao próprio corpo. Celebrem seu corpo. Brindem o amor próprio. Sem desculpas. Simples assim.

26 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Quem merece seu apreço?

Por Eduardo Soares

Nas últimas semanas a pergunta tem sido constante: Edu, quando você voltará a escrever exclusivamente sobre as questões envolvendo mulheres acima do peso? Tive duas conclusões: 1 – A repetição do mesmo pedido mostra a importância da visão masculina diante do universo G; 2 – De fato, faz tempo que não elaboro uma prosa à moda antiga para destinada ao público alvo deste espaço virtual.

Uma nova tendência (longe de ser unânime) tem incomodado não só a mim como a boa parte dos envolvidos no segmento plus size. Você, leitora acima do peso, que já sentiu ou sente na pele as conseqüências dos famigerados pré-conceitos e preconceitos impostos por uma parte estúpida da sociedade que insiste em julgar o caráter de alguém com base nos dígitos apontados pela balança, deve estar percebendo vários casos recentes de “bruxinhas” se transformarem em “ousadas Cinderelas plus size”.  Bom sinal? Nem sempre. Como assim? Quando o exagero faz-se presente em qualquer história, nenhum conto de fadas da vida moderna tem final feliz.

Até pouco tempo atrás, fotos de gordinhas nuas eram vistas aos montes em sites exploradores do tal “sexo bizarro”. A razão para tal é simples: assim como existe o cara que realmente aprecia o corpo da menina acima do peso, não são poucos aqueles que sentem prazer em esculachar o mesmo tipo tido como “fora dos padrões de beleza”. Essa galera está por aí através de piadas de humor duvidoso, nos abusos do humor negro, nos temas politicamente incorretos e na distorção do conceito da liberdade de expressão. Gente, todo mundo faz piada sobre todo mundo. Você, leitora, em algum momento da sua vida deve ter dito alguma coisa aceitavelmente engraçada pro seu parceiro sobre algo relativo ao seu corpo. A diferença reside em abrir a boca para ofender/atacar gratuitamente determinado tipo de pessoas a troco de meia hora de fama ou da admiração burra de gente com o nível de inteligência abaixo de zero.  Fora isso, você ainda precisa lidar com os sábios que continuam a julgar sua capacidade com base no tamanho da sua calça jeans (se for menor que 48, você serve), ou pelo abdômen não reto, pelos braços fortes, coxas grossas, seios fartos e rostos arredondados. E o pior vem agora. Pasme, ainda tem gordinha que ajuda a manter o racismo ou a criatividade insana dos piadistas de plantão.

Exibicionismo sempre existiu. Mas o que antes era um estilo exclusivo de mulheres donas de corpos esculpidos através de academia, hoje tem a presença cativa de belas (outras nem tanto) meninas acima do peso. O que tem de menina acreditando ser a capa amadora da Playboy ou Sexy é uma coisa de louco! Outras pensam que são atrizes do ramo pornô, vide a enxurrada de fotos/vídeos explícitos pipocando na web. Essas meninas, embaladas pelo boom da aceitação do corpo, tomam banho na fonte do (falso) amor próprio. Com isso, elas estão ao nosso redor, peladas, empolgadas e de bem com a vida.

Existe algo muito interessante que o amadurecimento oferece a todos nós com o passar do tempo: arrependimento. Vai que, aos 18, Luluzinha cismou em publicar suas fotos caseiras sensuais. Dez anos depois, Luluzinha (então uma advogada de renome) teve as mesmas fotos divulgadas por um sujeito que fora acusado por ela. Olha a dor de cabeça (evitável, diga-se de passagem)! Por mais que ela tenha se arrependido daquela peripécia, as imagens, uma vez na intenet, estarão para sempre à disposição dos curiosos. Sim, o Google exerce a função de acervo vitalício. Ou seja, por mais que você tenha vida séria, seu passado estará nos WWWs e emails com titulos como Caiu Na Net, Deu Mole, Ninfetinha Gordinha ou Gorda Exibida da vida.  E o arrependimento perdeu para a inconseqüência de anos atrás.

Tem casal que curte registrar a transa. Nada contra. Mas preserve o conteúdo fotografado ou filmado da noite tórrida. Divulgar fotos dos apetrechos utilizados como a lingerie, chicote rosa, salto alto vermelho e corselete vinho só atrairá tarados de plantão. Não vou elaborar uma cartilha com as “regras dos registros da transa”. O corpo é seu, valorize-o ou valorize-se como achar melhor. Agora, saiba do risco que você corre caso queira mostrar seus dotes para o mundo. E use do bom senso.

Com dois anos dentro do mundo plus size, vi vários ensaios sensuais maravilhosos.  Desde os temáticos (com direito a cinta liga, luva, dedinho na boca e o escambau) até os menos sofisticados. Todos primaram pelo bom gosto. Se você insiste em ser vista, pelo menos procure gente capacitada para orientá-la melhor. Falta grana para aquela produção top de linha? Espere um pouco mais. Enquanto isso, ensaie, treine, não pare. Sem divulgação. Seja sexy pra você. Depois, para quem está com você. Nunca para o mundo virtual. Lembra da Luluzinha? Pense que outros verão seu acervo também. Entenda por “outros” seus pais, filhos, chefe, amigos do marido…

Visão do homem: entre a gordinha gata escancarada e a não-tão-bela-assim fotografada num ensaio profissional (e que pode ser sensual), nosso foco dará exclusividade para o segundo exemplo. Que raios nós, homens, vamos pensar de uma figura que coloca suas fotos na rede aparecendo em poses ginecológicas?

TODA MULHER deve ser apreciada, desejada, cobiçada. Para  quem a mereça ou fez por onde tê-la nua na cama. Caso eu queria apenas um pedaço generoso de carne, tenho duas opções: busco informações a respeito daquela que expôs seus dotes descenessariamente ou vou ao açougue.

Entre sensualidade e vulgaridade existe o discernimento.

Entre o sujeito sério e o cara-a-procura-de-mais-uma-gostosa-exibida existe o merecimento.

Quem merece seu apreço?

13 Comentários

Arquivado em comportamento, Edu Soares, Para Refletir, Preconceito, Relacionamento