Arquivo da tag: Relacionamento

Meu amor, obrigada por nada!

Por Renata Poskus Vaz

Eu te dei a minha melhor parte: o meu amor. Você fez pouco, desdenhou. Obrigada por nada, meu amor!

Obrigada por ter em tão pouco tempo revelado a sua falta de caráter, hombridade, e toda a sua inconsistência. Obrigada por ter mostrado que é desleal, vazio, um lixo de homem! Obrigada pelos bolos que me deu e por toda mentira mal contatada que me dirigiu. Obrigada por mostrar quem é de verdade em tão pouco tempo. Obrigada porque, desta forma, não perdi muito do meu tempo. Não fechei meus olhos. Não gastei meu verbo. Não te coloquei nos meus planos.  Não fiz da tua a minha vida. Não sofri.

Obrigada por ter rejeitado o meu amor. Ele de fato não era teu. É lindo demais. É grande demais. E não caberia, de forma alguma, em uma pessoa pequena. Obrigada por nada, meu amor.

8 Comentários

Arquivado em Relacionamento

Prova de amor

Por Renata Poskus Vaz

Depois que meu longo namoro de 5 anos acabou, jurei para mim mesma que nunca mais iria me apaixonar por ninguém. Acontece que nessas coisas do coração, ninguém manda. De repente, eu, a durona master suprema do universo, estava completamente apaixonada por um cara vindo do outro lado do mundo.

A coisa mais estranha (e maravilhosa!) que já senti na minha vida. Alguém com o mesmo terrível gênio que eu, inteligência ímpar e muito delicinha.

Acontece que vocês que me conhecem bem, há 5 anos, sabem do meu gênio. Não justificando, mas já justificando, ainda não sabia lidar comigo mesma e outra pessoa nessa fase recém-saída pós-depressão. Aquele momento em que misturamos êxtase e inseguranças. Se não entendia a mim mesma, como entender o outro?

De repente, o casal aparentemente perfeito e que muitos admiravam, se estranhou. Eu não soube  lidar com esse desentendimento. E após uma sucessão de erros da minha parte, em tão pouco tempo, meu conto de fadas chegou ao fim. Minha ansiedade em reparar meus erros, em me justificar, em querer consertar, acabou afastando ainda mais ele de mim. Até um ponto em que não nos restou a mínima chance de reconciliação.

Mas antes desse ponto final, alguns amigos me sugeriram um vídeo para reconquistá-lo. E eu adorei a ideia. Passamos mais de uma semana produzindo. Recebemos apoio de mais de 60 pessoas. Muita gente apoiando. Havia também quem dissesse: “você está se humilhando, se rebaixando”. Não, eu não estava. Graças a Deus tive uma excelente criação e o que de mais valioso aprendi com meus pais é assumir meus erros e tentar repará-los. Se não escondo meus sentimentos de raiva e desapontamento, porque teria que deixar o orgulho falar mais alto e esconder o amor, o carinho e o desejo de perdão e entendimento?

E foi fazendo essa prova de amor para uma pessoa, que recebi a maior prova de amor da minha vida. A dos meus amigos. Pouco a pouco as contribuições para o vídeo foram chegando. Eu ria com todas elas. Muito bem-humoradas, gente que queria minha felicidade de verdade. Eram tantas contribuições que, infelizmente, mais da metade precisou ficar de fora. Gravamos e editamos dezenas de vezes porque tudo dava errado. Minha internet não estava funcionando, o software de edição pifava, muitas coisas deram errado, meio que um aviso: “olha, não faça isso, Renata, você vai se machucar!”

Mas eu fui até o fim e fiz. Prefiro sempre me arrepender de ter tentado a não fazer nada e, no futuro, pensar em como teria sido.

Enfim…

O que vocês verão hoje é uma prova de amor que não teve como ser entregue ao seu destinatário pois, mais uma vez, com  minha ansiedade, acabei sendo dura com as palavras e o afastando definitivamente de mim, sem chance alguma de reconciliação. Mas não deixa de ser uma prova de amor da amizade de meus leitores e amigos.

Esse vídeo tem muito amor para ser esquecido em um pen drive. Tem que ser dividido. Ele não pode mais trazer meu amor para mim, mas pode servir de inspiração para todos nós.

Amo vocês!

Obrigada, gente!

27 Comentários

Arquivado em Relacionamento

O príncipe que desejamos, o cafajeste que esperamos

príncipe ou cafajeste

Por Renata Poskus Vaz

Você pede para Deus um príncipe. Um príncipe gentil, educado, que te de toda a atenção do mundo e te trate como a princesa que você é. De repente Deus te escuta. Manda aquele gentleman que você diz desejar. E o que você faz com ele? O transforma em seu melhor amigo, um ser assexuado, porque embora diga que deseja um príncipe, lá no fundo, o que você quer mesmo é um cafajeste para chamar de seu.

“Pô, Renata, não generalize! Nem toda mulher gosta de um cafa”. Concordo. Nem toda mulher gosta, mas a maioria das solteiras que conheço, que desejam um relacionamento sério e que estão sozinhas há tempos, reclamando da homarada e da solidão, é porque mira no príncipe, mas acerta no cafajeste.

Para essas mulheres, cara certinho não tem graça. É previsível demais, chato, cansativo, entediante… Um cara sem sal! Já os safados parecem homens irresistíveis e sempre interessantes. Só que é óbvio que os cafajestes jamais as assumirão. Essa história é mais ou menos assim: o príncipe que ama a princesa, que ama o cafa, que não ama ninguém.

Calma, não estou falando de algo consciente, é algo que foge da nossa razão.  Li alguns livros sobre isso e, em resumo, posso afirmar que relacionamento com cafas, que não nos dão valor algum, cria uma espécie de agitação em nossa vida. É uma relação turbulenta que preenche um vazio existencial. O cara vai lá, te leva para sair, faz um lepo lepo memorável e não te liga no dia seguinte, nem nas semanas seguintes, nem nunca mais. E quando liga, te usa, te maltrata, faz pouco de você. Sai com mais umas 5 ao mesmo tempo e não se importa que você fique sabendo, mesmo que você tenha deixado claro que não quer só uma amizade colorida ou sei lá o quê. Aí você sofre com isso, se ocupa com todo esse sofrimento e com suas próprias reclamações. E, garota, quer saber?  Jamais alguém que goste de você de verdade liga o foda-se para o seu sofrimento!

E tem ainda um outro tipo de cafajeste. Aquele que se faz de príncipe,  te engana, te ilude etc. Cabe a você ter sensibilidade para detectar se os sentimentos do cara são genuínos, ou uma reprodução em série de juras de amor para você e a torcida feminina inteira do Flamengo. Eles são tão confiantes que sempre, sempre mesmo, acabam dando sinais de que não valem o que comem, literalmente. Dissimulam, manipulam, mentem. Uma hora você descobre e  eles reagem negando. Simples.  Você vai sacar.

E antes que me pergunte, não, ele não vai mudar.

Por que você permite essa situação em sua própria vida? Por que se sente apaixonada por um cara desses? Provavelmente seja seu medo de sofrer. Você acaba preferindo um sofrimento previsível com um cafa, desde o início, do que correr o risco de ser feliz com um príncipe encantado. Isso mesmo, medo de ser feliz! Medo de ser feliz e um dia isso acabar, pois a dor poderia ser bem maior. Mas nesta de “poderia”, você deixa de vivenciar experiências bacanas com um cara realmente legal.

Às vezes, achamos que não somos merecedoras de uma história bonita, de fidelidade, carinho e respeito. E temos preconceito com caras legais, dispostos a nos valorizar, amar e apoiar. Nós os olhamos como bobos, quando na verdade são tudo o que lá no fundo precisamos, queremos e merecemos. A vida com um príncipe não precisa ser enfadonha. Muito pelo contrário. Príncipes são encantados. E há sempre surpresas neles. Mas essas surpresas você só descobrirá se permitir que ele entre em seu reino de faz-de-conta. Inclusive, príncipes podem ser cafajestes, mas apenas na hora “h”,  se você permitir,  e só com você.

Então, princesa. Dá um chega pra lá no seu cafa para seu príncipe poder chegar até você. 🙂

8 Comentários

Arquivado em Para Refletir, Relacionamento

Como se tornar uma gordinha sexy

tess munster sexy

Tess Munster, top model, mostrando como é que se faz… rsrsrs

Por Renata Poskus Vaz

Oi, garota! Você é um mulherão super sexy, ciente de suas infinitas qualidades e amante de cada curva do seu próprio corpo? Parabéns, hoje, esse texto não é para você.

Agora se você busca uma receita milagrosa de como se tornar um mulherão sensual e provocante, mesmo com alguns quilos extras na balança, temos muito o que conversar. Porém, já vou logo adiantando: não existem milagres!

Sensualidade vem de dentro para fora. Ok, sei que provavelmente você já deve escutar muito isso.  E parece algo muito óbvio e ao mesmo tempo inaplicável. Coisa que a gente sabe bem como funciona na teoria, mas na prática não consegue aplicar. Certamente deve pensar: “como eu que engordei tanto, que me acho feia, posso me sentir sexy?”. É, se não se ama, não pode mesmo. E aí talvez esteja a grande solução para esse seu desafio de redescobrir a própria sensualidade: a autoaceitação. Um passo de cada vez.

Primeiro você deve se observar, como se fosse uma segunda pessoa. Como se estivesse se olhando de longe. Agora se pergunte: “eu não tenho nenhuma qualidade mesmo?”. Impossível! Todo mundo tem qualidades e isso não é conversa de mãe. Observe-se com atenção… Pare de se fazer de vítima! Você com certeza tem qualidades como mulher que nenhuma outra tem. E, de quebra, qualidades físicas também.

Cuide-se. Não é se cuidar para os outros, mas para si mesma. Unha, cabelos, pele, alimentação…  Cuidar do corpo e da beleza dá um baita “up” na autoestima. Vista-se bem, nem  que seja para ir só até a padaria. Crie um ritual de beleza. Desfile.  Sorria.

Ser sexy não tem a ver com bunda, peito e muito menos com calcinha de periguete… Inclusive, também não estou falando de vulgaridade. Ser sexy tem a ver com estado de espírito. Quer um exemplo? Não é um cabelão que faz daquela mulher sexy, mas a forma como ela joga aquele cabelo de um lado para outro. Ou até mesmo a falta dele e como aquela mulher sustenta com poder a estilosa careca. Ser sexy é ter atitude.

Atitude não se fabrica, mas você pode se arriscar e colocá-la, pouco a pouco, em prática. Para isso, perca o medo. Perca o medo de ser você mesma, de olhar, de falar… O medo nos limita (li isso em algum lugar!rsrsrs)! Automaticamente você passará a ter atitudes que condizem mais com a personalidade da nova mulher que você quer se tornar.

Agora que você já sabe que deve reconhecer suas qualidades, parar de se vitimizar e ter atitude,  lá vem a  última lição e mais valiosa de todas: não tenha vergonha do seu corpo!

Quando você tinha um corpo magro, certamente se preocupava com as pequenas e pouquíssimas gordurinhas que de repente poderiam aparecer, não é mesmo? E no relacionamento isso se traduzia em luzes apagadas na hora “h”, posições hiper, super, calculadas para esconder a barriguinha. Agora, relaxe! Se for esconder as gordurinhas na hora de namorar, terá que namorar de burca porque as gordurinhas aumentaram, né? E, olha, nem os árabes namoram de burca, te garanto. Relaxe e… Aproveite.

Olha, uma coisa te digo. Tá cheio de cara por aí que super vai se amarrar nas suas gordurinhas. O que você vê  como defeito, eles veem como presentes do céus. Acredite! Seja sexy!

12 Comentários

Arquivado em comportamento

Carta para Santo Antônio

santo antonio

Por Renata Poskus Vaz

Santo Antônio,

Hoje é o seu dia. Não se preocupe, Santinho. Não vou te afogar em um copo qualquer, por aí. Não vou deixá-lo de cabeça para baixo e nem fazer aquelas inúmeras chantagens que só mulher desesperada para casar faz (e que eu já fiz também, por tantas vezes… Mas que fique só entre nós, hein?). Não farei promessas também.

Ah, Santo Antônio! Hoje, na verdade, eu queria te agradecer. Agradecer por não ter me atendido no passado. Eu sei, meu amado santinho, que você não me atendeu porque sabia que aquele não era o momento exato para eu me casar e construir uma família. Confesso que te achei um chato, pensei até que havia virado as costas para mim. Fiquei brava mesmo, Antônio!

Hoje sei que você sempre olhou por mim. Eu neguei, reneguei tantas vezes o que estava tão claro! O senhor tentou me avisar, mas eu não quis enxergar e até sofri um bocado com isso. Hoje entendo que você, mais do que ninguém, sabe que eu não quero casar pelos motivos errados. E que não sou o tipo que se deslumbra simplesmente com uma festa de casamento. Meu dia de princesa vivo todos os dias! Sou uma aquariana tão cara-de-pau que seria capaz de fazer uma festa de casamento comigo mesma, uma celebração de amor próprio, se sentisse vontade de usar um vestido de noiva e comer um bem-casado feito especialmente para mim. Assim mesmo, louca, sem medo de ser feliz. Não preciso de um marido para ter festa!

Ah, meu amado Santinho, quando pedia um marido é porque sonhava com um companheiro fiel, um amigo leal, um confidente, um amante nota 10… Tudo isso em um só homem, por todos os dias de minha vida. E você, tão amado e sensível, sempre soube disso. Sempre soube que eu não precisava me contentar com pouco. Você conhece cada detalhe da minha alma, sabe da minha capacidade de amar sem limites, entende o quanto sou verdadeira e intensa, e não me permitiria desperdiçar tudo isso sem ser retribuída à altura.

Por isso, meu Santo, agradeço mais uma vez. Obrigada por não ter me atendido. Por me proteger e me guardar para o momento exato. Amém!

8 Comentários

Arquivado em Relacionamento

“Não é porque ele namora uma gorda, que vai ficar a fim de você”

Por Renata Poskus Vaz

E finalmente você começa a namorar um cara legal e muito gato. Um sujeito magro, forte, bonitão, pinta de galã da novela das oito, um perfil que provavelmente ninguém nunca fosse imaginar que um dia fosse se apaixonar por uma gordinha. Mas vocês se conheceram, se curtiram e começaram a namorar.

A  lista de amigos do cara no Facebook era vazia antes de se conhecerem. E, de repente, uma enxurrada de gordas passa a adicioná-lo. O pior é que são gordas com as quais você certamente já deve ter se cruzado nesse mundinho virtual, sem um mínimo de simpatia ou amizade entre vocês.

Do nada, elas se comportam como amigas de infância do seu gato. Curtem todas as fotos do bonitão. Todas. Deixam elogios exagerados, forçando uma intimidade que nunca existiu entre os dois.

Você já passou por isso?

Eu presencio essa situação todos os dias  com amigas desse mundo plus size. Num passe de mágica seus namorados viram objeto de cobiça alheia. E como eu mesma já passei por isso no passado,  passei a investigar o que leva mulheres a buscar incessantemente a atenção de homens comprometidos com mulheres, assim como elas, gordas.

Ilusão de que o cara tem tara por gordas

É uma ilusão pensar que há homens que namoram com bumbuns fartos, peitos gigantes e pernas grossas. Essas partes do corpo podem sim chamar a atenção de um cara a primeira vista, mas não são elas que o fazem ficar. E da mesma forma que há mulheres que preferem homens morenos, ou altos, ou mais velhos, podem sim existir homens que prefiram as gordinhas. Mas o que o faz namorar com uma é um conjunto de qualidades. Caso contrário, se fosse só por tesão, pele, não passaria de uma noite e nada mais.

O fato de um homem preferir namorar gordinhas, não faz dele um tarado adúltero, que trocará a namorada pela primeira gordinha safada oferecida que aparecer por aí. Embora gostemos de pregar que homens são todos iguais, todos safados, existe sim uma legião de caras que valorizam suas mulheres, que são fiéis.

Há outros que nunca gostaram de gordinhas e namoram uma pela primeira vez. E mesmo que terminem com a atual namorada, nada garante que se interessarão novamente por uma.

Gostar de competir e roubar o que é da outra para se sentir “menos pior”

Querer roubar namorado de outra não é um mal de gorda. É mal de mulher. E eu juro que mesmo com um espírito rancoroso, vingativo e amarguinho, não consigo acreditar que existam mulheres que se predispõe a isso. Tenho muito orgulho de dizer que jamais fiquei com ex-namorado de amiga minha, muito menos com ex de desafetos. Acredito em alma gêmea, mas nunca pensei que minha alma gêmea fosse o chinelo velho de alguém próximo.

Como diz minha irmã, em um mundo com 7 bilhões de pessoas, querer bem o bofe da amiga ou mesmo da inimiga  é um tremendo atraso intelectual, sentimental, de caráter e espiritual.

Eu demorei para perceber isso, que algumas mulheres próximas poderiam querer a todo custo o meu namorado. Mas na verdade, o que elas desejavam não era a pessoa maravilhosa que ele era, mas a relação que nós tínhamos. Elas não invejavam o fato de eu namorar ou o meu namorado como pessoa. Invejavam quem eu era quando estava com  ele. E isso não há como se copiar. O que faz um relacionamento são as duas pessoas. Ou seja,  ou você entra nesse triângulo amoroso (brincadeirinha!) ou esquece de vez, porque uma mesma pessoa se comportará de maneira diferente em outros relacionamentos.

Uma pessoa maravilhosa não te faz alguém melhor se você for alguém medíocre.

Toda relação tem um equilíbrio. É uma união e não uma compensação.

Achar que porque o cara não reclama, é porque está gostando

Homens são idiotas a ponto de não quererem criar inimizade com ninguém e negam até a morte que aquela garota que força uma intimidade está querendo alguma coisa a mais com ele. Ele sabe que não vai trair a namorada, que nenhuma biscate do mundo é capaz de separá-los, são racionais, talvez por isso não pensem que precisam excluir, bloquear ou destratar as penosas.

Nós já somos passionais, pensamos em mil e uma hipóteses sobre essas aproximações sem propósito. Pensamos no depois, no que estão pensando da gente, que vamos ficar com famas de corna, ou que há um plano maligno sendo tramado com o qual seremos surpreendidas no futuro.

Ou seja,  ele pode não reclamar por ser mesmo um banana. É claro que pode acontecer ao contrário, ele ser um grandiosíssimo filho da puta. Mas isso cabe a você sentir e descobrir.

Confiança é tudo!

É muito difícil se sentir confiante em uma situação dessas, mas façam o que eu digo, não façam o que eu faço! rsrsrs

Confiem em seus parceiros. Se o cara tiver que te trair, vai te trair. Seja com a gorda oferecida do facebook, ou com uma pessoa que você já mais viu em sua vida.

Isso não quer dizer que você precise se fazer de cega, surda e muda para mostrar que é uma mulher confiante. Chame o gato para conversar. Se ele se importar com você, vai evitar esse tipo de situação e conflito. Se ele continuar te ignorando, reveja se ele realmente se importa com seus sentimentos e se manter o relacionamento nessas condições vale a pena.

Com relação às destruidoras de lares e sentimentos alheios, se for sua amiga, corte-a. Amiga que é amiga entende os limites de qualquer amizade e não se insinua para seus namorados. Se for uma pessoa estranha, não gaste saliva.

Tenha certeza sempre que a coitada dessa história não é você. 🙂

Dica para aquelas que curtem o marido/namorado alheio

Gata, meu recado agora é para você. Não sou puritana, estou bem longe disso. Também não vou ficar vomitando aquelas histórias de que “Deus” está vendo etc. Também sei que o que vou dizer vai entrar pela sua orelha e sair pelo outro.

No entanto, no futuro, talvez você relembre das minhas palavras.

Pode parecer tentador roubar o namorado de alguém que você conhece. No fundo você tem aquela sensação de poder, se acha melhor em alguma coisa, com super poderes etc. Provavelmente você justificará a sua ação dizendo que: “se o cara gostasse dela de verdade, não daria bola para mim”. E até pode ter razão. Mas isso não quer dizer, também, que o gato vai te dar algum valor depois.

Se ele realmente te deu bola, quando estiver com você dará bola para outra. E aí a usadinha, corninha da vez, será você.

Conquistar e ser conquistada é muito bom! E fazer isso sem prejudicar ninguém, também.  É  bom viver uma história de amor em que a mocinha protagonista é você. Ninguém quer ser a vilã da sua própria história de amor.

Outra coisa importante a salientar é que pessoas infiéis ou que estejam envolvidas em uma história de infidelidade podem se prejudicar também em outras esferas sociais.  Todos os dias pessoas são despedidas por conta de interferências dessa natureza, que acabam refletindo em suas carreiras. Além disso, uma pessoa infiel no amor, ou que apoie uma traição, tem grandes chances de agir da mesma forma no trabalho, com familiares, amigos etc. Não só no amor.

Não se queime por pouca coisa. 😉

30 Comentários

Arquivado em comportamento, Relacionamento, Sexo

As gordinhas são as melhores na cama?

Tara Lyn

Por Renata Poskus Vaz

Você certamente já conheceu algum homem gordofóbico, desses bem machistas, e que, de repente, se viu perdidamente apaixonado por uma gordinha. É mais ou menos como aquele ditado popular: “não cospe para cima que cai na sua testa”. O cara vai lá, cospe pra cima, desfila com magrinhas, esculhamba as gordinhas  mas, de repente, se vê completamente rendido, dominado e obcecado por uma mulher de medidas generosas, bem mais pesada do que ele.

Normalmente esse tipo de cara não se apaixona por uma gorda a primeira vista. Ele vai lá, sai com ela escondido dos amigos, se convencendo de que tudo não vai passar de apenas uma noite e que ninguém precisa ficar sabendo. Tem aquela ideia retrógrada de que gordinhas são mais fáceis e blá  blá  blá, que vai ser bem mais fácil levar uma gorda para a cama do que uma mulher magra. Ele sente que está usando a gorda, quando na verdade ele também está sendo usado por ela. Sexo é troca. Realmente tudo pode não passar de uma noite e pronto. Mas e quando o cara gama? Se apaixona? Tem com a gorda uma noite maravilhosa, que jamais teve com nenhuma mulher?

Ah, minha amiga, é aí que, ele, que zombou a vida inteira de gordas, certamente vai demorar meses até assumir sua fofinha por aí. Terá vergonha de ser ridicularizado da mesma forma com que ridicularizava as outras pessoas. Se ele estiver diante de uma gorda submissa, coitadinha, certamente estenderá esse romance secreto por muito tempo. Se na verdade ela for um mulherão, ele estará perdido! Ou assume  sua gorda de vez, ou corre o risco de perdê-la para outro (ou o melhor,  ela  simplesmente pode preferir ficar sozinha).

Perguntei para alguns amigos, ex-gordofóbicos (mesmo que contidos, não explícitos) o que as gordinhas tem que as magras não tem. Veja as respostas mais comuns abaixo:

Gordinhas são mais quentes na cama

Essa é a unanimidade! E eles ainda tem as teorias do porquê as gordinhas serem mais quentes e terem menos frescura na cama:

1) Sabem que é difícil para elas estarem com caras tão  bonitos (argh!) e por isso querem se esforçar em agradá-los (muito machista essa resposta, né?!  MAS VÁRIOS PENSAM ISSO)

2) Tem em proporção maior o que os homens adoram: peito e bunda!

3) Transam de luz acesa/tem menos vergonha do copo que as magras. Isso achei bem interessante e, segundo alguns rapazes,  eles acreditam que se deva ao fato das magrinhas tentarem esconder suas imperfeições, que normalmente são poucas, enquanto a gordinha sabe que mesmo que se esforçasse, não conseguiria esconder toda a sua celulite ou gordurinhas, lidando, dessa forma, melhor  com o próprio corpo.

Gordinhas são mais companheiras

Todos dizem que as gordinhas são mais pacientes, boas ouvintes, engraçadas e tolerantes (não sou nada disso! hahaha sou uma magra em um corpo gordo, será?). “Não vejo a hora passar quando estou com ela”, disse um amigo, para mim. Lindo, não é? Existe romantismo na safadeza!

Gordinhas são mais dispostas

Alguns rapazes dizem que as gordinhas são mais dispostas (seja para passear, transar ou conversar) que as magrinhas. E eu me pergunto: de onde é que eles tiraram isso? Será que é porque ingerimos mais calorias e fazemos menos exercício, gastando com coisas mais legais? rsrrs

***

O título dessa matéria foi um simples chamariz, pois não acredito em competições desse tipo entre mulheres. Não somos todas iguais. Não somos uma fórmula. Magras, não me batam! Não acho que vocês sejam inferiores  às gordas (embora eu seja bem melhor hoje em todos os sentidos do que quando era magrinha :p) . Não gosto quando homens nos definem sexualmente tendo como base o nosso físico, as nossas gordurinhas, como se cada uma de nós não tivesse sua própria individualidade, personalidade e sexualidade.

Não gosto quando homens falam como se tivessem nos escolhido, quando na verdade qualquer relacionamento, seja sexual, amizade,  casual, amoroso, necessita da vontade de 2 (ou mais!) pessoas para existir.

O interessante dessas colocações é saber como os pensam para definirmos se entramos ou não nessa de mulher objeto, nessa jogada. Ah, e não se esqueça: nem todo cara é um idiota que terá vergonha de você. :p

39 Comentários

Arquivado em Sexo, Uncategorized